O ministério apostólico ainda é para os nossos dias? Randy Clark responde

O pastor e idealizador do “Voz dos Apóstolos” ministrou no evento sobre a importância de exercer todos os cinco ministérios eclesiásticos para um avivamento na igreja atual.

Fonte: Guiame, Cássia de OliveiraAtualizado: quinta-feira, 7 de outubro de 2021 14:26
 Randy Clark durante ministração na Voz dos Apóstolos 2021. (Foto: Marcos Paulo Correa/Guiame).
Randy Clark durante ministração na Voz dos Apóstolos 2021. (Foto: Marcos Paulo Correa/Guiame).

Nesta terça-feira (7), o pastor Randy Clark ministrou no “Voz dos Apóstolos 2021”, como um dos conferencistas mais aguardados pelos participantes do evento, que acontece pela primeira vez no Brasil, em São José dos Campos.

Randy Clark, que testemunhou o grande Avivamento de Toronto em 1994, falou sobre a atualidade do ministério apostólico nos nossos dias. O avivalista destacou a importância de exercer os cinco ofícios ministeriais de Efésios 4, equipando a Igreja a fim de promover um avivamento, com salvação de almas e manifestação do poder de Deus no mundo.

“O diabo não está preocupado com o tamanho de sua igreja, mas com o tamanho de seu exército”, observou Randy. Como Igreja, segundo o líder, “o nosso trabalho não está terminado até que nós discipulemos aqueles que se convertem a Cristo”.

Com mais de 30 anos de experiência pastoral, Clark afirmou que os pastores foram chamados para treinar um exército. “Nós não somos chamados por Deus para simplesmente sermos pagos para sermos capelães. Não somos chamados como pessoas contratadas para fazer o serviço da diretoria”, reiterou. 

“Nosso trabalho como pastores é receber os novos recrutas do exército de Deus e ensiná-los como serem discípulos de Cristo para curarem os enfermos, para se moverem nos dons do Espírito e compartilharem as boas novas do Evangelho do Reino”.

A atualidade do ministério apostólico


Randy Clark durante ministração na Voz dos Apóstolos 2021. (Foto: Marcos Paulo Correa/Guiame).

Randy Clark ressaltou ainda que, durante 500 anos de tradição protestante, grande parte da Igreja considerou apenas os ofícios de pastor e mestre, dentre os cinco no exercício do ministério e que, atualmente, há dois ofícios que não são reconhecidos: profeta e apóstolo.

Porém, de acordo com Clark, Deus nunca parou os ministérios profético e apostólico desde o início da Igreja, já que a Bíblia declara que Jesus levantou os cinco ofícios para o Corpo chegar ao amadurecimento à estatura perfeita de Cristo e a Igreja ainda não chegou a essa posição.

“O que aconteceu é que em algum momento se tornou politicamente e religiosamente incorreto ou inapropriado usar o título apóstolo ou profeta. Mas a função estava lá, apesar do título não estar sendo usado”, assegurou o pastor.

O líder lembra que muitos heróis da fé na história da Igreja foram apóstolos em seu ministério e que o risco dessa função não ser reconhecida é de que muitos passaram a se autodenominar apóstolos, quando na verdade não são. 

“Porque ser apóstolo não é só experimentar curas e milagres, mas viver o que a Bíblia chama de sofrimento apostólico, é ter que cuidar de todas as igrejas. Uma das coisas que faz que tantos sejam hesitantes em assumir essa posição na Igreja é os modelos ruins daqueles que tomam para si o título de apóstolo sem a evidência do apostólico em suas vidas”, disse Clark.

Randy reitera que o ministério de apóstolo não é uma autoridade máxima a ser servido, mas é alguém que serve sacrificialmente o Corpo de Cristo. “O verdadeiro apóstolo não faz uma pirâmide com o apóstolo no topo onde todos ao redor devem serví-lo. É o contrário, o peso da igreja está sobre ele. O triângulo invertido é o modelo bíblico, porque o maior deve ser o mais servo”, afirmou.

Como os Apóstolos equipavam os santos no Novo Testamento?


Randy Clark durante ministração na Voz dos Apóstolos 2021. (Foto: Marcos Paulo Correa/Guiame).

Segundo o pastor, o principal meio usado por líderes apostólicos na Igreja do Novo Testamento para equipar os crentes era a transferência de unção pela imposição de mãos. A partir do século 2, quando todos os apóstolos da Igreja primitiva haviam morrido, aconteceu uma mudança: a igreja passou a usar o título bispo no lugar de apóstolo. 

Durante a consagração de líderes ao ministério integral, os bispos impunham as mãos nos novos obreiros para orar por eles, para receberem uma transferência da unção e da graça para o ministério. “E até hoje, este é um ensinamento da Igreja”, lembrou Randy Clark.

E questionou: “Com qual velocidade poderia o avivamento se espalhar se aqueles que são bispos de movessem no poder apostólico para qual foram chamados? Quão mais rápido veríamos milagres, salvações, discipulados em um abraçar completo do ministério apostólico?”.

O segundo meio usado por líderes apostólicos no Novo Testamento para equipar os cristãos é a ativação de dons, ensinou Randy. “Eu não creio que a ativação de dons vem somente através dos apóstolos, mas também dos pastores”, afirmou. 

O pastor Clark explicou ainda que a Bíblia não diz que os milagres e sinais acontecem para confirmar os apóstolos, mas para confirmar a mensagem do Evangelho. O avivalista esclareceu que quem dá os dons espirituais a Igreja é o Espírito Santo e não os apóstolos.

“Quero corrigir um mal entendido: líderes apostólicos não têm a capacidade de dar dons de Deus a você. Precisamos ter mais cuidado com o nosso linguajar para que não criemos um mal entendido. Você vai orar por muitos e nada vai acontecer. E isso é bom, pois te ajuda a se manter humilde”, afirmou. 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame