Vayera: recebendo sua promessa

Abraham, aos 99 anos, recebe anjos que lhe revelam que Sarah vai dar à luz um filho, em um ano.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 9 de novembro de 2021 15:58
Abraão e os três anjos. (Imagem ilustrativa / James Jacques Joseph Tissot / Domínio Público)
Abraão e os três anjos. (Imagem ilustrativa / James Jacques Joseph Tissot / Domínio Público)

O termo Vayera significa: e ele apareceu.

Gn 18:1–22:24; II Rs 4:1–37; Lc 2:1–38

“O IHVH apareceu a Avraham perto das grandes árvores de Manre enquanto ele estava sentado na entrada de sua tenda, no calor do dia” (Gn 18:1).

Na porção passada, Lech Lecha, Avraham, em obediência ao chamado de D-us, deixou a terra de seus pais e viajou para a terra prometida.

Na porção desta semana, Abraham aos 99 anos recebe anjos que lhe revelam que Sarah vai dar à luz um filho, em um ano, apesar da sua idade avançada. Eles também anunciam a destruição de Sodoma.

Vayera começa com Avraham sentado na entrada da sua tenda. De acordo com Rashi, um comentarista do século XI de Torah e Talmud (lei oral), Avraham estava convalescendo.

Foi apenas três dias depois de ele ter sido circuncidado em obediência a D-us como um sinal da Aliança, quando ele viu três estranhos (Gn 17:11).

Apesar de Avraham não saber quem eram estes estranhos, ele acolheu-os e lhes deu o seu melhor!

Embora o Hebraico inicialmente identifique os convidados como anashim (homens), ainda poderíamos compreender do resto do texto que Abraham percebe-os como homens dos céus.

Surpreendentemente, no entanto, os estranhos que Avraham acolheu não eram homens, mas anjos.

Na tradição judaica, são os anjos Gabriel, Rafael e Michael; no entanto, apenas dois parecem ser os anjos e o terceiro alguém muito maior — IHVH, o próprio senhor.

Que um dos estranhos era o Senhor parece clara: o verso de abertura desta porção afirma que “o Senhor [IHVH] apareceu a Avraham” (Gn 18:1).

E quando os três convidados foram embora, Avraham caminhou com eles para um local “para vê-los em seu caminho.” Nesse ponto, o Senhor falou a Avraham, dizendo: “Devo esconder de Avraham o que estou prestes a fazer?” (Gn 18:16–33).

Muitos acreditam que o anjo que se chama o Senhor foi uma aparição de Ieshua o Ungido.

Os dois convidados que continuam na sua visita com Avraham para destruir Sodoma e Gomorra são claramente identificados como anjos em Gênesis 19:

“Os dois anjos chegaram em Sodoma à noite” (Gn 19:1).

Hospitalidade: Mostrando a bondade

“E disse: Meu Senhor, se agora tenho achado graça nos teus olhos, rogo-te que não passes de teu servo. Traga-se agora uma pouca de água e lavai os vossos pés, e recostai-vos debaixo desta árvore” (Gn 18:3–4).

Um tema nesta parte da Torah está mostrando hospitalidade e bondade de estranhos.

Avraham sentou-se na entrada da sua tenda, observando por visitantes ou estranhos, determinados a não perder uma oportunidade de ser cordial ou hospitaleiro.

Também, quando os anjos visitaram Sodoma, Lot estava sentado no portão da cidade e os convidou para sua casa.

Este costume foi enraizado em algo mais do que apenas boas maneiras: no seu coração era misericordioso.

No clima áspero do deserto, a oferta de hospitalidade potencialmente poderia salvar a vida de um viajante.

No caso de Lot, o perigo para esses visitantes não era o áspero deserto, mas os homens depravados, exigindo que Lot entregasse-os para serem estuprados.

Ele fez o seu melhor para protegê-los, mas não podia. Os anjos sobrenaturalmente intervieram para salvar a família de Lot e cegando os atacantes.

A realização dessa hospitalidade não é apenas entreter convidados, mas devem encorajar-nos a estar atentos a oportunidades de ser hospitaleiro.

E quando oferecemos hospitalidade a estranhos, como Avraham e Lot, podemos até ser abençoados por anjos.

“Permaneça o amor fraternal. Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos” (Hb 13:1–2).

Concepção sobrenatural

“E ele disse: A este tempo determinado, segundo o tempo da vida, abraçarás um filho” (II Rs 4:16).

Entre os temas que se conectam a Sedra (porção da Torah) e a Haftara (porção profética) são diversas vezes, informados sobre a concepção sobrenatural e hospitalidade.

