Aposentadoria: o que a Bíblia diz a respeito

Encontrei um grupo de pessoas para as quais foram dadas instruções bem específicas que previam um momento para pararem de trabalhar.

Fonte: Guiame, Paulo de TarsoAtualizado: quarta-feira, 16 de junho de 2021 17:58
(Foto: Canva)
(Foto: Canva)

Se olharmos os personagens bíblicos, dificilmente vamos encontrar um aposentado. O mais comum é vermos as pes­soas trabalhando até sua morte.

Leia a história de Abraão, Isaque, Jacó, José ou Moisés e você vai perceber que foram pessoas muito produtivas no Antigo Testamento. E, mesmo no Novo Testamento, deparamo-nos principalmente com os apóstolos trabalhando incansavelmente.

Mas uma vez que estamos no livro de Números, encontrei um grupo de pessoas para as quais foram dadas instruções bem específicas que previam um momento para pararem de trabalhar, ou pelo menos um momento para mudar o ritmo de trabalho.

É o que encontramos em Números 8.23-26, que diz assim: O Senhor Deus disse a Moisés: A lei a respeito dos levitas é esta: Com a idade de 25 anos, cada levita começará o seu trabalho na Tenda Sagrada e aos cinquenta anos dei­xará de trabalhar. Depois dessa idade, os levitas poderão aju­das os seus companheiros no trabalho deles na Tenda, porém não serão responsáveis por nenhum serviço. É assim que você deverá organizar o serviço dos levitas”.

Os levitas faziam parte da tribo de Levi e ficaram respon­sáveis pelos trabalhos de apoio espiritual, sendo liderados pelos sacerdotes.

Muito bem. Sendo assim, havia uma idade para início das atividades, que era aos vinte e cinco anos, e também uma idade para conclusão dessas atividades, que segundo o texto seria aos cinquenta anos. Mas mesmo a par­tir dessa idade de cinquenta anos eles poderiam apoiar os levitas mais jovens. Provavelmente um trabalho mais ligado a orientação.

Pergunto, então: Como você tem planejado sua aposenta­doria?

Creio que, baseados no exemplo dos levitas, podemos tirar algumas lições de aplicação muito prática.

Primeira: Há um período em que somos mais produtivos pelo vigor da idade. No caso aqui seria dos vinte e cinco aos cinquenta anos. Isso pode variar para mais ou para menos, mas de qualquer maneira é bom lembrar que, com a idade, precisamos desacelerar, buscando uma readequação.

Segunda: Não devemos parar de trabalhar. Temos uma missão a cumprir. É razoável, no entanto, fazer ajustes no ritmo do trabalho à medida que envelhecemos.

Terceira. Qualquer que seja a sua idade de início e de fim, você precisa prover recursos financeiros para a fase final de sua vida.

Se você construiu reservas maiores, poderá deixar o traba­lho assalariado antes. Caso contrário, necessitará de trabalho remunerado mesmo na fase final de sua vida.

Conclusão: Você deve identificar as fases de sua vida produtiva e ir adequando seu ritmo de trabalho, mas mantenha-se ativo, nem que seja para fazer trabalho voluntário. Comece a planejar essas fases de sua vida. E não se esqueça do planejamento financeiro para cada uma delas.

Por Paulo de Tarso, pastor, engenheiro e mestre em Teologia. Fundador do Ministério Finanças para a Vida, que ensina pessoas de todas as idades a administrar o dinheiro de acordo com a Bíblia. É autor dos livros “Sucesso Financeiro” e da série “Finanças em Ação”.

*O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Generosidade: o que a Bíblia ensina

 

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame