Indonésia: Cultos acontecem em locais improvisados 6 anos após demolições de igrejas

Os cristãos alegam que a recusa das autoridades em deixá-los a reconstruir suas igrejas viola seus direitos constitucionais.

Fonte: Guiame, com informações do UCAAtualizado: sexta-feira, 6 de agosto de 2021 17:54
Protestantes adoram sob um abrigo coberto com folhas de palmeira no distrito de Aceh Singkil (Foto: Reprodução / Sejuk).
Protestantes adoram sob um abrigo coberto com folhas de palmeira no distrito de Aceh Singkil (Foto: Reprodução / Sejuk).

Um grupo de jornalistas, ativistas e escritores apelou ao governo indonésio para resolver disputas nas quais nove igrejas foram demolidas por uma autoridade local na província de Aceh, deixando os cristãos sem local adequado para realizar seus cultos.

As igrejas - oito protestantes e uma católica - foram demolidas no distrito de Aceh Singkil em 2015.

Os chefes distritais alegaram que as igrejas não deveriam ter sido construídas porque Aceh é predominantemente muçulmana e a única província da Indonésia que implementou a lei Sharia.

Eles também alegaram que um acordo firmado entre muçulmanos locais e colonos cristãos em 1980 significava que apenas uma igreja seria permitida no distrito.

Dez igrejas foram construídas, então nove tiveram que ser demolidas, disse um porta-voz do distrito.

No entanto, as demolições obrigaram milhares de cristãos a adorarem em abrigos improvisados.

Abrigos improvisados

Desde que suas igrejas foram demolidas seis anos atrás, eles têm adorado em abrigos sem paredes e folhas de palmeira como telhado.

“As autoridades locais pisotearam descaradamente os direitos dessas pessoas”, disse Tantowi Anwari, porta-voz da Associação de Jornalistas pela Diversidade (SEJUK), ao UCA News em 5 de agosto.

Ele disse que membros da SEJUK visitaram os cristãos em julho e ficaram com raiva. 

“Desde que suas igrejas foram demolidas seis anos atrás, eles têm adorado em abrigos sem paredes e folhas de palmeira como teto”, disse Anwari.

Isso era inaceitável, disse ele, acrescentando que o presidente Joko Widodo precisava intervir e garantir seus direitos de culto conforme estabelecido na constituição.

O Pr. Boas Tumangger, da Igreja Cristã Protestante Pakpak Dairi em Aceh Singkil, disse que as autoridades locais ignoraram seus protestos por seis anos, então agora é a hora de levar o caso a Jacarta. 

Intolerância religiosa

A Indonésia comemora o Dia da Independência em 17 de agosto “mas não somos independentes porque ainda enfrentamos discriminação e intolerância por parte das autoridades locais”, disse o Pr. Tumangger.

Bonar Tigor Naipospos, vice-presidente do Instituto Setara para a Democracia e Paz, disse que o chamado acordo de 1980 estava impedindo que uma solução fosse encontrada em nível local.

Mas este é um problema nacional no contexto da tolerância religiosa, por isso deve ser resolvido.

“A melhor coisa a fazer é deixar o governo nacional cuidar disso e dizer às autoridades locais para dar às minorias religiosas seus direitos constitucionais”, disse Naipospos ao UCA News.

O padre Antonius Benny Susetyo, membro de uma unidade presidencial que promove a tolerância comunal, disse que o ministro de Assuntos Religiosos, Yaqut Cholil Quomas, agora está cuidando do caso.

Ele disse que a questão precisa de um diálogo intenso porque Aceh é diferente das outras regiões, pois tem um alto nível de autonomia e implementa a Sharia.

“Mas este é um problema nacional no contexto da tolerância religiosa, por isso deve ser resolvido”, disse ele ao UCA News.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame