A essência do Santo dos Santos

Há uma circunstância que liga estes dois fatos – Ieshua e o Santo dos santos – que mostra o quanto é necessário termos um coração e uma vida pura.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 8 de setembro de 2020 15:46
(Foto: Pinterest)
(Foto: Pinterest)

“E farás uma cobertura de arca de ouro puro, de dois côvados e meio de comprimento e um côvado e meio de largura. E farás dois querubins de ouro; tu os farás de obra martelada, das duas extremidades da cobertura da arca. E faça um querubim de um lado e o outro querubim do outro lado; da cobertura da arca farás os querubins nas suas duas extremidades. Os querubins terão as asas abertas para cima, protegendo a cobertura da arca com as asas, com o rosto voltado um para o outro; [virado] para a cobertura da arca serão os rostos dos querubins … e falarei com você do alto da cobertura da arca entre os dois querubins que estão na Arca do Testemunho, tudo o que eu lhes ordenarei aos filhos de Israel” (Shemot 25:17-22).

É realmente bastante surpreendente e até alarmante em algum nível. Dentro do Kodesh Kedoshim, o Santo dos Santos, o Coração do Coração do Mishkan, haviam duas figuras – querubins – douradas e infantis. Através deles a profecia seria transmitida! O que é isso tudo?!

Uma vez ouvi do rabino Nota Schiller, decano de Ohr Somayach em Israel, que há uma enorme distinção a ser feita entre ser “infantil” e “jovial”. Ele disse que os Gedolim são frequentemente infantis, porque são cheios de bens de ouro e projetam pureza e inocência. Eles são naturalmente felizes, infinitamente curiosos, cheios de admiração e refrescantemente transparentes. Os Gedolim não são apenas excelentes no conhecimento da Torah, mas são como uma árvore vigorosa, saudável e olham para o centro, acessível e surpreendentemente normal.

O que é “infantil”? Alguém disse uma vez que, se uma criança não quebra a louça quando é jovem, ela quebra a louça quando é mais velha. Se essa crise de identidade não for eventualmente curada, ela levará a uma adolescência prolongada e, depois disso, poderá se transformar em um caso de crise terminal da meia-idade. A infantilidade nasce de uma busca por uma criança interior feliz, que muitas vezes leva a pessoa a uma busca sem fim e sede de validação e atenção externas.

Há uma condição que eu chamo de “Síndrome do Cidadão Kane”. É baseado na história de um filme de 1941. A peça começa com um rolo de filme antigo, uma espécie de biografia post mortem de um homem rico e bem-sucedido, Citizen Kane.

Depois de dar uma visão geral da magnitude de sua propriedade e do alcance de seu poder, a câmera dá um zoom nos últimos momentos de sua vida. Lá, ele estava respirando o último suspiro e, ao expirar, pronuncia “Rosebud” e, em seguida, um cristal cheio de flocos de neve falsos cai de sua mão e se despedaça.

A próxima parte começa com alguns repórteres curiosos que estão determinados a descobrir quem era essa mulher misteriosa em sua vida chamada Rosebud. O filme, em seguida, mostra retrospectivamente um menino e sua mãe que moram em uma pequena favela de uma casa. A pobreza de sua existência e a luta dessa mãe solteira para fornecer o básico é abundantemente clara.

Em uma cena crítica, o garoto está em seu trenó, curtindo a neve espessa, quando dois homens aparecem e explicam silenciosamente algo para a mãe. Ela relutantemente lhes concede permissão para alguma coisa.

Então os dois homens se aproximam do garoto e, na luta pelo controle, pegam seu trenó e o jogam com força no chão. Aparentemente, seu tio rico havia morrido, deixando-o como o único herdeiro e controlador de uma enorme indústria. A mãe não resistiu à tentação de mandá-lo, mesmo contra a vontade dele, para ter a oportunidade de uma “vida melhor”.

A narrativa o segue através das vicissitudes de seus negócios e vida pessoal. À medida que o tempo passa, seu sucesso e influência financeiros se expandem além da imaginação, enquanto sua vida privada é uma série de relacionamentos e fracassos. No final, ele morre um homem solitário com uma bola de vidro nevado apertada firmemente na mão e um “botão de rosa” nos lábios. Na cena final, esses dois repórteres fatigados, de pé ali na mansão, depois de revisarem toda a sua vida, expressam sua frustração e desespero por descobrir o Rosebud.

A câmera agora está focada em um grupo de trabalhadores que estão ocupados jogando itens de pouco valor da propriedade em um grande incêndio. Como o repórter havia acabado de dizer: “Bem, acho que nunca saberemos quem realmente era a mulher de Rosebud!” um trenó é jogado no fogo e lá estão pintadas letras vermelhas brilhantes, a palavra “botão de rosa”. À medida que o trenó queima, as letras coalham e os créditos rolam!

Ieshua abordou esta questão num momento muito intenso de seu ministério. Vejamos: “Vendo, então, os príncipes dos sacerdotes e os escribas as maravilhas que fazia e os meninos clamando no templo: Hosana ao filho de David, indignaram-se e disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Ieshua lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?” Mt 21.15-16. Ieshua estava sendo aclamado como sendo o Ungido pelas crianças! É incrível que elas tenham tido o discernimento acerca d´Ele e os “adultos” não conseguiram reconhecê-lo! Parece que todas aquelas pessoas não conseguiram ver quem Ele era de fato; porém as crianças viram n´Ele a grandeza do Enviado dos céus para salvar a humanidade.

E Lucas em suas boas novas ainda descreve a situação da seguinte forma: “Naquela mesma hora, se alegrou Ieshua no Espírito o Santo e disse: Graças te dou, ó pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste às criancinhas; assim é, ó pai, porque assim te aprouve” Lc 10.21. Aqui não temos crianças sendo elogiadas por Ieshua; temos homens adultos que conseguiram vislumbrar o mesmo que as crianças em sua pureza: o Salvador!

Há uma circunstância que liga estes dois fatos – Ieshua e o Santo dos santos – que mostra o quanto é necessário termos um coração e uma vida pura para adentrarmos naquele lugar onde A Santidade reina plenamente: “E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo. E, clamando Ieshua com grande voz, disse: pai, nas tuas mãos encomendo o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou” Lc 23.44-46.

Será que conseguimos entender o que aconteceu aqui? A morte de Ieshua abriu o caminho para o Santo dos Santos e agora podemos ter acesso aquele lugar de santidade e podemos finalmente fazer companhia aos querubins partilhando de sua inocência e santidade… Isso somente é possível quando nossos corações são transformados! Precisamos desesperadamente que isso aconteça conosco, pois estar neste lugar – o Santo dos Santos – não é uma possibilidade, mas é uma NECESSIDADE, para que possamos partilhar da eternidade já em vida aguardando a gloriosa promessa de sermos reunidos aos nossos pais no Gan Eden!

Isso é infantil, enquanto infantil é a essência da essência do Santo dos Santos. Quem deseja partilhar desses momentos únicos na vida de um ser humano?

Baruch ha Shem!

Adaptação: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Bagagem espiritual

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame