Revolução silenciosa contra a família e a infância

Temos que buscar conhecimento a fim de abrir caminhos para a compreensão de atitudes e comportamentos.

Fonte: Guiame, Marisa LoboAtualizado: quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020 15:50
(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

Num mundo de tantas modificações e crises, não é possível funcionar como sempre o fizemos. É preciso renovar, reinventar, aprender, procurar saídas, ter a humildade de admitir que não temos todas as respostas. Somente assim criaremos filhos saudáveis e não presenciaremos a dissolução e extinção da família.

Existe uma revolução silenciosa que atinge a família de modo cruel – os pais não estão sabendo como educar seus filhos e as pessoas não sabem como construir relacionamentos duradouros. A maioria quer resolver os problemas com soluções exteriores como: mais dinheiro, carro novo, casa melhor, outro amor, dando todo conforto à família. As pessoas esquecem que os males nascem no coração, portanto, não adiantam soluções exteriores quando o real problema está dentro do ser humano.

Todos nós experimentamos conflitos relacionais. Fugir deles ou ignorá-los não adianta. O poeta português Luís de Camões afirmou que não se aprende na fantasia, sonhando, imaginando ou estudando somente. Aprendemos vendo, tratando e pelejando.

Prevenir é sempre o melhor remédio. Não podemos perpetuar os mesmos erros. Conflitos são, até certo ponto, normais. Ninguém pode viver inteiramente livre deles. Na verdade, não são os conflitos que acabam com as melhores ou piores relações.

O que determina o fim delas são as atitudes e decisões que tomamos diante das discórdias.

Um relacionamento que dá certo é um edifício que tem de ser construído todos os dias. Quem age motivado pela ira, mentira, amargura, irritabilidade e infidelidade, jamais é feliz. É a paz que alicerça o amor, e não a ira. É a verdade que promove a confiança, e não a mentira. É o perdão que traz reconciliação, e não a amargura. É a sensibilidade que permite o diálogo, e não a irritabilidade. É a fidelidade que garante que o relacionamento será capaz de durar até a morte, e não a infidelidade. Esquecer essas verdades é um convite ao desastre.

A meta do relacionamento nunca foi e nunca será a destruição ou extinção da família, mas o saneamento das relações. Oportunidades aparecem quando os obstáculos são superados; problemas são resolvidos, abrindo caminhos para o entendimento, a maturidade e o crescimento. O relacionamento deve evoluir e transformar-se, e não se deteriorar. Tudo isso para você viver plena e abundantemente o amor. O amor atravessa barreiras, une extremos e transforma tudo e todos por onde passa; guiado por ele, você supera dificuldades, vence limitações, ultrapassa conflitos e alcança aquilo que julgava impossível.

Para sanar problemas e facilitar as relações, busque conhecimento bíblico sobre casamento, educação de filhos, e livros de profissionais cristão da área da saúde mental, relacionamentos, sempre visando buscar melhorar. Todo aquele que busca melhorar seus relacionamentos e viver uma vida que realmente vale a pena deve observar com atenção redobrada, todas os conselhos sobre uma vida em família saudável. Temos que buscar conhecimento a fim de  abrir caminhos para a compreensão de atitudes e comportamentos, muitas vezes, incompreensíveis àqueles que vivem os conflitos, precisam buscar conhecimento e modelar bons exemplos de família saudável,  para sua  mente, espírito  coração ,  precisamos sempre buscar compreender o comportamento e as reações humanas, para resolver inúmeros conflito e garantir que situações externas não interfiram em sua família e na educação dos seu filhos.

Extraído dos livros: Como fazer de seu filho uma criança feliz e Limites, de Marisa Lobo

Por Marisa Lobo é psicóloga, especialista em Direitos Humanos e autora dos livros "Por que as pessoas Mentem?", "A Ideologia de Gênero na Educação" e "Famílias em Perigo".

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Aborto, uma verdadeira indústria da morte

Siga-nos

Mais do Guiame