Cristo também ficou em isolamento

O que o manteve inapelavelmente isolado foi o mortal vírus do pecado.

Fonte: Guiame, Edmilson Ferreira MendesAtualizado: segunda-feira, 22 de março de 2021 14:18
(Foto: Pinterest)
(Foto: Pinterest)

A angústia das nações só aumenta. Já não conheço amigo ou família que não tenha pelo menos uma história pessoal pra contar de gente amada que está sofrendo, dependendo de respiradores mecânicos, enlutada. E as notícias não param, chegam todos os dias, fazendo aumentar a expectativa, a ansiedade, a preocupação, a angústia.

Esses dias chorei com o testemunho de uma mãe que não pôde velar seu filho. Ele ficou um ano em isolamento trabalhando em ritmo de home office, respeitou todas as recomendações, não saía de casa e nem recebia ninguém, nem seus irmãos, nem sua mãe, enfim, respeito e cuidado absolutos. Então a empresa na qual trabalhava exigiu sua presença numa reunião. Ele por sua vez insistiu pra que a reunião fosse on-line, não conseguiu. Foi para a reunião, de máscara, álcool em gel, distanciamento, não tocou em ninguém e... foi contaminado mesmo assim. Foi internado, entubado e em poucos dias veio a óbito por conta da covid. O desabafo da mãe: “Fiquei um ano sem ver meu filho, agora ele morre, não pude velar e nem tive autorização para ir ao enterro...” Choro, muito choro.

Um dia depois, conversando sobre o ocorrido com um médico, ele me relatou uma história semelhante: “Edmilson, tenho um amigo, jovem, que fez tudo o que o filho desta mãe fez, respeitou tudo, a empresa exigiu sua presença, ele foi, se contaminou, parou numa UTI e morreu. A diferença foi quanto ao velório, só autorizaram a presença de três pessoas, mas a família deu um jeito, furou o esquema de segurança e entraram quarenta pessoas, as quarenta foram infectadas e agora todas estão com covid.” Mais choro, muito choro.

Será que Deus está vendo tudo isso? Será que Cristo sabe que dor é essa? Até quando durará toda essa dor e angústia? São perguntas que fazem as pessoas que sofrem, que perdem, que choram, fazendo engasgar a alma aflita e cansada de tanta morte, de tanta tragédia, de tanto luto. Sim, Deus está vendo, Cristo sabe que dor é essa e o tempo está no controle da soberania dEle.

Cristo enfrentou o pior isolamento que se tem notícia. Ficou isolado numa cruz. Aquele que só fez o bem, que só espalhou amor, ficou isolado. O que o manteve inapelavelmente isolado foi o mortal vírus do pecado. Pra piorar, não era o pecado dEle, mas o nosso. A depender dos pecados dEle, nunca teria sido isolado, pois nunca pecou. Porém resignadamente ficou em isolamento de tudo e de todos pendurado numa rude cruz. Sim, Ele sabe como é a dor de ficar em isolamento.

Maria, sua mãe, chorava enquanto via seu isolamento, outras santas mulheres que O seguiam também, assim como vários discípulos que por Ele foram tão beneficiados. Todos esses olhavam e não acreditavam no que viam, certamente oraram por Ele, mas não adiantou. Nem mesmo os mais modernos aparelhos de respiração das mais modernas UTIs seriam capazes de manter sua respiração, pois o seu isolamento foi minando pouco a pouco suas forças até o ponto da sua morte. Sim, Ele sabe o que é morrer por conta de um vírus mortal.

Mas ao terceiro dia Ele ressuscitou! Esta é a parte que ainda não experimentamos. Mas se a Bíblia e a própria história comprovam que as demais partes Ele cumpriu, na cruz e no túmulo, por que Ele não cumpriria a parte da ressurreição? Ele cumprirá! Está chegando a hora de vivermos uma nova vida sem dor, lágrimas ou morte. Confie, ele sabe o tamanho da dor que estamos sentindo e, se com ele morremos, com Ele também ressuscitaremos. Isolados, sim. Desamparados, jamais.

Edmilson Ferreira Mendes é escritor, pastor, teólogo, observador da vida.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Para qual lado abre sua porta?

Siga-nos

Mais do Guiame