MENU

Saúde

Internação por tuberculose deve ser tratada como última saída

Internação por tuberculose deve ser tratada como última saída

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 10:14

O tratamento obrigatório de pacientes com tuberculose, com internação, justifica-se apenas quando todas as alternativas voluntárias se esgotam. A avaliação foi feita nesta terça-feira (31) por profissionais das áreas de direito e de saúde, no última dia do seminário Tuberculose, Cidadania e Direitos Humanos: Refletindo sobre Deveres para Afirmação dos Direitos das Pessoas com Tuberculose.

A médica pneumologista Margareth Pretti Dalcolmo diz que, quando o paciente rejeita a supervisão, ainda há a possibilidade de os profissionais de saúde tentarem um acordo. Segundo o Ministério da Saúde, 8,8% das pessoas que contraem tuberculose não completam os seis meses de tratamento. Esse número está acima do tolerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que é de 5%.

Para Margareth Pretti, a mudança recente no protocolo de tratamento, que diminuiu de nove para quatro o número de comprimidos diários a serem ingeridos, é uma media que tem ajudado a convencer o paciente a seguir com o tratamento.

- A mudança humaniza e melhora a adesão porque é mais fácil convencer o paciente a tomar quatro comprimidos do que nove. A pessoa que está doente tem que ser seduzida.

A pneumologista Silvia Mateus concorda que deve haver um entendimento, um acordo, entre paciente e médico, quanto à supervisão do tratamento, mas ela diz que, no caso de crianças, o profissional de saúde tem que acompanhar.

O tratamento compulsório exige certas medidas, como aponta Tânia Rodrigues Mendes, procuradora do município de São Paulo. Entre os cuidados estão a garantia de assistência à família do paciente que será tratado e o aparelhamento da rede com condições de receber e tratar dignamente e de forma integral a pessoa que está internada ou sob supervisão.

Para a procuradora, faltam campanhas de divulgação da doença para a população e informações sobre os direitos dos pacientes.

A OMS calcula que a tuberculose atinja 8 milhões de pessoas por ano. Dessas, cerca de 2 milhões morrem. No Brasil, estima-se que a doença provoque a morte de 4.700 pessoas, dentre os 72 mil casos registrados anualmente. Em 2002, apenas 3,3% dos pacientes recebiam acompanhamento. Hoje, o índice aumentou para 43%.

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame