MENU

Saúde

O "barato" do Ecstasy pode sair caro ao cérebro

O "barato" do Ecstasy pode sair caro ao cérebro

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:31

Em diversos países do mundo, o Ecstasy é a segunda droga ilegal mais utilizada, perdendo apenas para a maconha. Já dispomos de uma série de estudos experimentais que evidenciam que a droga é tóxica aos neurônios, especialmente às ramificações de neurônios que produzem serotonina, neurotransmissor fortemente vinculado à regulação de funções como a memória e o humor. Pesquisas que avaliaram a associação do uso do Ecstasy com alterações cerebrais deixam dúvida se as alterações encontradas são conseqüências da droga ou se são elas que fazem com que o indivíduo tenha mais predisposição a usá-la. Ovo ou galinha? Um novo estudo divulgado esta semana pela revista inglesa Brain traz novidades bastante esclarecedoras.

Pesquisadores holandeses selecionaram cerca de 190 indivíduos entre 18 e 35 anos de idade que nunca tinham usado Ecstasy e que eram considerados como potenciais usuários em futuro próximo: ou porque declararam tal intenção ou porque tinham um ou mais amigos que usavam a droga. Diversas técnicas de neuroimagem foram inicialmente realizadas, e após 12 meses de seguimento os voluntários voltavam a ser submetidos a novas imagens cerebrais até três anos de seguimento. Ao longo do acompanhamento, 59 pessoas haviam usado a droga (média de 6 unidades, variando de 0.5 a 80), e esses foram comparados a outros 56 do grupo original que não experimentaram a droga. Os grupos não foram diferentes quanto à idade, uso de álcool, maconha, anfetamina e cocaína.

Foi identificada uma série de anormalidades cerebrais no grupo de indivíduos que usaram Ecstasy: alterações na perfusão sanguínea, na estrutura da substância branca e maturação cerebral. O importante é que essas alterações realmente foram adquiridas após o início do estudo, quando os voluntários ainda não apresentavam essas alterações. Um estudo anterior já havia demonstrado leve redução da capacidade de memória verbal em usuários leves da droga. Ainda não se pode concluir se essas alterações são irreversíveis, mas os resultados são fortemente indicativos de que o uso de Ecstasy pode ser neurotóxico, mesmo em baixas doses.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame