MENU

Israel

Judeus do Bahrein adoram em público pela 1ª vez em mais de 70 anos

A única sinagoga do Bahrein foi destruída em 1947, no início do conflito árabe-israelense, quando Israel conquistou a condição de Estado.

Fonte: Guiame, com informações do GOD TVAtualizado: quarta-feira, 22 de setembro de 2021 14:52
Judeu fazendo orações segundo a Torá. (Foto: Reprodução / GOD TV)
Judeu fazendo orações segundo a Torá. (Foto: Reprodução / GOD TV)

Este mês, o Shabat, o Yom Kippur e todos os Dias Santos são particularmente significativos para o fiel remanescente dos judeus no Bahrein. Graças à nova abertura dos “Acordos de Abraão”, a comunidade judaica do estado do Golfo do Bahrein está adorando ao ar livre pela primeira vez desde 1947.

“Estamos muito felizes por estarmos abertos”, disse Ebrahim Nonoo, de 61 anos. A pequena comunidade de 50 judeus ainda não tem um rabino, mas Nonoo está liderando os serviços na sinagoga recém-renovada de Manama.

A única sinagoga do Bahrein foi destruída em 1947, no início do conflito árabe-israelense, quando Israel ganhou a condição de Estado. Muitos judeus fugiram do país, mas um punhado permaneceu e tirou sua fé dos holofotes e atrás de portas fechadas.

De acordo com Ron Cantor, o mundo se concentra na questão dos refugiados palestinos, mas ignora os 600.000 judeus que fugiram dos países árabes para Israel após seu nascimento. Só no Iraque, os judeus tiveram que deixar para trás US$ 30 bilhões em ativos.

“Israel absorveu com sucesso esses novos imigrantes, enquanto o mundo árabe fez pouco pelos palestinos que fugiram do recém-nascido Israel, como os líderes árabes os instaram. Eles prometeram que depois da guerra, eles poderiam retornar e ter ainda mais terras. Ninguém esperava que Israel vencesse!”, diz Cantor.

Novos negócios

Ao longo dos anos, os judeus ainda tiveram um lugar nos negócios e na vida pública do Bahrein. Nancy Khedouri é uma parlamentar judia do Bahrein e tem esperança de que os “Acordos de Abraão” do ano passado e a normalização dos laços entre Israel e Bahrein sejam uma bênção para a nação e sua comunidade religiosa.

“Muito mais pessoas de religião judaica estão interessadas em viajar para a região, sonhando com novas oportunidades, entusiasmadas em aprender com aqueles que já vivem na região do Golfo. Os visitantes certamente contribuirão para o turismo e o crescimento econômico”, afirma.

Nonoo espera estabelecer uma yeshiva (escola religiosa) ao lado da sinagoga de Manama e ajudar a revitalizar sua pequena comunidade atraindo famílias jovens.

“Nossa meta é ter um rabino, um jovem rabino aqui no Bahrein, para desenvolver a vida judaica e conhecer a comunidade e poder oferecer serviços a ela semanalmente. Isso ajudará a desenvolver a comunidade no Bahrein.”

Embaixada

No início de setembro, o primeiro embaixador de Bahrain em Israel, Khaled Yousif Al-Jalahma, apresentou suas credenciais ao presidente israelense, Isaac Herzog, em Jerusalém.

“Estados valentes dão passos valentes”, disse Herzog a Jalahma. “Os Acordos de Abraão foram fruto de visão e poder.” E Herzog elogiou o Bahrein como "um modelo para todo o Oriente Médio".

Jalahma chamou de “uma grande honra” ser o primeiro embaixador no posto. Ele desejou aos cidadãos de Israel “saúde, bem-estar, estabilidade e prosperidade”.

Ambas as nações estão preocupadas com a ameaça mútua de um Irã nuclear. Relatórios indicam que a República Islâmica está a apenas um mês de adquirir uma arma nuclear.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame