O orgulho pode ser um veneno para o seu relacionamento

Cega as pessoas, para que não reconheçam seus próprios erros, e tenham grandes dificuldades em retificá-los.

Fonte: Guiame, Magali e Sergio LeotoAtualizado: quarta-feira, 1 de setembro de 2021 15:51
(Foto: Reprodução/Fortalecendo a Família)
(Foto: Reprodução/Fortalecendo a Família)

O convívio com pessoas demasiadamente orgulhosas, já não é nada fácil! Quando se trata de um cônjuge, então, é pior ainda! Mas, quando os dois parceiros são orgulhosos… a relação pode se tornar um “desastre”!

Claro que existem aspectos “positivos” no orgulho! Alguns exemplos: quando está ligado a autoestima, ao sermos confiantes sobre algo que fazemos bem e com isso ficamos satisfeitos – seja na profissão, ou em alguma outra habilidade pessoal.

Podemos, também, ter orgulho e admiração por pessoas que são amigas e reconhecemos o seu valor. Ao acompanharmos a trajetória de sucesso de alguém, é comum ouvir: “Eu me orgulho por conhecê-lo” ou “em poder ser seu amigo”! Muitas vezes este elogio é para um amigo, cônjuge, pai ou parente.

Certamente não é desse orgulho que estamos tratando. É do orgulho “negativo”, que causa sérios danos aos relacionamentos. Cega pessoas, para que não reconheçam seus próprios erros e tenham grandes dificuldades em retificá-los. Considera o indivíduo “superior” aos demais, detestando tudo o que se aproxima do valor da “humildade”.

A humildade, é uma qualidade contrária ao orgulho. Ela nos leva a adotar uma atitude aberta, flexível e receptiva, para aprender aquilo que ainda não sabemos – e mesmo quando soubermos mais que os outros, sermos pacientes com aqueles que ainda não sabem.

O orgulho “negativo” está ligado à soberba, que é um sentimento de superioridade. A pessoa acostuma-se com uma atitude “egocêntrica e narcisista”, olhando demais para si e suas próprias qualidades. Exalta e elogia suas ideias; mesmo que ninguém pergunte sobre elas; vive contando e ressaltando seus feitos e virtudes; vangloria-se, desmerecendo os outros; tem sentimentos “absolutistas”, querendo sempre ter razão e a última palavra; torna-se intolerante e desagradável, com o erro dos outros!

Como lidar com uma pessoa orgulhosa?

Estas pessoas têm muita dificuldade em “reconhecer” que são orgulhosas, pois tomam suas atitudes como “normais”. Não acreditam que suas ações possam gerar efeito negativo, sobre as pessoas que convivem consigo. Mostram uma forte resistência a pedir perdão e a ter uma mudança pessoal. Mudar por quê? Eles acreditam que fazem tudo certo! Olham demais para si e pouco para os outros!

Lidar “eventualmente” com alguém orgulhoso, é até suportável. Coisa bem diferente, será conviver diariamente com ele. Haverá muito estresse emocional. Neste caso, a melhor alternativa é usar de honestidade e muita calma!

Pessoas adultas, aprendem a conversar assuntos difíceis – e isso implica em: “alguém fala e expõe como se sente, até o fim, SEM ser interrompido – logo após, a OUTRA pessoa responderá, SEM ser interrompida” – e assim sucessivamente, até um possível acordo acontecer. Se não estão conseguindo agir assim, elas devem procurar ajuda de um conselheiro ou psicólogo.

Você deve conversar e expressar seus sentimentos – FALE, mesmo sabendo das dificuldades do outro. É necessário informar “o que causa a você”, quando ele age de maneira soberba. Algumas pessoas, têm sérias dificuldades em “colocar-se no lugar do outro” (Empatia). Não pensam: “Se eu falar desta maneira, posso entristecer alguém?” – só percebem o que fizeram, depois de ferir o sentimento alheio. Assim sendo, se não entendem por si mesmos, estas pessoas precisam ser ajudadas! E quando se trata de cônjuges, estes confrontos são “extremamente” necessários!

Pergunte se o outro gostaria de ser tratado assim – sem consideração às suas ideias e sendo menosprezado pelo que faz ou pensa. Evidentemente, sua resposta será: “Não gostaria nem um pouco!”. Demonstre que é ASSIM que você se sente, quando alguém desmerece o que você faz ou fala. Quanto mais somos honestos em nossa convivência, mais o orgulho vai sendo deixado de lado.

O recado de Deus aos orgulhosos

A Bíblia é bem clara, quando se trata de “orgulho”. Tiago 4.6 diz: “Deus é contra os orgulhosos, mas é bondoso com os humildes” (NTLH). O Senhor valoriza a Humildade – ela não é fraqueza, é força! Graça e Bondade de Deus, são dadas aos que reconhecem que erram, aos que sãos rápidos em perdoar, que não desejam ofender e não querem pagar o “mal com o mal”.

Ao pensarmos em EMPATIA, vemos orientações bíblicas impressionantes, como o que Cristo disse em Mateus 7:12: “Façam aos outros, o que querem que eles façam a vocês; pois isso é o que querem dizer a Lei de Moisés e os ensinamentos dos Profetas” (NTLH).

Se você está sofrendo em sua vida conjugal, ou outro tipo de relacionamento, devido ao orgulho, faça sua parte, aquiete seu coração e entregue sua dor a Deus. Ele valoriza os humildes e se opõe aos orgulhosos. Não seja condescendente com os erros dos outros. Mas tenha paciência, aprenda a assimilar os impactos causados pelos orgulhosos e a lidar bem com essas pessoas, esperando o melhor momento para conversar sobre o assunto.

Vale a pena investir num relacionamento mais verdadeiro! Devemos ser capazes de compartilhar com o outro, admitindo os nossos erros, para que caminhemos na direção dos acertos! Quando comunicamos ao outro, aquilo que não vai bem na convivência, estamos ajudando a sua ALMA! Ele será uma pessoa melhor e vocês desfrutarão de momentos de maior intimidade.

A “conversa madura e honesta”, feita com amor, equilíbrio e bom senso, contribuirá para identificar o que não está bem no relacionamento. À medida que ela se tornar “prática comum” e se integrar ao convívio do casal, o “orgulho” acabará desvanecendo. Certamente Deus se agradará disto e finalizará o trabalho, realizando o que for preciso, fornecendo o “antídoto definitivo” para vencer completamente o “veneno destruidor de vidas” – chamado “orgulho”.

Por Sergio Leoto (pastor) e Magali Leoto (psicóloga) escritores, palestrantes e trabalham junto às famílias, através do ministério “Fortalecendo a Família”, desde 1990.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: As várias razões para crises conjugais

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame