MENU

Saúde

Tratamento preventivo melhora a vida de pacientes com hemofilia

Tratamento preventivo melhora a vida de pacientes com hemofilia

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:31

O hemofílico que aplica a medicação antes de ter uma hemorragia tem uma vida praticamente normal. Ele fica protegido por 24 horas e caso sofra uma lesão o sangue coagula rapidamente. É o caso do professor de educação física Thiago Félix, de 21 anos. Ele faz o tratamento preventivo, e hoje luta kung fu. "Posso fazer quase tudo, é só aplicar o medicamento antes de me submeter a uma situação de risco", afirmou.

No Brasil, pessoas hemofílicas como Thiago são raridade. Apenas, o Distrito Federal oferece essa forma de tratamento. No restante do país, a terapia é de emergência, ou seja, o paciente só usa a medicação quando já está sangrando. O portador da doença não tem no corpo uma proteína que estanca a hemorragia. A hemofilia atinge praticamente os homens que herdam a doença dos pais. Os constantes sangramentos provocam artroses que podem levar a amputação de braços e pernas.

O analista de informática, Bruno Gonçalves, de 22 anos, faz o tratamento de emergência, tem cinco artroses e está perdendo o movimento do braço esquerdo. Segundo ele, os problemas físicos são constantes. "Convivo com dores o tempo inteiro. Para dirigir, só uso carro automático e com direção hidráulica", disse.

Segundo a médica hematologista da rede pública de saúde do Distrito Federal, Jussara Almeida, se o Brasil utilizasse a prevenção o país economizaria, em relação ao tratamento de emergência, porque evitaria gastos com internações, próteses e aposentadorias. "Hoje um paciente de emergência custa ao governo R$ 230 mil por ano, quem faz a prevenção não gasta mais que R$ 80 mil", informou.

Jussara Alameida disse ainda que existe um medicamento alternativo que substitui o plasma no tratamento do hemofílico. "Há um outro medicamento feito em laboratório que copia a estrutura do sangue e a reproduz sem precisar do plasma e por isso é sempre comercializado. É mais caro. Mas a médio prazo sai mais barato para o governo e o paciente tem mais qualidade de vida", disse.

O Ministério Público entrou com uma ação no Tribunal de Contas da União, TCU, para que o Ministério da Saúde utilize o medicamento produzido em laboratório e troque o tratamento de emergência pela prevenção.

Postado por: Claudia Moraes

Siga-nos

Mais do Guiame