MENU

Mundo

Jordânia diz ter executado jihadista iraquiana condenada à morte

Sajida al-Rishawi, aguardava cumprimento da pena presa desde 2006. Medida foi tomada após Estado Islâmico ter queimado vivo piloto jordaniano.

Fonte: globo.comAtualizado: quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015 11:09
jihadista iraquiana
jihadista iraquiana

Jordânia informou nesta quarta-feira (4) que a jihadista iraquiana presa no país, Sajida al Rishawi, foi executada por enforcamento. Além dela, outro preso acusado de terrorismo foi executado da mesma forma. A soltura dela chegou a ser negociada com o Estado Islâmico em troca da libertação de Muath al-Kasaesbeh, piloto jordaniano que era refém dos extremistas e que foi queimado vivo.

As execuções por enforcamento foram confirmadas pelo porta-voz do governo, Mohammed al-Momani, de acordo com meios da imprensa local, entre eles o jornal "Al Ghadd".

Depois do novo crime brutal da organização jihadista, que divulgou um vídeo que mostra o piloto de 26 anos sendo queimado em uma jaula, uma fonte das forças de segurança da Jordânia afirmou na terça-feira que jihadistas detidos seriam enforcados.

Com 44 anos, Sajida al-Rishawi estava detida em uma prisão jordaniana desde a sua condenação à morte, em setembro de 2006, por atos terroristas que remontam a 9 de novembro de 2005, quando ela foi detida com coletes explosivos em uma ação terrorista frustrada na cidade de Amã.

O outro preso executado é Ziad al Karbuli, um ajudante do líder terrorista Abu Musab al-Zarqawi, morto em um bombardeio americano no Iraque em 2006. Karbuli, detido em território iraquiano pelo Exército jordaniano, foi condenado à morte em 2008 pelo assassinato de um motorista jordaniano.

A ação que serviria como uma resposta aos militantes do Estado Islâmico já tinha sido cogitada pelo pelo porta-voz do Exército após o governo da Jordânia ter confirmado a morte do refém. De acordo com a Jordânia, a execução do piloto teria ocorrido há um mês, no dia 3 de janeiro, segundo veiculado pela TV estatal.

Após a divulgação do vídeo, o rei Abdullah II interrompeu sua visita aos Estados Unidos e está voltando para a Jordânia. Na TV estatal, o rei disse que a morte do piloto é um ato de "terror covarde" de um grupo sem nenhuma relação com o Islã. Familiares do piloto disseram à Reuters que foram informados de sua morte pelo chefe das forças armadas da Jordânia.

EUA condenam
A Casa Branca disse estar ciente do vídeo, e que os serviços de inteligência trabalham para verificar sua autenticidade. O governo dos EUA condena as ações do grupo radical e se solidarizou com a família do piloto, afirmou.

Muath al-Kasaesbeh foi capturado pelos militantes radicais na Síria, após a queda de seu avião durante uma operação da coalizão internacional no leste do país em dezembro. A coalizão, que é liderada pelos Estados Unidos, bombardeia alvos do grupo na Síria e no Iraque.

O presidente norte-americano Barack Obama afirmou que, se o vídeo for verdadeiro, trata-se de mais uma indicação da crueldade e barbárie do grupo e que a determinação da coalizão internacional de "destruir" o EI será redobrada. Segundo a Casa Branca, Obama pediu que equipes de inteligência dediquem todas suas fontes para localizar reféns mantidos pelos militantes do grupo jihadista.

Obama ainda disse que o piloto al-Kasaesbeh estava "na vanguarda do esforço para degradar e destruir a ameaça" do EI.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, condenou "fortemente" esse ato "imundo e imperdoável".

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame