Programas religiosos e escolas evangélicas são força de reabilitação em prisões americanas

Os cristãos continuam empenhados em maneiras maiores e mais criativas de servir nas prisões.

Fonte: Guiame, com informações do Christianity TodayAtualizado: terça-feira, 26 de outubro de 2021 16:01
 Voluntários ministram em dezenas de prisões dos Estados Unidos. (Foto: Reprodução / Prision Fellowship)
Voluntários ministram em dezenas de prisões dos Estados Unidos. (Foto: Reprodução / Prision Fellowship)

O mais proeminente evangélico do ministério de prisão na memória recente é, claro, Charles “Chuck” Colson. Conhecido por muitos como o “homem machado” do ex-presidente americano Richard Nixon, Colson cumpriu pena na prisão federal por crimes relacionados ao escândalo Watergate.

Como muitos prisioneiros, Colson voltou-se para a fé para reavaliar sua vida, desencadeando uma mudança dramática na direção pessoal que o levou à fundação da proeminente Prison Fellowship, uma organização sem fins lucrativos.

Colson falou da necessidade de os cristãos serem ativos no tratamento do problema do crime, bem como na reforma de prisioneiros e prisões.

Embora amplamente influente como um protótipo, os esforços de Colson empalidecem em comparação com o escopo muito mais amplo do envolvimento cristão evangélico no ministério de prisão hoje. Tanto os grupos de igrejas locais quanto as grandes instituições seguiram os passos de Colson.

Enquanto muitos evangélicos estão familiarizados com grupos de ministério de prisão que variam de esforços voluntários de igrejas locais a organizações maiores como a Prison Fellowship, modelos mais novos e menos conhecidos para o ministério evangélico dentro das prisões dos EUA estão se baseando no trabalho inovador de algumas das maiores e mais violentas instituições da América. Este trabalho enfatiza equipar prisioneiros para seu próprio ministério e equipar prisões com recursos de voluntários religiosos.

Essas novas abordagens estão sendo desenvolvidas principalmente em instituições de segurança máxima com recursos insuficientes. Os cristãos continuam empenhados em maneiras maiores e mais criativas de servir aos cidadãos de todas as religiões nas prisões da América.

Desafios

Tanto nos Estados Unidos quanto em outros países, um número crescente de programas religiosos baseados em voluntários são a fonte dominante de reabilitação de prisioneiros em ambientes de custódia.

As instalações correcionais enfrentam desafios sem precedentes: superlotação, violência, suicídio, a prevalência de problemas de saúde mental e o envelhecimento geral da população carcerária.

Uma pesquisa mostra que as prisões fazem pouco para corrigir de forma significativa as transgressões passadas dos criminosos, e os próprios dados do governo demonstram que o encarceramento não impede de forma significativa futuros delitos.

Em duas instituições consideradas violentas, a Penitenciária do Estado da Louisiana em Angola e a Penitenciária do Estado do Mississippi em Parchman, foi realizada uma pesquisa mostrando o impacto dos programas religiosos.

Formados no seminário encontraram sua maior carga de trabalho nas celas, transformadas em pequenas congregações. (Foto: Reprodução / Prision Fellowship)

Como as duas maiores prisões de segurança máxima do país, ambas têm histórias emaranhadas na escravidão, arrendamento de condenados e encarceramento em massa. A maioria das pessoas que cumprem pena em ambas as instituições é negra.

Mas são instituições como essas onde os ministérios evangélicos têm sido bem-vindos para conduzir novos programas para alcançar os prisioneiros, como opções de educação em seminário especialmente planejadas.

Burl Cain, ex-diretor da Penitenciária Estadual de Louisiana (LSP), procurou o New Orleans Baptist Theological Seminary (NOBTS) para perguntar sobre a oferta de alguns cursos como um presente para sua prisão.

Depois da relutância inicial, o NOBTS decidiu que a instrução no LSP não apenas se enquadrava em sua missão, mas também afirmava sua missão - e, finalmente, a escola abriu um centro de extensão em pleno funcionamento no terreno da prisão.

Em 2015, o NOBTS formou seu primeiro pequeno grupo de ministros treinados, desenvolvendo um currículo adaptado com foco em aconselhamento de processos e gestão de conflitos. O seminário em LSP foi inaugurado em 1995 e continua operando até hoje com fundos arrecadados pelo NOBTS e outras instituições de caridade cristãs.

Pequenas congregações

Os formados no seminário logo encontraram sua maior carga de trabalho não nas capelas da prisão, mas em dormitórios e blocos de celas, liderando suas próprias pequenas congregações, ajudando com aconselhamento e auxiliando capelães.

Treinados em aconselhamento de processos e gestão de conflitos, os formados no seminário deram voz às necessidades espirituais e de saúde mental dos prisioneiros.

Ministérios evangélicos conduzem novos programas para alcançar os prisioneiros. (Foto: Reprodução / Prision Fellowship)

“Pagamos por este programa do nosso próprio bolso como uma oferta. Temos orgulho de fazer isso”, contou o decano da NOBTS, Jimmy Dukes.

Nos Estados Unidos, o modelo de parcerias público-privadas entre guardas prisionais, educadores religiosos e voluntários motivados pela fé estão operando em 29 estados e mais de 50 prisões de segurança máxima em todo o país. Agora existem três seminários em prisões femininas, o terceiro dos quais foi lançado no início deste ano.

Um ministério iniciado pelo ex-técnico da NFL Joe Gibbs fez parceria com o College at Southeastern para fornecer um diploma de bacharel em artes em ministério pastoral para 30 homens elegíveis.

Para se qualificar, os candidatos devem ter 15 anos restantes para cumprir sua pena e preencher um formulário de inscrição para a faculdade. A maioria da primeira turma de 25 graduados será transferida voluntariamente para ministrar em outras prisões em janeiro.

Siga-nos

Mais do Guiame