Na porção da Torah, D-us promete a Avraham e Sarah que em um tempo definido, um filho da promessa nasceria deles, apesar de sua idade avançada.

“Ao tempo determinado tornarei a ti por este tempo da vida, e Sarah terá um filho” (Gn 18:14).

E foi feito como D-us havia falado:

“E concebeu Sarah, e deu a Avraham um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Elohim lhe tinha dito” (Gn 21:2).

Na Haftara desta semana, Eliseu promete a uma mulher sunamita que foi hospitaleira a ele que D-us lhe daria o desejo do seu coração — um filho — mesmo que o marido fosse já velho.

Tal como o Senhor disse a Avraham, Eliseu também profetizou que o filho da promessa viria a num tempo definido (Moed) (II Rs 4:16).

“E concebeu a mulher, e deu à luz um filho, no tal tempo determinado, segundo o tempo da vida que Eliseu lhe dissera” (II Rs 4:17)

Há grandes recompensas para quem mostra hospitalidade para homens e mulheres de D-us que viajam o mundo levando a mensagem de esperança e salvação.

Eliseu gera uma criança que morre

“E, chegando Eliseu àquela casa, eis que o menino jazia morto sobre a sua cama. Então entrou ele, e fechou a porta sobre eles ambos, e orou ao IHVH. E subiu, e deitou-se sobre o menino, e, pondo a sua boca sobre a boca dele, e os seus olhos sobre os olhos dele, e as suas mãos sobre as mãos dele, se estendeu sobre ele: e a carne do menino aqueceu” (II Rs 4:32–34).

Anos mais tarde, o filho da Sunamita desenvolveu uma dor de cabeça e morreu nos braços da sua mãe. Quão devastador — a criança que tinha vindo pela promessa estava morta!

Sua mãe foi diretamente para o profeta Eliseu, para pedir-lhe por um milagre. Eliseu estava feliz em cumprir. Ele veio e ressuscitou seu filho dentre os mortos (II Rs 4:34-35).

Claro, podemos ver nesta cura uma manifestação da Ressurreição. Ele também é um paralelo de D-us testando Avraham, pedindo-lhe para sacrificar Itshaq, o herdeiro prometido.

Quando Avraham levou Itshaq para monte Moriá para sacrificá-lo em obediência a D-us, em seu coração, ele estava totalmente comprometido a seguir, acreditando que D-us poderiam ressuscistar Itshaq.

“Por fé ofereceu Avraham a Itshaq, quando foi tentado, e aquele que tinha recebido as promessas ofereceu o seu unigênito. (Havendo-lhe sido dito: Em Itshaq te será chamada semente,) considerando que ainda Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar. Por onde também por exemplo o tornou a cobrar” (Hb 11:17–19).

Em vez de matar Itshaq, D-us impediu Abraham de sacrificá-lo e forneceu um carneiro como um substituto. Apesar de Avraham não reter dando a D-us o milagroso filho de prometeu, ele foi devolvido vivo a Avraham.

“Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Elohim, e não me negaste o teu filho, o teu único” (Gn 22:12).

Da mesma forma que Avraham, que estava em aliança com D-us, não reter o filho a D-us, quando ele pediu, D-us não reteve seu filho, o Messias, que nasceu por uma donzela judia, como prometido, morreu na estaca de execução romana e foi ressuscitado para a vida em três dias.

Recebendo a promessa

“E não duvidou da promessa de Elohim por incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Elohim; e estando certíssimo de que o que ele tinha prometido também era poderoso para o fazer” (Rm 4:20–21).

Assim como Avraham herdou as promessas pela fé e paciência, também devemos esperar com fé e esperança para as promessas de D-us vir a acontecer em nossas vidas, assim como na terra.

Se D-us fez uma promessa a você, será feito como ele tem falado, mas apenas no seu tempo apontado ou conjunto— a Moed — que o próprio D-us escolheu.

Promessas de D-us nem sempre vêm para passar de acordo com nosso calendário ou agenda; no entanto, ele vai cumpri-las.

“Tudo fez formoso em seu tempo: também pôs o mundo no coração deles, sem que o homem possa descobrir a obra que Elohim fez desde o princípio até ao fim” (Ec 3:11).

Nada é muito difícil ou impossível para D-us — nem levantar os mortos, nem a salvação do povo de Israel.

O mesmo D-us que possibilitou uma cegueira temporária sobre os olhos do povo judeu em relação ao seu Messias, para que a plenitude dos gentios possa entrar, também irá removê-la à hora programada (Moed). E então todo o Israel será salvo.

Como ansiamos por esse dia! Por favor, ajudem-nos trazer a palavra da verdade para o povo judeu neste fim dos tempos.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Adão, o primeiro ser humano

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições