O que tu possuis não pode definir quem tu és

Existem coisas mais importantes do que bens e riquezas!

Fonte: Guiame, Maurício GuedesAtualizado: quarta-feira, 18 de agosto de 2021 16:55
(Foto: Crosswalk)
(Foto: Crosswalk)

Alguém da multidão lhe disse: “Mestre, dize a meu irmão que divida a herança comigo”. Respondeu Jesus: “Homem, quem me designou juiz ou árbitro entre vocês?” Então lhes disse: “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens”. Então lhes contou esta parábola: “A terra de certo homem rico produziu muito. Ele pensou consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde armazenar minha colheita’. “Então disse: ‘Já sei o que vou fazer. Vou derrubar os meus celeiros e construir outros maiores, e ali guardarei toda a minha safra e todos os meus bens. E direi a mim mesmo: Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se’. “Contudo, Deus lhe disse: ‘Insensato! Esta mesma noite a sua vida será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou?’ “Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus”. Dirigindo-se aos seus discípulos, Jesus acrescentou: “Portanto eu digo a vocês: Não se preocupem com sua própria vida, quanto ao que comer; nem com seu próprio corpo, quanto ao que vestir. A vida é mais importante do que a comida, e o corpo, mais do que as roupas. Observem os corvos: não semeiam nem colhem, não têm armazéns nem celeiros; contudo, Deus os alimenta. E vocês têm muito mais valor do que as aves! Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? Visto que vocês não podem sequer fazer uma coisa tão pequena, por que se preocupar com o restante? “Observem como crescem os lírios. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu digo a vocês que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles. Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, quanto mais vestirá vocês, homens de pequena fé! Não busquem ansiosamente o que comer ou beber; não se preocupem com isso. Pois o mundo pagão é que corre atrás dessas coisas; mas o Pai sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, o Reino de Deus, e essas coisas serão acrescentadas a vocês. “Não tenham medo, pequeno rebanho, pois foi do agrado do Pai dar o Reino a vocês. Vendam o que têm e deem esmolas. Façam para vocês bolsas que não se gastem com o tempo, um tesouro nos céus que não se acabe, onde ladrão algum chega perto e nenhuma traça destrói.” Lucas 12:13-33 NVI

Esse ensino de Jesus começou por causa de um pedido feito por uma pessoa entre a multidão.

Alguém pede a Jesus que intervenha numa questão de herança. Um homem, estava com certeza, em conflito com seu irmão por causa de uma herança. Esse cidadão queria que Jesus mediasse esse conflito.

A resposta de Jesus é interessante. Ele respondeu que não era designado juiz para aquela questão.

Existiam leis que regulavam a questão de herança.

O que Jesus detectou e passou a ensinar foi sobre a questão de fundo daquele caso. A GANÂNCIA! O DESEJO DE POSSUIR!

Existem coisas mais importantes do que bens e riquezas!

Que lições podemos tirar deste texto tão rico?

1. Jesus sabe o que nos leva a ele.

Aquele homem foi a Jesus porque estava em conflito com seu irmão por uma questão de bens, herança.

- Aquele pedido foi como uma oração: Resolva meu problema!

- Será que aquele homem tinha direitos? Imaginemos que sim. Então deveria recorrer aos seus direitos pelo que estava estipulado na lei. Não há nenhum problema em lutarmos pelos nossos direitos.

- Quantas vezes vamos a Jesus por coisas que nós sabemos que podemos resolver?

- Quantas vezes oramos só para termos um argumento para utilizar?

- Jesus sabe qual é a nossa intenção, mesmo antes de abrirmos a boca.

- Se alguém poderia julgar corretamente esta causa, este alguém era Jesus. Então por que Jesus não a resolveu? Existem coisas pelas quais nós não precisamos orar.  Basta agir!

- A questão aqui é que a herança estava destruindo um bem mais precioso, a relação entre irmãos!

2. Cuidado com as motivações.

- Jesus respondeu ao homem, mas aplicou a todos a lição daquela questão, A GANÂNCIA!

- Aquele homem até podia ter razão quanto à sua demanda, mas o que o motivava era dominador. GANÂNCIA! “Então lhes disse: ‘Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens’”. Lucas 12:15 NVI

- Quando o nosso pedido, ainda que legítimo, está envolto em motivações erradas, não poderemos contar com a intervenção de Deus. Ele conhece as intenções do nosso coração! Ele sabe de que massa somos feitos!

- A prosperidade que nos aproxima do mundo nos afasta de Deus! “Vocês cobiçam coisas, mas não as têm; matam e invejam, mas não conseguem obter o que desejam. Vocês vivem a lutar e a fazer guerras. Não têm, porque não pedem. Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres. Adúlteros, vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus.” Tiago 4:2-4 NVI

3. A parábola sobre a insensatez.

A - A prosperidade não produziu generosidade. Deus nos dá para sermos generosos. “E Deus é poderoso para fazer que toda a graça lhes seja acrescentada, para que em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o que é necessário, vocês transbordem em toda boa obra.” 2 Coríntios 9:8 NVI. Tudo pode mudar numa noite. Não podemos nos esquecer disso. Você sabe como será o dia de amanhã na sua vida?

B - Deus não pedirá os seus bens, mas sua alma! Muitos lutam tanto pelas coisas materiais e tão pouco pela alma! Gastam tanto tempo em como adquirir riquezas e tão pouco com o verdadeiro tesouro! “pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos. Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos.” 1 Timóteo 6:7-10 NVI

Conclusão:

Entre o verso 1 e o verso 30, Jesus dirige-se:

1º Ao homem que lhe fez o pedido

- Jesus não o atende por saber suas intenções

2º À multidão

- Jesus ensina que a vida do homem não pode consistir nos bens que possui ou venha a possuir.

3º Aos seus discípulos

- Jesus ensina que não deviam viver preocupados com provisão, mas sim com o reino. A provisão ele garante!

Leia o artigo anterior: Fama ou serviço?

 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame