Autoridades invadem escola infantil administrada por igreja perseguida, na China

Segundo a Igreja Early Rain Covenant escreveu em um post no Facebook, as crianças estavam brincando juntas no momento da invasão.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 21 Janeiro de 2021 as 9:24

Membros da Igreja Early Rain Covenant em oração. (Foto: Reprodução / Facebook)
Membros da Igreja Early Rain Covenant em oração. (Foto: Reprodução / Facebook)

Policiais, oficiais do departamento de educação, oficiais de segurança nacional e oficiais de gestão urbana invadiram uma casa onde crianças estudavam em Chengdu, China. O local é administrado pela Igreja Early Rain Covenant.

Segundo a igreja de 5.000 membros escreveu em um post no Facebook, as crianças estavam brincando juntas no momento da invasão.

“A polícia agora está invadindo a casa. Há um grande número de policiais fora e dentro da casa do irmão Liang Huali e da irmã Shu Qiong, e eles estão removendo os pertences pessoais do irmão Liang. Por favor, ore!”, escreveu a igreja.

Em dezembro de 2018, a polícia fechou a igreja, arrombou as portas das casas dos membros e líderes da igreja e prendeu mais de 100 pessoas. A polícia continuou a assediar os membros do ERCC desde então, de acordo com um relatório da China Aid.

O pastor Wang Yi do ERCC foi posteriormente condenado a nove anos de prisão sob a acusação de subversão de poder e operações comerciais ilegais.

Cristãos na China

A China tem mais de 60 milhões de cristãos, pelo menos metade dos quais cultuam em igrejas clandestinas não registradas ou “ilegais”. O país é classificado como um dos piores países do mundo no que diz respeito à perseguição aos cristãos, de acordo com a lista do Open Doors USA World Watch.

Em 30 de dezembro, dezenas de oficiais na cidade de Taiyuan, capital da província de Shanxi, invadiram a Igreja Xuncheng, que foi plantada pelo ERCC e se encontra na casa do pregador An Yankui, confiscou livros cristãos e deteve o pregador e cinco membros durante um Estudo da Bíblia, de acordo com o órgão de vigilância contra perseguição, International Christian Concern.

Os oficiais isolaram os membros da igreja que estavam estudando a Bíblia, confiscaram suas vestes e livros do coral e prenderam o pregador e cinco mulheres, disse o ICC.

As autoridades libertaram as cinco detidas por volta da meia-noite da véspera de Ano Novo, mas An foi mantido em detenção administrativa por 15 dias.

Xuncheng, que foi visado possivelmente devido à sua associação com o ERCC, foi invadido anteriormente em 15 de novembro e recebeu um aviso de dissolução da polícia.

Em abril passado, vários membros da igreja foram presos pelo Departamento de Segurança Pública por participarem de um culto de adoração de Páscoa online no Zoom e ordenados a cessar todas as atividades religiosas.

Um apoiador do ERCC compartilhou no Twitter na época: “Desde as 8h30, alguns oficiais de segurança entraram nas casas dessas famílias cristãs e fingiram estar conversando com elas casualmente. Às 9h30, o culto começou e eles também foram convidados a participar. Assim que perceberam que o sermão era do pastor Wang Yi do ERCC, eles o fecharam imediatamente.”

Um relatório de novembro de 2020 do Pew Research Center mostrou que as restrições à religião na China atingiram um nível recorde. Os pesquisadores descobriram que a China continuou a ter “a pontuação mais alta no Índice de Restrições do Governo de todos os 198 países e territórios no estudo”.

Além do ERCC, o Partido Comunista Chinês forçou várias igrejas conhecidas a fecharem, incluindo a Igreja Rongguili em Guangzhou e a Igreja Xunsiding em Xiamen.

A China também foi rotulada pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de preocupação especial" por "continuar a se envolver em violações particularmente graves da liberdade religiosa".

veja também