A sombra de Hashem – Festival de Sukot

“Você deve observar o festival de Sukot … Juízes e oficiais que você nomeará …” (Dt 16:13,18)

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: segunda-feira, 20 de setembro de 2021 16:18
(Foto: Shema Ysrael)
(Foto: Shema Ysrael)

Embora Ezra o escriba dividiu a Torah nas porções semanais como nós os conhecemos, há outro sistema que é usado para dividir a Torah, que de “Pesuchot” e “Stumot”, literalmente “aberto” e “fechado”. Um Pesucha é traduzido como um novo capítulo e um novo parágrafo de Stumahat. Um Pesucha começa como uma nova linha, enquanto um Stumah começa na mesma linha. A seção das leis dos juízes é uma Parasha Stumah, um novo parágrafo, mas não um novo capítulo (Yad Hilchos Sefer Torah 8:1,2). Portanto, deve haver uma conexão significativa entre essas leis e as leis de Sukot, que concluem a parasha da semana passada (Dt 16: 13-17). O sistema judicial em Israel exige que toda cidade contenha um sinédrio menor que consiste em vinte e três juízes. O Talmud ensina que uma cidade deve ser preenchida com um mínimo de cento e vinte pessoas para justificar um sistema judicial. Cada juiz tem dois debateres (Yad Hilchos Sanhedrin 1:2). Qual é a justificativa para exigir uma cidade de cento e vinte pessoas para ter sessenta e nove juízes? Por que a necessidade de tantos tribunais em toda a terra?

A função do sistema judeu do tribunal não é apenas para dispensar a justiça e restaurar a ordem; um juiz é o conduto para a Palavra do Hashem e deve criar uma sociedade onde a presença de Hashem é sentida. Um cidadão cumpridor da lei judaica deve observar a lei, não devido ao medo de retribuição, mas em temor ao pecado. Um sistema que é predicado após a noção de que as pessoas não violarão a lei devido ao medo das consequências não podem ter sucesso. A razão para isso é a seguinte: Se uma pessoa perceber as recompensas por violar a lei valer o risco de ser pego, ele violará a lei. O único sistema eficaz é aquele em que uma pessoa percebe que é intrinsecamente errado violar a lei. Isso só pode ser alcançado se as pessoas sentirem a presença de Hashem em seu meio. A função do juiz é criar essa atmosfera. Se o propósito do sistema judicial criasse medo de punição, não haveria necessidade de tantos juízes. Reforçar a força policial seria mais eficaz. Como o propósito do juiz é criar uma sociedade onde a presença de Hashem é tangível, entendemos a necessidade de um número tão grande de juízes.

Um grande tema pertencente ao festival de Sukot é que deixamos nossas casas para entrar na “sombra de Hashem” (BNei YissoSchor Maamer Chodesh Tishrei # 9). A Sukah é um lugar onde a presença de Hashem se manifesta. Portanto, a conexão entre o festival de Sukot e o sistema judicial é clara. O sistema judicial serve para criar a mesma atmosfera em toda a sociedade, que é encontrada na Sukah.

Baruch ha Shem!

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Yom Kippur, o dia mais sagrado no judaísmo

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame