Obama critica latinos evangélicos por valorizarem questões como 'aborto' e 'casamento gay'

O ex-presidente dos EUA criticou os eleitores evangélicos latinos que votaram em Donald Trump por suas opiniões sobre aborto e casamento gay.

Fonte: Guiame, com informações da National ReviewAtualizado: terça-feira, 1 de dezembro de 2020 17:33
O ex-presidente Barack Obama durante evento em Munique, na Alemanha. (Foto: Christof Stache/AFP)
O ex-presidente Barack Obama durante evento em Munique, na Alemanha. (Foto: Christof Stache/AFP)

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, criticou os eleitores evangélicos latinos que votaram em Donald Trump em vez de Joe Biden por suas opiniões sobre o aborto e o casamento gay.

Apesar da contagem de votos indicar a vitória de Biden, Trump ganhou o apoio dos eleitores latinos de acordo com dados das eleições em condados com uma grande comunidade hispânica.

“As pessoas ficaram surpresas com muitos latinos que votaram no Trump. Mas há muitos hispânicos evangélicos”, comentou Obama no podcast The Breakfast Club, transmitido na última quarta-feira (25).

“O fato do Trump dizer coisas racistas sobre os mexicanos ou colocar trabalhadores sem documentos nas jaulas, eles acham que isso é menos importante do que seu apoio às suas opiniões sobre o casamento gay ou o aborto”, acrescentou Obama. 

De acordo com a Associated Press, no entanto, as “jaulas” mencionadas por Obama foram na verdade construídas durante seu governo, tendo Biden como vice-presidente. As instalações já construídas foram usadas por Trump para abrigar crianças na fronteira com o México. 

A agência de notícias diz que são “instalações de fronteira cercadas de arame onde os migrantes foram alojados temporariamente, separados por sexo e idade”.

Giancarlo Sopo, um dos estrategistas de mídia latina da campanha de Trump, contestou a afirmação de Obama.

“Nossa publicidade e comunicação latina se concentraram amplamente em questões econômicas, segurança pública, América Latina e socialismo”, disse Sopo à revista National Review. “Nunca exibimos um único anúncio que mencionasse o casamento gay e, embora nossos apoiadores abordassem o aborto na mídia, nossa única publicidade sobre o assunto se limitou a um modesto espaço numa rádio do Novo México”.

De acordo com Sopo, que estava envolvido na produção de anúncios de campanha em espanhol, a campanha de Trump enfatizou diferentes tópicos a vários grupos latinos.

“Em estados como Texas e Arizona, onde os latinos são predominantemente mexicanos-americanos, as fortes políticas e medidas de fronteira do presidente para combater a pobreza foram muito populares”, disse Sopo. “Enquanto isso, a lei e a ordem eram a principal prioridade para os eleitores em áreas com grandes comunidades porto-riquenhas, como Orlando e Filadélfia”.

Enquanto isso, cubanos e venezuelanos com cidadania americana destacaram as tendências “socialistas” de alguns democratas progressistas para explicar seu apoio a Trump.

Trump havia apoiado o direito ao aborto antes da campanha de 2016, mas se voltou em direção ao movimento pró-vida. Sua campanha eleitoral não falou sobre os direitos do casamento, segundo o National Review.

O senador republicano Josh Hawley criticou os comentários de Obama como “condescendentes”.

“Ah, sim, aqueles evangélicos latinos. Tão retrógrado. Apegando-se a suas armas e religião, você pode dizer”, escreveu Hawley no Twitter. “Barack Obama ainda é o liberal corporativo mais condescendente da América”.

Siga-nos

Mais do Guiame