MENU

Saúde

O perigo da luta contra a balança

O perigo da luta contra a balança

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:27

Durante a primeira edição do reality show Big Brother Brasil, o país inteiro tomou contato com um problema que tem se tornado cada vez mais comum entre as mulheres. No programa, o público pôde ver, diariamente, os acessos de gula e de remorso da empresária Leca.

Ainda que seu corpo estivesse magro e perfeitamente dentro dos atuais padrões de beleza, a jovem bem nascida do Big Brother literalmente purgava sua culpa por comer demais tomando laxantes, fazendo longos jejuns ou mesmo provocando vômitos. O problema de Leca é conhecido como bulimia, e pode estar associado a outro ainda mais grave, a anorexia, que ocorre quando a pessoa simplesmente pára de se alimentar, podendo vir a falecer em poucos meses (segundo a Organização Mundial da Saúde, 20% dos casos de anorexia terminam em morte da paciente).

A anorexia e a bulimia estão entre as principais causas de morte de mulheres jovens em todo o mundo, e a maioria das vítimas são adolescentes em período de formação física e psicológica que colocam em risco suas vidas pelo temor obsessivo de engordar. Exemplos famosos de anorexia em jovens não faltam: recentemente ganhou destaque na imprensa aconteceu na China, onde uma estudante de 15 anos que media 1,65 m e pesava 54 kg começou uma dieta que acabou levando à sua morte, pesando menos de 30 kg.

A doença não escolhe classe social e chegou a círculos privilegiados, como no caso da filha do presidente francês Jacques Chirac e da princesa Victoria, da Suécia. Entre as vítimas mais velhas, é preciso lembrar a modelo Kate Moss, que já foi hospitalizada por anorexia, e a princesa Diana, bulímica assumida. Mas, além de chegar à moda e ao poder, círculos em que a absessão com a aparência é constante, a anorexia e a bulimia têm tirado o sono de milhares de famílias anônimas em todo o mundo, que vêem suas filhas sempre às voltas com dietas e programas de beleza, e nem sempre sabem reconhecer o limite entre a preocupação com a beleza e a distorção da auto-imagem. Por isso, em geral, as famílias só detectam o problema quando a situação já é de emergência, o que traz maiores os riscos de que a doença seja fatal.

Por Juan Carlos Jaimes e Laura Cánepa

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame