Liberação do aborto caseiro na Escócia preocupa maioria da população, diz pesquisa

Pesquisa revela que quase sete em cada 10 estão preocupados com abortos domésticos não supervisionados.

Fonte: Guiame, com informações do Christian InstituteAtualizado: quinta-feira, 14 de janeiro de 2021 11:29
Cerca de 85% disseram estar preocupados com o risco de as mulheres serem coagidas a fazer um aborto. (Foto: Reprodução / Christian Institute)
Cerca de 85% disseram estar preocupados com o risco de as mulheres serem coagidas a fazer um aborto. (Foto: Reprodução / Christian Institute)

A maioria dos escoceses está preocupada com os planos do governo escocês de tornar permanente um esquema de aborto caseiro, revelou uma nova pesquisa de opinião.

De acordo com a legislação de emergência da Covid, as mulheres na Escócia podem fazer um aborto nas primeiras 12 semanas de gravidez após apenas uma consulta por telefone ou vídeo com um médico ou enfermeira. Na Inglaterra e no País de Gales, apenas médicos podem aprovar abortos.

Os ministros estão consultando sobre como tornar o esquema permanente, mas uma pesquisa realizada pelo Savanta ComRes para a Sociedade para a Proteção de Crianças Não Nascidas (SPUC) revelou que quase sete em cada dez estão preocupados com abortos domésticos não supervisionados.

Coerção

A pesquisa também revelou uma série de outras preocupações sérias dos adultos escoceses sobre os planos, com mais de oito em cada dez mulheres preocupadas que acharão angustiante a perspectiva de ter que se livrar dos restos mortais do bebê abortado.

Um número semelhante estava preocupado com a possibilidade de pílulas abortivas serem falsamente obtidas por outra pessoa, já que o médico ou a enfermeira não teriam visto a mulher pessoalmente.

Cerca de 85% disseram estar preocupados com o risco de as mulheres serem coagidas a fazer um aborto, enquanto uma porcentagem semelhante estava preocupada que algumas mulheres pudessem ser forçadas a um aborto indesejado por um parceiro doméstico abusivo.

‘Apavorante’

O CEO do SPUC Scotland John Deighan disse que “esta é uma acusação dura contra o governo escocês impondo uma política de aborto indesejado a uma nação relutante. A população escocesa mostra claramente mais preocupação com a saúde das mulheres e seus bebês em gestação do que com seus vergonhosos representantes eleitos.”

Para ele, “a enquete comprova que o público concorda conosco, mandando um forte alerta aos nossos políticos para que ponham ordem na casa e acabem com essa política desacreditada e bárbara.”

“Desde o início da crise do Covid, o foco tem sido salvar vidas. Infelizmente, as vidas dos nascituros não parecem contar. É espantoso que o governo escocês esteja usando a crise do Covid para pressionar para que os abortos domiciliares se tornem a norma, privando muitas mulheres da oportunidade de reflexão e supervisão e apoio médico adequados”, disse Deighan.

Dignidade humana

Escrevendo no The Scotsman, o Dr. Calum MacKellar do Conselho Escocês de Bioética Humana disse que os abortos caseiros mostram um desrespeito pela dignidade humana - particularmente no que diz respeito aos restos mortais do bebê.

Ele explicou que em uma clínica, o corpo de uma criança abortada é tratado com algum respeito, pois normalmente é colocado em uma caixa, levado ao necrotério e cremado. No entanto, com os abortos domiciliares, os restos mortais são geralmente “jogados no vaso sanitário ou descartados como lixo de outra maneira”.

O especialista em ética concluiu: “A sociedade escocesa não pode, portanto, continuar a permitir que os restos de embriões / fetos sejam simplesmente descartados como resíduos sem valor.”

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame