Cristianismo cresce quase 1% na Indonésia, país de maioria muçulmana

Os últimos dados divulgados pelo governo da Indonésia sugerem que o número de cristãos no arquipélago aumentou ligeiramente.

Fonte: Guiame, com informações do Christian Post e ICCAtualizado: segunda-feira, 11 de outubro de 2021 13:34
Cristãos se reúnem em uma igreja em meio a forte segurança policial após um atentado à bomba na catedral de Makassar. (Foto: Juni Kriswanto / AFP via Getty Images)
Cristãos se reúnem em uma igreja em meio a forte segurança policial após um atentado à bomba na catedral de Makassar. (Foto: Juni Kriswanto / AFP via Getty Images)

O país do sudeste asiático, que abriga a maior população muçulmana do mundo, tem hoje 20,4 milhões de protestantes e 8,42 milhões de católicos, que juntos representam 10,58% da população total de 272,23 milhões, segundo dados da Direção-Geral do Departamento de População e Registro Civil (Dukcapil) do Ministério de Assuntos Internos.

A informação foi dada pela International Christian Concern, acrescentando que os dados do censo de 2010 mostraram que 9,87% da população era cristã.

Entre a população da Indonésia, 236,53 milhões (86,88%) se identificam como muçulmanos. 

Geograficamente, existem 30 províncias de maioria muçulmana. Apenas em quatro províncias o Islã é uma religião de minoria ou menos de 50%, incluindo Papua Ocidental.

A Constituição da Indonésia é baseada na doutrina de Pancasila - cinco princípios que sustentam a crença da nação no único Deus e na justiça social, humanidade, unidade e democracia para todos. No entanto, existem muitos grupos extremistas na Indonésia que se opõem a Pancasila.

As igrejas frequentemente enfrentam oposição de grupos que tentam obstruir a construção de casas de culto não muçulmanas. A Human Rights Watch disse anteriormente que mais de 1.000 igrejas no arquipélago foram fechadas devido à pressão desses grupos.

A Indonésia está classificada em 47º na lista de países na Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas onde os cristãos enfrentam os níveis mais extremos de perseguição.

Atentados

A minoria cristã na Indonésia compareceu à missa de Páscoa deste ano sob forte segurança após um atentado suicida fora de uma igreja, executado por um casal afiliado a uma rede terrorista local que jurou fidelidade ao Estado Islâmico.

Dois dias antes da Sexta-feira Santa, a polícia matou a tiro uma mulher de 25 anos, identificada como Zakiah Aini, que apontou uma arma para policiais na sede da Polícia Nacional em Jacarta e disparou pelo menos seis tiros, relatou Jakarta Globe na época, acrescentando que Zakiah abandonou a universidade e apoiou o ISIS.

No Domingo de Ramos, um homem de 26 anos, identificado como Muh Lukman, e sua esposa, Yogi Sahfitri Fortuna, também conhecida como Dewi, explodiram na frente do portão da Catedral da Igreja na cidade de Makassar, na província de Sulawesi do Sul em por volta das 10h30, quando a igreja se preparava para seu terceiro culto.

A polícia disse que muitos dos suspeitos e os dois homens-bomba faziam parte de um grupo terrorista local, Jamaah Ansharut Daulah, ou JAD, cujos líderes juraram lealdade ao ISIS.

A JAD, a célula terrorista mais ativa da Indonésia nos últimos dois anos, também estava por trás de ataques coordenados a três igrejas - Igreja Católica Imaculada Santa Maria, Igreja Cristã da Indonésia e Igreja Central de Pentecostes de Surabaya - em Surabaya em 13 de maio de 2018, que matou pelo menos 13 pessoas.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame