MENU

Saúde

Lipoaspiração: complicações durante cirurgia plástica

Lipoaspiração: complicações durante cirurgia plástica

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:31

O incidente hospitalar com a mulher do rapper americano Usher, a consultora de moda Tameka Foster, que sofreu uma parada cardíaca durante uma cirurgia de lipoaspiração em um hospital em São Paulo, na semana passada, coloca a lipoaspiração novamente na mira dos questionamentos quanto à segurança do procedimento. Com toda comoção em volta do episódio e da suposta relação com o fato de Tameka ter dado saído de uma gestação há apenas dois meses, cirurgiões falam sobre o melhor tempo para se submeter a uma cirurgia como esta no pós-parto.

De acordo com o cirurgião Cláudio Bicudo, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o tempo indicado para a realização de uma lipoaspiração para mulheres que tiveram filhos é de seis a oito meses após o parto quando a musculatura do abdome deixa de ficar distendida, flácida, inchada.

"Desde que todos estes fatores voltem à normalidade, a paciente está apta a fazer a cirurgia. Normalmente isso requer um período que pode ser de quatro a seis meses. É necessário levar em conta que as mulheres que deram à luz e estão amamentando, devem evitar qualquer procedimento cirúrgico estético. O melhor é aguardar o período de aleitamento que pode chegar até a um ano", esclarece Bicudo.

A mulher de Uscher estava na sala de cirurgia e tinha recebido anestesia geral. Quando a lipoaspiração já estava começando, a máquina que monitora os batimentos cardíacos, e outros sinais vitais indicou que o coração dela estava parando. A equipe médica que cuida da consultora de moda ainda não deu esclarecimentos sobre o caso, mas o membro da SBPC alerta para cuidados com a anestesia.

"É recomendável uma consulta pré-anestésica para que a paciente conheça o médico anestesiologista. Nessa consulta o médico e a paciente devem conversar sobre os medicamentos utilizados, as possíveis alergias, os exames pré-operatórios e a conduta a seguir antes do procedimento", ressalta Cláudio Bicudo.

Como os procedimentos em cirurgia plástica estéticas não possuem caráter emergencial, a mulher deve aguardar o fim completo de todos os testes e, inclusive, completar um ano de nascimento da criança, segundo Bicudo.

"Isso permite que o paciente se prepare física e emocionalmente e tirando todas as dúvidas com seu cirurgião e equipe, antes da cirurgia", explica.

Completando 31 anos de existência, a lipoaspiração é procurada por 40% dos pacientes que querem se submeter a cirurgias plásticas. A busca por um corpo ideal leva o Brasil ao ranking de estar entre os países onde a lipoaspiração é mais realizada no mundo.

Segundo o cirurgião plástico, o caso de Tameka Foster é isolado. Entretanto, para saber a verdadeira causa somente um minucioso exame com o sangue da paciente poderá mostrar os motivos do problema.

"Em raras ocasiões quando existe qualquer contratempo é indicada à avaliação sanguínea para saber se a paciente ingeriu alguma substância que tenha dado a alteração cardíaca antes da operação", comenta o médico alegando que o procedimento é muito seguro desde que realizado em centros cirúrgicos capacitados.

"Fatalidades existem, mas culpar os cirurgiões é inapropriado antes de uma séria avaliação. Costumo solicitar à minhas pacientes um eletro com avaliação cardiológica, o que faz com que possibilidades mínimas de qualquer alteração cardíaca seja inexistente.", completa o membro da SBCP.

* Imagem ilustrativa.

Siga-nos

Mais do Guiame