MENU

Israel

Israel tem planos militares contra o Irã: 'Estamos nos preparando para todas as opções'

O país se preocupa com os representantes do Irã no Líbano e na Síria, onde há presença do grupo terrorista Hezbollah.

Fonte: Guiame, com informações de CBN NewsAtualizado: quarta-feira, 20 de outubro de 2021 17:50
O presidente iraniano, Hassan Rouhani, visita a usina nuclear de Bushehr. (Foto AP)
O presidente iraniano, Hassan Rouhani, visita a usina nuclear de Bushehr. (Foto AP)

Israel está avançando em planos militares para enfrentar o programa nuclear do Irã e se opor à crescente influência da República Islâmica na região. “Os iranianos hoje estão mais perto de criar material físsil para armas nucleares do que no passado”, disse um oficial de segurança israelense a jornalistas durante uma entrevista coletiva.

Conforme a CBN News, os militares de Israel estão estabelecendo um novo quartel-general para lidar exclusivamente com o Irã, que está se entrincheirando em países instáveis ​​da região e usando “subversão, financiamento do terrorismo e exportação de armas” para remodelar o Oriente Médio, advertiu o funcionário.

“À luz do progresso iraniano de seu programa nuclear, estamos nos preparando para todas as opções e cenários, incluindo capacidades militares”, ele revelou.

Mudanças históricas

Israel vê uma luta pelo poder se desenvolvendo na região — uma luta que coloca o Irã xiita e seus representantes no Iêmen, Iraque, Síria e Líbano contra países moderados que são ameaçados pelas ações de Teerã. 

Israel quer alavancar as novas relações que fez com seus vizinhos árabes por meio dos “Acordos de Abraão” e seus laços estreitos com Egito, Jordânia, Grécia e Chipre para construir uma defesa contra o Irã na região.

“A mudança histórica nas relações com os países árabes também incluirá componentes de segurança”, disse um oficial. “A cooperação em segurança melhorou e se intensificou nos últimos meses. Esta é uma oportunidade para qualquer país que queira se envolver na região para lidar com ameaças comuns”, continuou.


Exposição militar exibe o míssil Shahab-3. Foto do líder supremo iraniano Aiatolá Ali Khamenei, em Teerã, 2008. (Foto: AP / Hasan Sarbakhshian)

Preocupações de Israel

Israel está particularmente preocupado com os representantes do Irã no Líbano e na Síria. “O Irã e a organização terrorista Hezbollah continuam a se estabelecer na Síria e ameaçam Israel”, disse ainda o oficial.

“Israel continuará sua campanha nesta área cinzenta e continuará pelo tempo que for necessário para proteger os cidadãos de Israel”, ele garantiu. 

Durante anos, Israel realizou centenas de ataques aéreos contra milícias ligadas ao Irã na Síria. No entanto, as autoridades israelenses raramente comentam sobre os relatos desses ataques aéreos.

Enquanto isso, o Hezbollah está ganhando mais influência no Líbano à medida que o país enfrenta crises políticas e econômicas. “A fonte de instabilidade no Líbano é pela organização terrorista Hezbollah, que explora os recursos do estado para os interesses iranianos”, disse o oficial de segurança. 

“É de vital importância intensificar a pressão internacional para promover reformas políticas e econômicas, como condição para a assistência infraestrutural e econômica para estabilizar o país”, ele comentou.

Israel X Hezbollah

Israel não quer ver uma guerra com o Hezbollah e espera ver cerca de 2 mil foguetes por dia em um conflito com o grupo terrorista, disse Uri Gordin, chefe do Comando da Frente Interna do Exército, à AFP.

Isso é cinco vezes maior do que a quantidade diária que Israel enfrentou durante sua guerra de 11 dias, em maio com o Hamas. Embora Israel esteja preparado para usar a força militar, ele prefere confiar na diplomacia e nos esforços internacionais para deter Teerã.

Israel se opôs ao acordo que o Irã assinou com potências mundiais, em 2015, para conter seu programa nuclear, mas acomodaria um novo acordo se garantisse que o Irã nunca obteria armas nucleares.


Base subterrânea que abriga mísseis mortais foi revelada pela Guarda Revolucionária Islâmica no Irã. (Foto: Reuters/Sepahnews)

Sobre o acordo nuclear de 2015

Os esforços do governo Biden para renegociar o acordo de 2015, depois que o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump o abandonou em 2018, até agora fracassaram. 

Washington está trabalhando em estreita colaboração com Israel e seus outros aliados para aumentar a pressão sobre o Irã para que volte à mesa de negociações.

O governo Biden deu a entender, na semana passada, que os EUA poderiam considerar o uso da força se a diplomacia falhar.

“O tempo está se esgotando”, disse o secretário de Estado, Antony Blinken, na semana passada. “Estamos preparados para recorrer a outras opções se o Irã não mudar de rumo, e essas consultas com nossos aliados e parceiros fazem parte disso. Analisaremos todas as opções para lidar com o desafio apresentado pelo Irã”, concluiu. 

Siga-nos

Mais do Guiame