MENU

Mundo

Horror na Síria vai além das armas químicas, diz brasileiro na ONU

Horror na Síria vai além das armas químicas, diz brasileiro na ONU

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:05
O brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, 69, adverte que o acordo entre EUA e Rússia para o fim das armas químicas na Síria não interrompe a guerra civil que tomou conta do país de Bashar al-Assad.
 
Pinheiro preside a Comissão de Inquérito da ONU que investiga os crimes contra os direitos humanos no conflito na Síria desde 2011.
 
"A indignação não deve ser só com as armas químicas. A guerra convencional continua", diz ele à Folha.
 
Ele apresenta hoje em Genebra, na Comissão de Direitos Humanos da ONU, o mais recente relatório do grupo que preside. O documento menciona uma série de violações à lei internacional cometidos pelo governo e pelas forças de oposição na Síria.
 
Na entrevista, ele afirma que a comunidade internacional cometeu erros no processo de paz, defende uma solução negociada, mas aponta problemas geográficos e políticos que dificultam um acordo. "Não existe solução militar. Nem governo nem oposição têm condição de vitória sobre o outro."
 
Paulo Sergio - ONUFolha - O acordo entre EUA e Rússia pode ajudar a acabar com o conflito na Síria?
Paulo Sérgio Pinheiro - Esse acordo tem de ser celebrado como passo decisivo para afastar o perigo de armas químicas no conflito. Lembre como estávamos uma semana atrás, a um passo de ataque aéreo. Hoje esse perigo parece ter sido afastado. Vou dizer no Conselho de Direitos Humanos que não há dúvidas de que armas químicas foram utilizadas. Não sabemos por quem, nem efetivamente onde. O que para nós é indiscutível é que houve utilização delas. Quanto a terminar o conflito, ainda estamos longe.
 
Por que o fim do conflito ainda está longe?
A maior obscenidade na Síria não são os ataques químicos, que mataram, no máximo, 2.000, 2.500 pessoas.
Há dezenas de milhares de pessoas que foram mortas em bombardeios. A alta comissária calcula em 100 mil nesses dois anos. O horror da Síria não foi que a guerra civil entrou numa nova etapa, é mais um aspecto do horror da guerra. A guerra convencional continua. Enquanto conversamos, os bombardeios acontecem.
 
Então a comunidade internacional errou?
Não há a menor dúvida.
 
As análises estratégicas por parte de vários países, os quais não vou nomear, foram profundamente enganadas e enganosas.
Essa indignação em relação às armas químicas deveria ser durante todos esses dois anos em que as pessoas estão sendo assassinadas, torturadas, sem ninguém respeitar, governo e rebeldes, as regras de combate.
 
Houve equívocos e, pior, perderam-se enormes oportunidades de fazer alguma negociação, porque alguns interesses externos apostam na destruição do Estado sírio.
Há um desconhecimento profundo sobre a Síria. Apesar de ser um regime autoritário, era uma sociedade que funcionava, onde o fundamentalismo não prevalecia, os cristãos se sentiam à vontade. A Síria tinha esse contraste: um regime autoritário, mas uma sociedade razoavelmente aberta.
 
Como o senhor vê a discussão sobre intervenção externa no conflito?
Não existe solução militar. Nem o governo nem a oposição têm condição de vitória sobre o outro, é impossível. É um conflito para lá de complicado, não internacional, armado, que para os leigos é guerra civil. Sobre isso, sobrepõe-se um conflito regional, com vários países. De um lado, monarquias do golfo, membros permanentes do Ocidente no Conselho de Segurança da ONU e Turquia, que se alinham a grupos rebeldes. Do outro lado, a Rússia, o Irã e o Hizbullah apoiando o governo.
 
Por que é impossível a vitória de algum lado?
Porque, apesar de o governo ter as Forças Armadas do tamanho das do Brasil, 350 mil efetivos, na realidade só um terço está operando, e sem condições de assegurar as defesas em todas as províncias do país. Os grupos rebeldes, por outro lado, estão divididos. Para aumentar a confusão, há a cereja do bolo, os grupos ligados à [rede] Al Qaeda. Ainda tem as outras minorias, os cristãos de diferentes procedências, e 500 mil refugiados palestinos, hoje afetados pelo conflito. Diante de tudo isso, não há vitória possível. A única saída é uma negociação política.
 
Mas qual seria a solução em um cenário tão fragmentado?
A sugestão é que as forças que estão por trás dos dois lados utilizem toda a sua persuasão para levar as duas partes à negociação. O problema é que, do lado da oposição, é um trabalho enorme. Há muitas forças apoiando os rebeldes, que não têm interesse nessa negociação. Do outro lado, é mais fácil, como estamos vendo hoje. A negociação no fim de semana entre EUA e Rússia mostra que é possível.
 
A sua comissão de inquérito diz que os dois lados têm a ilusão de vitória, por causa do apoio externo.
Esse é o nó da questão. Esses Estados que estão apoiando com recursos monetários os grupos rebeldes alimentam a ilusão. Todo o nosso trabalho é demonstrar e repetir que a melhor saída é a transição. Houve uma estratégia profundamente equivocada de anunciar a cada semana que Assad iria cair. Inclusive, além do poderio militar, ele tem enorme apoio na opinião pública. Se houvesse um Datafolha na Síria hoje, mais de 50% estariam a favor dele.
 
Com esse apoio popular, qual seria a vantagem do Assad em aceitar a negociação?
Desta vez ele deu a demonstração do que é possível quando a Rússia se mostrou disposta a conversar com os EUA. Assad reconheceu a existência das armas químicas, coisa que ele não queria nem conversar antes. Quando um dos membros do Conselho de Segurança da ONU está interessado em levar uma das partes do conflito em negociação, é possível.
 
A Síria tem prazo para entregar as armas químicas. Dá para garantir que tudo será entregue?
O presidente Assad e o chanceler russo declararam isso. Mas vai ser uma operação dificílima, porque tem que pensar o lugar dos estoques da arma química, como vai ser transportada, eliminada. Não é um processo de mágica, que você joga na cartola e some o arsenal.
 
Qual a maior violação de direitos humanos que a comissão encontrou?
É um campeonato difícil, uma caixa-preta que a gente não sabe. Eu diria que são as detenções arbitrárias. É o triângulo da morte: a detenção, o desaparecimento forçado e a tortura. Há um sofrimento inimaginável.
 
A comissão relata massacres. Qual o conceito de massacre para vocês?
É o uso com armas e violência letal, tendo como resultado não só uma morte, mas um número expressivo, com características de surpresa, de cerco à população. Para o leitor da Folha, fazendo uma transposição, são esses massacres da periferia no Brasil, com justiceiros, membros da polícia, atacando uma família inteira, uma comunidade. Os autores são múltiplos, uma quadrilha executando, não envolvendo só forças convencionais.
 
A comissão contabiliza 2 milhões de refugiados. Como está a situação hoje?
Deve ser feito um quadro de honra para os países que recebem os refugiados. Os campos da Turquia são exemplares, mas a Jordânia recebe 200 mil com a maior generosidade, sem falar do Líbano. É difícil para as crianças seguirem a escola, porque o currículo da Síria não é reconhecido na Jordânia, por exemplo. É terrível para a população síria, altamente escolarizada.
 
Muito se fala numa fragmentação da Síria.
Prefiro não usar minha bola de cristal para isso, mas há vários colegas que até já delimitam essas regiões, falam de uma balcanização na Síria. Mas prefiro nem falar disso para não ajudar a tornar realidade. Há um risco, mas não chegamos a esse ponto.
 
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame