Obedecer, afinal, é melhor?

O capítulo 15 do primeiro livro de Samuel, narra a desobediência obstinada de Saul.

Fonte: Guiame, Edmilson Ferreira MendesAtualizado: quinta-feira, 14 de outubro de 2021 16:20
(Foto: Canva)
(Foto: Canva)

O Dr. Russell Shedd nos deixou um pensamento extremamente atual e pertinente para estes tempos: “Obediência sem amor é servil, amor sem obediência é irreal.” Cirúrgico. É este exatamente o tempo que estamos vivendo, enquanto a palavra “amor” é usada e abusada para tudo justificar, a obediência vai se tornando cada vez mais um artigo raro para uma sociedade que quer apenas curtir, ser feliz, se fartar em tudo aquilo que classifica como sendo um prazer.

O capítulo 15 do primeiro livro de Samuel, narra a desobediência obstinada de Saul, quando simplesmente resolveu não seguir na sua totalidade o mandamento dado por Deus. O rei foi para uma guerra contra os amalequitas, a ordem era clara, lute até aniquilar a tudo e a todos, nada de prêmio de guerra, espólios, escravos, nada, tudo e todos deveriam ser exterminados e, para melhorar, rei e exército tinham a garantia do Senhor que obteriam a vitória. Ou seja, tudo que gostaríamos de ter em nossas batalhas: a palavra do Senhor assegurando a vitória.

Mas não foi suficiente. Saul e seu exército pegaram espólios, animais, o rei dos amalequitas, e trouxeram na volta de sua campanha vitoriosa. Deus não se agradou, ao contrário, reprovou e condenou tal atitude. Samuel foi o profeta encarregado de confrontar Saul e dizer pra ele que a sua casa havia caído. O desobediente Saul tentou dar um jeitinho, mas não existem jeitinhos frente ao Deus que tudo vê, sonda e conhece.

Os argumentos de Saul foram os mesmos que desobedientes usam até hoje, apelando para a religião, para rituais. Disse que tudo seria usado para sacrifício ao Senhor. Samuel era profeta, e não era bobo, não cairia numa conversa tão fraca e vazia. É neste contexto que, no versículo 22, ele vai dizer as famosas palavras: “misericórdia quero e não sacrifício, porque o obedecer é melhor do que o sacrificar.”

Em nenhum momento ele desqualifica os rituais do povo e os sacrifícios, apenas diz que a obediência verdadeira é superior, e que sacrifícios sem uma humilde e genuína obediência perdem o valor. Sim, obedecer é melhor, é superior, é algo que sai do interior e revela quem somos. Mas como obedecer? Sou pecador, não consigo obedecer. Não sei nem por onde começar...

Obediência se aprende. Hebreus 5:8 afirma que Jesus, sendo Filho, aprendeu a obediência por meio daquilo que sofreu. Sofrimentos fazem isso, nos ensinam basicamente duas coisas. A desobedecer, se ficarmos revoltados, não aceitando a dor e nos afastando da comunhão e da presença de Deus. Ou podemos aprender a obedecer, como Jesus. É quando os sofrimentos se tornam uma escola para nos amadurecer, nos dar músculos espirituais, nos aproximar ainda mais de Cristo.

Não importa se em sofrimento ou não, se em tristeza ou não, a melhor decisão sempre será obedecer. Obedecer é melhor por qualquer ângulo que se olhe, faz bem pra gente, pra alma, pro coração, pra consciência. E também alegra o coração de Deus, que se agrada na obediência de cada filho seu, da mesma forma que pais se agradam e se alegram com seus filhos quando estes são obedientes.

Quero sempre viver um amor real na dimensão de uma obediência voluntária, leve, desejada, abençoadora. Afinal, este é o sacrifício do qual Deus se agrada, vidas em sintonia com a prática dos Seus conselhos, da Sua vontade, dos Seus mandamentos.

Edmilson Ferreira Mendes é escritor, pastor, teólogo, observador da vida.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: A fé

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame