MENU

Saúde

TPM: alterações físicas e comportamentais no período que precede a menstruação causam desconforto

TPM: alterações físicas e comportamentais no período que precede a menstruação causam desconforto

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:31

Ansiedade, dor muscular, dor de cabeça, tontura, depressão, inchaço, ganho de peso, irritabilidade, mamas doloridas, hostilidade, instabilidade emocional, choro fácil, ondas de calor, esquecimento, insônia, pânico, fadiga, gases, desejo alimentar alterado, queda de motivação, idéias suicidas... Esses são apenas alguns dos 150 sintomas listados que a mulher pode sentir durante a tensão pré-menstrual (TPM), síndrome que se manifesta de quatorze a dois dias antes da menstruação e desaparece com a chegada do fluxo. "Não bastassem as alterações físicas e emocionais, há as comportamentais, como confusão, indecisão e tendência a ficar estabanada. Os sintomas variam de uma pessoa para outra e podem ser diferentes no mês seguinte. Hoje, felizmente, é consenso entre os profissionais de saúde que os sintomas se referem a uma síndrome, que atinge o sexo feminino de forma diferente e merece atenção", observa o ginecologista Aléssio Calil Mathias, diretor da Clínica Genesis.

Sabe-se que 30% dos casos de tensão pré-menstrual apresentam-se de forma moderada. Isto é, incomodam, mas o desempenho geral da mulher não é afetado. Estudos recentes mostram que 10% das mulheres apresentam sintomas de forma significativa. E em 6 a 8% as alterações são tão intensas que chegam a comprometer a vida cotidiana. Estes casos são classificados como disforia luteal.

Todas as mulheres em idade fértil convivem com as alterações bioquímicas nos níveis dos hormônios sexuais - estrógeno e progesterona -, responsáveis pela instabilidade feminina no período. "Mas só isso não basta para desencadear a síndrome. Sua manifestação depende de outros fatores, físicos e emocionais. A predisposição genética, por exemplo, é um deles. Isso quer dizer que o histórico de mães e avós permite predizer como serão os períodos menstruais de filhas e netas", explica Aléssio Calil Mathias, que também é especialista em cirurgia pélvica, mamária e oncologia reparadora pelo Instituto Brasileiro de Controle do Câncer.

A TPM também está relacionada ao estilo de vida contemporâneo. "Estresse, tensões, dificuldades econômicas e de relacionamento, enfim, os altos e baixos do dia-a-dia agem como gatilho para detonar o problema da TPM em mulheres predispostas, o que explica a maior incidência da síndrome em quem vive nos centros urbanos", diz o ginecologista. Outro fator que contribui para o agravamento do problema é a própria condição feminina nos dias de hoje. A mulher, sobretudo nas grandes cidades, luta para dar conta dos novos e múltiplos papéis sociais assumidos. Isso porque, boa parte, além de atuar em um mercado profissional competitivo e globalizado, é responsável por afazeres e finanças familiares.

Informação auxilia no controle da doença

Segundo o ginecologista Aléssio Calil Mathias, a informação correta sobre o funcionamento do corpo auxilia muito a mulher a compreender o que está se passando com suas taxas hormonais, em cada fase do mês. "Adotamos este procedimento pedagógico com todas as pacientes, desde a adolescente que acaba de menstruar pela primeira vez até as mulheres na idade adulta, que chegam ao consultório relatando queixas relacionadas ao ciclo menstrual", diz o médico.

"O segredo para conviver em paz com o ciclo menstrual é ter plena noção de como o organismo responde aos hormônios. Nos quinze dias após a menstruação, há produção de estrógeno e a mulher se torna sedutora, se arruma mais, fica ativa e extrovertida. Em seguida, o corpo se prepara para gerar uma nova vida e os níveis de progesterona se elevam. Ela se sente, então, mais maternal, introspectiva, organizadora, cooperativa. A saída é não ir de encontro à sua natureza, mas se deixar conduzir por ela", orienta o médico.

Diversas possibilidades terapêuticas

De acordo com o ginecologista Aléssio Calil Mathias, hoje, para tratar a TPM, existem muitas opções terapêuticas. "De acordo com o estilo de vida e as condições de saúde de cada paciente, podemos definir a melhor opção terapêutica para cada mulher. Muitas vezes, a acupuntura auxilia a paciente a enfrentar este período. Em outros casos, podemos prescrever uma suplementação vitamínica ou o uso de alguns calmantes. Nos quadros mais graves, o ginecologista pode até mesmo optar pela supressão da menstruação", diz o médico.

O que pode ajudar a controlar a TPM

Com a supervisão do ginecologista, é possível recorrer a:

acupuntura; remédios homeopáticos; remédios fitoterápicos (valeriana, passiflora, sabugueiro); suplementação vitamínica (vitamina A, B6 ou E, de acordo com o caso); ácido gamalinoleico (presente no óleo de prímula), antidepressivos e calmantes; supressores da menstruação; psicoterapia. Queixas dos maridos, namorados, companheiros...

No relacionamento a dois, a alteração no comportamento feminino provocada pela TPM também pode mexer com os nervos masculinos. Mas, conhecendo o temperamento da parceira e sabendo como ela reage, há como ajudá-la a enfrentar a fase com calma. "Recomendo aos maridos, namorados e companheiros que exercitem sua tolerância e não discutam à toa. Aconselho que dividam as tarefas domésticas e as obrigações familiares, principalmente neste período, assim, a mulher poderá ficar mais relaxada. Explico que uma diminuição da libido nesta fase é natural e que a mulher fica mais emotiva, precisando de mais carinho e atenção", diz o diretor da Clínica Genesis.

Postado por: Claudia Moraes

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame