Governador americano veta 5 leis pró-vida, incluindo a que protege sobreviventes do aborto

De acordo com a NBC News, os republicanos não têm maioria suficiente no legislativo estadual para anular o veto.

Fonte: Guiame, com informações do Live ActionAtualizado: quarta-feira, 8 de dezembro de 2021 15:58
Tony Evers no momento em que veta legislação pró-vida. (Foto: Reprodução / Twitter Tony Evers)
Tony Evers no momento em que veta legislação pró-vida. (Foto: Reprodução / Twitter Tony Evers)

O governador do estado americano de Wisconsin, Tony Evers, vetou cinco projetos de lei na sexta-feira (3) que teriam decretado mais restrições ao aborto.

“Já disse, e direi de novo hoje: enquanto eu for governador, vetarei qualquer legislação que faça retroceder o relógio em direitos reprodutivos neste estado - e isso é uma promessa”, tuitou.

O líder da maioria da assembleia estadual, Jim Steineke, expressou sua consternação com o veto. “O governador Evers deixou claro hoje sua posição de que uma vida não desejada é uma vida que vale a pena desperdiçar”, disse ele em um comunicado.

“Apesar das ideologias radicais de nosso governador, nunca vou parar de lutar contra essa injustiça para proteger aqueles que não podem se proteger.”

A legislação que Evers derrubou inclui:

- Um projeto de lei de nascidos vivos que exigiria que profissionais médicos fornecessem cuidados vitais a bebês que sobrevivem a um aborto

- Um projeto de lei que proibiria abortos discriminatórios com base na raça, sexo ou nacionalidade da criança nascida antes do nascimento

- Um projeto de lei que exige que os médicos forneçam informações aos pais cujos filhos nascidos nascem com teste positivo para uma condição congênita

- Um projeto de lei que exigiria que os médicos dessem às mulheres informações sobre o processo de reversão da pílula abortiva caso elas recebessem um aborto químico

- Um projeto de lei que reduziria o financiamento do estado para instalações de aborto, proibindo-os de se registrar como um provedor de acordo com o Medicaid

Isso marca a segunda vez que a legislatura republicana pressiona por leis pró-vida apenas para que Evers as vete. Em 2019, ele também vetou quatro projetos de lei destinados a implementar restrições ao aborto, incluindo legislação semelhante que visa proteger bebês nascidos vivos após uma tentativa de aborto.

Os defensores do aborto afirmam que esta é uma ocorrência muito rara, mas como o Live Action News relatou anteriormente, bebês sobreviveram ao aborto e atualmente não há penalidade legal para os médicos que deixam essas crianças morrer.

O senador Julian Bradley se manifestou contra o veto do projeto de lei antidiscriminação. “Matar um bebê por nascer por causa de seu sexo, raça ou deficiência não é cuidado de saúde”, disse ele em um comunicado.

“Este é um veto radical e pró-discriminação do governador Evers. Os moradores de Wisconsin merecem saber que a vida é valorizada, sejam eles homens ou mulheres, brancos ou negros, ou pessoas com deficiência”.

De acordo com a NBC News, os republicanos não têm maioria suficiente no legislativo estadual para anular o veto.

Siga-nos

Mais do Guiame