MENU

Mundo

Potências Europeias se reúnem na Itália, em busca de solução para crise

Presidentes russo e ucraniano foram recebidos pelo premiê da Itália. Reunião tenta buscar solução pacífica para conflito no leste da Ucrânia.

Fonte: Globo.comAtualizado: sexta-feira, 17 de outubro de 2014 12:03
O premiê da Itália, Matteo Renzi, fala com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Ucrânia, Petro Poroshenko, em reunião em Milão nesta sexta-feira (17)
O premiê da Itália, Matteo Renzi, fala com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Ucrânia, Petro Poroshenko, em reunião em Milão nesta sexta-feira (17)

O presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega ucraniano iniciaram nesta sexta-feira (17) em Milão um encontro na presença dos principais governantes europeus.

Os dois foram recebidos pelo primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, na prefeitura de Milão, à margem da reunião de cúpula Ásia-Europa ASEM, que começou na quinta-feira.

A chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês François Hollande, o primeiro-ministro britânico David Cameron e os dirigentes da União Europeia, Herman Van Rompuy e José Manuel Barroso, também participam no encontro, que busca uma solução pacífica para o conflito na Ucrânia.

O presidente russo, que apareceu sorridente ao chegar à prefeitura de Milão, se reuniu mais cedo com Merkel. Os dois conversaram sobre pontos dos acordos de Minsk, sobretudo o cessar-fogo que o exército ucraniano e os rebeldes pró-Rússia não respeitaram, informou uma fonte do governo alemão.

Putin e Merkel mantêm "sérias divergências" sobre a crise ucraniana, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O presidente ucraniano também teve um encontro com a chanceler alemã.

Poroshenko declarou na quinta-feira que esperava apenas uma coisa do encontro com Putin: a paz e a estabilidade na Ucrânia.

Crise do gás
A reunião em Milão é um sinal encorajador para Moscou, Kiev e para o Ocidente, em vista de um embate sobre a decisão da Rússia de cortar o abastecimento para a Ucrânia por causa da crescente dívida.

A Ucrânia enfrenta uma possível falta de energia neste inverno se nenhum acordo for alcançado, o que pode levar também à interrupção do abastecimento de gás para a Europa - o que aconteceu em 2006 e 2009. A Europa recebe um terço de sua demanda de gás da Rússia, e metade disso vem de gasodutos que passam pela Ucrânia.

A produtora russa de gás natural Gazprom GAZP.MM cortou o fornecimento para a Ucrânia em junho, após Kiev não ter pago dívidas que, segundo a Rússia, agora somam mais de US$ 5 bilhões.

Os esforços para se chegar a um acordo foram complicados pelo conflito no leste da Ucrânia. O país e aliados ocidentais acusam a Rússia de fornecer ajuda a separatistas, algo que Moscou nega.

O conflito causou o maior impasse nas relações de Moscou com o Ocidente desde a Guerra Fria, e os EUA e a União Europeia impuseram sanções sobre a Rússia por conta da crise.

 
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame