MENU

Saúde

Duas em cada três pessoas admitem preconceito contra quem sofre de doença de pele

Duas em cada três pessoas admitem preconceito contra quem sofre de doença de pele

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 10:10

O estigma sofrido por quem tem psoríase, uma doença inflamatória que afeta principalmente a pele, mas também pode atingir também as articulações, é grande e prejudica a qualidade de vida dos doentes. Em pesquisa Ibope, feita em oito capitais brasileiras a pedido da farmacêutica Janssen-Cilag , 70% dos entrevistados afirmaram que teriam reações preconceituosas ao se deparar com as manchas na pele no formato de placas avermelhadas, principal característica da doença que acomete cerca de 4 milhões de brasileiros.

Sentir pena, nojo e tristeza são os sentimentos mais comuns. Mais de 80% das pessoas disseram não entrar em uma piscina se alguém com psoríase estivesse nela. Cerca de 73% delas não gostariam de ser atendidas por uma pessoa com a doença, seja garçom, cozinheiro, dentista ou médico. Já para acompanhar em lugares públicos e ter como amigo, a maioria não viu problemas.

Apenas 7% já ouviram falar na psoríase, 63% acreditam que ela é rara e 44% que é contagiosa. "A doença é frequente, cerca de 4% da população tem. E ainda é muito desconhecida, a maioria das pessoas acha que é contagiosa, mas ela é uma doença genética", explica Artur Antonio Duarte, coordenador do Ambulatório de Imunobiológicos e Colagenoses da Unisa.

A predisposição genética é a principal causa da psoríase, a defesa imunológica do corpo começa a agredir a pela e causa inflamações. Seu aparecimento pode ser antecipado por distúrbios emocionais e infecções.

Obesidade e qualidade de vida

"Devido ao grande preconceito, as pessoas com a doença mudam de comportamento, ficam mais reclusas, escondem o corpo. Aí elas acabam não praticando atividades físicas e de lazer, geralmente têm depressão e passam a comer mais e não sair de casa", conta Duarte. Além disso, a própria inflamação da psoríase favorece o aumento de gordura, provocando alta do colesterol ruim e diabetes.

Apesar disto, o médico ressalta que o tratamento melhora 75% das lesões, melhorando a qualidade de vida do paciente. "A primeira reação das pessoas se descobrissem ter a doença seria procurar tratamento e já há remédios eficientes. O dermatologista é o médico indicado, que irá procurar o melhor tratamento, seja com loções locais, quando as manchas são pequenas, fototerapia ou sol, ou tratamentos sistêmicos com quimioterápicos e os mais modernos imunobiológicos, para os casos moderados e graves".

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame