Jesus disse: ‘Parem de se preocupar tanto e admirem os lírios do campo’

Botânica Bíblica.

Fonte: Guiame, Cris BeloniAtualizado: segunda-feira, 22 de novembro de 2021 17:16
Lírio do campo. (Foto: Kate Ter Haar/Flickr)
Lírio do campo. (Foto: Kate Ter Haar/Flickr)

“Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu lhes digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles”. (Mateus 6.28,29)

Numa das passagens mais lindas da Bíblia, a primeira observação que devemos fazer é que Jesus olhava para a natureza com alma de poeta. Ele ressaltou a beleza de um lírio e destacou que sua formosura chamava mais a atenção que as vestes de um rei.

Há dois pontos muito relevantes nesse texto — a beleza singela de uma flor e a vaidade humana. Vamos começar pela flor.

Sobre os lírios

Cientificamente, os lírios são conhecidos por açucenas e também são chamados de “lírios dos vales”, justamente por crescerem com mais facilidade nesses locais, apesar de crescerem também em campos e beira de rios.

Mas é possível encontrar lírios nos pastos, entre espinhos, onde são transformados em alimento para ovelhas e gazelas. Seu perfume se assemelha ao perfume da mirra, porém alguns são mais suaves e adocicados.

Mas, nem todos os lírios são iguais. Todos são belos e exuberantes, mas cada um tem sua forma e sua cor. É por isso que, no mundo da jardinagem, é o tipo de flor mais cobiçada.

Lírio do campo. (Foto: srslyguys/Flickr)

Na botânica, os lírios são do gênero Lilium e na divisão da biologia todas as espécies são semelhantes. Alguns são mais claros, outros mais escuros e as cores variam muito.

E assim são as pessoas também. Elas são semelhantes, mas não são iguais. E quando Jesus compara seres humanos com flores, Ele faz uma observação importante: as flores são belas e não precisam fazer nada para serem assim. Deus criou a cada uma de forma única.

Mas as pessoas, por outro lado, se preocupam demais com a beleza e acabam abandonando sua originalidade e deixam de ser quem realmente são. Resumidamente, Jesus mostrou que as pessoas investem muito tempo com ornamentos, enfeites, “capas e máscaras” e perdem a verdadeira essência delas.

Por que vocês se preocupam com roupas?

Essa pergunta de Jesus é bem intrigante e podemos fazer duas análises. A primeira é que, naquela época, as roupas já representavam status e poder. Mas, no jardim do Éden, as primeiras roupas feitas de pele, serviram apenas para que o casal não se sentisse nu.

As roupas servem, primeiramente, para proteção do corpo. Mas, as pessoas também utilizam as roupas para expressar um jeito de ser, a personalidade e, principalmente, a posição que ocupa.

Nos dias de hoje, é comum identificar profissionais pelas roupas e uniformes. Por exemplo, um juiz, uma advogada, um médico, uma empregada doméstica ou um jogador de futebol.

Também é fácil identificar um padre, uma freira, uma noiva ou um jardineiro. Agora pense nos tempos de Jesus, nas vestes dos reis e rainhas, nas capas dos profetas e nas roupas dos sacerdotes.

Não tem nada de errado em adequar as roupas conforme os cargos, as atividades e até a forma como nos sentimos por dentro. O alerta de Jesus estava na preocupação excessiva das pessoas em relação ao que iriam vestir.

Muitos vestiam-se para se sentir superiores aos demais, enquanto outros mal tinham o que vestir. Veja o que Jesus disse aos discípulos:

“Cuidado com os mestres da lei. Eles fazem questão de andar com roupas especiais, e gostam muito de receber saudações nas praças e de ocupar os lugares mais importantes nas sinagogas e os lugares de honra nos banquetes. Eles devoram as casas das viúvas, e, para disfarçar, fazem longas orações. Esses homens serão punidos com maior rigor!” (Lucas 20.46,47)

Lírio do campo. (Foto: Skym4k3r/Flickr)

Agora vamos para a segunda análise. Por que se preocupar com a provisão de amanhã? No versículo anterior ao que estamos estudando, Jesus também disse:

“Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa?” (Mateus 6.25)

E ainda:

“Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?” (Mateus 6.26,27)

Aplicação da Palavra

Há várias lições que podem ser extraídas do versículo que acabamos de estudar. A primeira é que devemos ser mais contemplativos como Jesus, mais observadores e mais poetas. “Olhai os lírios do campo”.

Precisamos refletir mais e questionar menos. Confiar mais e nos preocupar menos. É claro que a felicidade está nos detalhes de cada momento. A verdadeira essência de quem somos não se esconde no orgulho ou na vaidade, mas está estampada na simplicidade.

Não precisamos de roupas caras para ser quem somos e também não precisamos nos preocupar com o que haveremos de vestir amanhã, pois Deus é o nosso provedor. Considere uma vida mais leve e suave, sem o peso da preocupação.

“Olhem para as aves, livres e desimpedidas: não estão presas a nenhum emprego, e vivem despreocupadas, aos cuidados de Deus. E vocês valem para ele muito mais que os passarinhos!” (Mateus 6.26 / Bíblia em Linguagem Contemporânea / A Mensagem)

E para finalizar:

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”. (Mateus 6.33,34)

E esse foi o estudo desta semana. Espero que tenha tirado a sua dúvida e também colaborado para o seu crescimento espiritual. Beijo no coração e até a próxima, se Deus quiser!

Por Cris Beloni, jornalista cristã, pesquisadora e escritora. Lidera o movimento Bíblia Investigada e ajuda as pessoas no entendimento bíblico, na organização de ideias e na ativação de seus dons. Trabalha com missões transculturais, Igreja Perseguida, teorias científicas, escatologia e análise de textos bíblicos.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Existem “mansões celestiais” para a nossa morada no céu? Entenda o termo bíblico

Siga-nos

Mais do Guiame