Falar em línguas é evidência do batismo com o Espírito Santo? Professor responde

Gutierres Fernandes acredita que a Bíblia apresenta um padrão e que a manifestação espiritual é audível e visível.

Fonte: Guiame, Cris BeloniAtualizado: quinta-feira, 23 de setembro de 2021 12:52
Gutierres Fernandes em entrevista ao Douglas Gonçalves. (Foto: Captura de tela/Youtube JesusCopy)
Gutierres Fernandes em entrevista ao Douglas Gonçalves. (Foto: Captura de tela/Youtube JesusCopy)

Afinal de contas, existe uma evidência do batismo com o Espírito Santo? O editor do blog Teologia Pentecostal, Gutierres Fernandes, que também é escritor de quatro livros, entre eles o “Revestidos de Poder”, fala sobre o tema em entrevista ao JesusCopy.

Ele começa indicando algumas evidências encontradas no Antigo Testamento, através do termo “cheio do Espírito Santo” e cita uma narrativa de Números 11. “Os setenta anciãos recebem o Espírito que estava sobre Moisés e o texto é muito claro ao dizer que ‘quando o Espírito os enche’ eles começam a profetizar [vers. 25]”, explicou.

Gutierres também menciona o que ocorreu com Saul, no capítulo 10, do livro de 1 Samuel. “Ele também recebeu o Espírito Santo e, diz o texto, que ele começa a ‘profetizar’. Muitos hebraístas entendem que o verbo seria o equivalente a ‘falar em línguas’ porque o texto não diz o conteúdo desta profecia e nem que foi uma mensagem”, continuou.

Experiência de êxtase

Conforme Gutierrez, que é professor de Escola Dominical na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Ministério Belém, em São Paulo, o verbo “profetizar” dentro dos contextos citados remete a “uma experiência de êxtase”. 

“Eles receberam o Espírito Santo e tiveram um movimento ‘inclusive corporal’ que fez com que as pessoas olhassem e reconhecessem que ‘estavam cheios do Espírito de Deus’. Era uma manifestação audível e visual”, especificou.

O professor menciona ainda Eldade e Medade [Nm 11.27] e as profecias de Joel, no capítulo 2. “Ele disse que, no futuro, o Espírito seria derramado sobre toda carne. O texto diz ‘vossos filhos e filhas profetizarão’. Também fala de visões e sonhos, mas a profecia está ali em primeiro lugar”, lembrou.

Espírito Santo no Novo Testamento

Ao citar o encontro entre Isabel e Maria, as duas grávidas (Lc 1], Gutierrez enfatiza que Isabel também teve uma experiência de êxtase, pois recebeu o Espírito Santo e profetizou ao dizer “Bendita é você entre as mulheres, e bendito é o filho que você dará à luz! [Lc.1.42].

“O anjo havia dito a Zacarias [marido de Isabel] que aquela criança [João Batista] seria cheia do Espírito, desde o ventre. E quando Zacarias voltou a falar, ele também foi cheio do Espírito e profetizou”, relacionou.

“Nós percebemos esse padrão no Antigo Testamento e na Teologia Pentecostal entendemos que Lucas reproduziu no livro de Atos o padrão que já existia, mas a ênfase é a glossolalia [capacidade de falar em línguas desconhecidas] e não a profecia”, esclareceu.

Profecia, glossolalia e missão

Conforme Gutierrez, a diferença entre o Velho e o Novo Testamento, quando tratam do aspecto de “ser cheio do Espírito Santo” é que no Velho a pessoa é cheia e começa a profetizar em sua própria língua. Enquanto que, no Novo, a pessoa é cheia e começa a falar uma língua estranha.

“É um conteúdo de fala que não é da pessoa, mas recebida do Senhor. E existe um padrão bíblico, ligando o Espírito Santo a um ‘enchimento missionário’ para uma missão específica. Os setenta anciãos tinham uma missão, Isabel tinha uma missão, Zacarias e João Batista tinham uma missão e a Igreja também tem uma missão”, considerou.

Portanto, para que essa missão seja cumprida é necessário a capacitação por parte do Espírito Santo em cada pessoa, daí o “enchimento de Espírito”, ele justificou.

“O Espírito Santo dá um sinal de fala — essa é a lógica do ‘falar em línguas’. E em Atos 1.8 diz: Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas. Então, o objetivo desse enchimento é ser testemunha”, resumiu.

“O falar em línguas é um sinal desse enchimento”

“O que uma testemunha faz? Fala! Esse sinal de fala aponta o propósito desse batismo. Existem pontos que serão sempre discutidos — por exemplo, se o ‘falar’ deve ocorrer em todos os casos — mas do ponto de vista bíblico, há uma lógica e, do Antigo ao Novo Testamento isso vai sendo trabalhado”, disse.

“Eu acredito, sim, que o ‘falar em línguas’ é um sinal desse enchimento, mas talvez não ocorra com todo mundo. Toda regra tem exceção. Talvez alguém experimente esse enchimento para o testemunho e não tenha a experiência do falar, mas eu diria que é o esperado, pois é um padrão que a gente enxerga no texto bíblico”, concluiu.

 Assista o vídeo:

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame