Militares de Mianmar atiram contra Igreja Batista e matam pastor após bombardeio

Desde a tomada dos militares em fevereiro, os ataques a minorias religiosas aumentaram.

Fonte: Guiame, com informações de Portas Abertas e ICCAtualizado: quarta-feira, 22 de setembro de 2021 14:35
Pelo menos 18 casas e um prédio do governo foram queimados no município de Thantlang, no estado de Chin, em 18 de setembro, durante um confronto entre exército birmanês e as forças de resistência. (Foto: AFP)
Pelo menos 18 casas e um prédio do governo foram queimados no município de Thantlang, no estado de Chin, em 18 de setembro, durante um confronto entre exército birmanês e as forças de resistência. (Foto: AFP)

Uma igreja batista, no estado de Chin Ocidental, em Mianmar, foi atingida por disparos da artilharia militar, na tentativa de conter a resistência no país. O incidente ocorreu na noite de 14 de setembro e, de acordo com a Portas Abertas, o prédio foi danificado, mas não houve vítimas. 

No dia 18 de setembro, porém, o exército birmanês, conhecido por Tatmadaw, bombardeou pelo menos 19 casas e um prédio do governo no estado de Chin, e um pastor batista acabou sendo atingido. Ele estava ajudando a apagar o incêndio em uma das casas, conforme relatou o International Christian Concern (ICC).

O pastor Cung Biak Hmun, da Igreja Batista do Centenário de Thantlang, que foi supostamente morto a tiros, deixou a esposa e dois filhos.

Cristãos estão sendo atingidos

O município de Thantlang, onde a maioria é cristã, está sob forte ataque do Tatmadaw. Milhares de moradores fugiram para Mizoram, na Índia, em meio a intensos combates entre as forças de defesa locais e o exército.

O ataque parece ser uma retaliação por um ataque anterior a um posto militar por grupos de resistência locais nos quais 12 soldados foram mortos. 

“Tatmadaw, o exército de Mianmar, está desestabilizando o país, atingindo pessoas e propriedades das igrejas cristãs, matando civis e queimando aldeias e casas. Estamos realmente perplexos”, disse um cristão da aldeia depois que o exército ocupou e destruiu a igreja que frequentava.  

Em junho, líderes da igreja no leste do estado de Karenni relataram ataques militares em pelo menos oito igrejas. A repressão que está acontecendo deixou as minorias religiosas étnicas em Chin e outros estados ainda mais vulneráveis. 

Violação dos direitos humanos

O ataque dos militares a edifícios de igrejas, propriedades e casas de civis é um insulto à religião e aos crentes”, disse a Convenção Batista Chin, em comunicado, no dia 19 de setembro.

Após um golpe militar em Mianmar, em 1 de fevereiro, o país entrou em crise. Enquanto cidadãos de todo o país iam às ruas para protestar, as forças de segurança responderam com violência. 

Até agora, pelo menos 1.105 pessoas foram mortas em áreas urbanas, mais de 6.500 presas e aproximadamente 176 mil pessoas foram deslocadas dentro do país. 

Em resposta à violência, vários grupos armados étnicos que lutaram pela independência durante décadas, uniram forças com grupos de resistência locais, o que levou a uma escalada do conflito. 

“O país está entrando em uma guerra que o levará à ruína. Os ataques às igrejas foram uma violação dos direitos humanos, bem como uma violação do direito humanitário internacional”, disse um comunicado do Instituto de Assuntos de Chin, com sede na Índia. 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame