MENU

Mundo

Ao menos 39 mortes e 150 feridos, no ataque deste sábado no Quênia.

O presidente do Quênia, confirma ao menos 39 pessoas mortes e mais de 150 ficaram feridas no ataque deste sábado (21)

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:05

Ao menos 39 mortes e  150 feridos, no ataque deste sábado no Quênia.O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, disse em pronunciamento na TV que ao menos 39 pessoas morreram e mais de 150 ficaram feridas no ataque deste sábado (21) em um shopping center na capital Nairóbi. O governo dos Estados Unidos confirmou que cidadãos norte-americanos estão entre os feridos.

Considerando a ação um ato terrorista, Kenyatta pediu calma e orações à população, e disse que  "o terrorismo é uma filosofia de covardes".

VEJA A LOCALIZAÇÃO DE NAIRÓBI

Segundo informações de agências de notícias, parentes do presidente também foram mortos no tiroteio.

"Eu sei o que vocês sentem, tendo também pessoalmente perdido parentes muito próximos", declarou o presidente.

Kenyatta prometeu "caçar" os autores do ataque, "para onde quer que tenham corrido", e que o país irá puni-los, descrevendo como "delicada" a operação de socorro a vítimas e reféns, mantidos dentro do shopping por mais de doze horas após o tiroteio.

"Doem sangue, deem conforto às famílias. (...) Fiquem calmos e vigilantes", pediu o presidente.

EUA confirmam norte-americanos entre os feridos

O Departamento de Estado dos EUA considerou "um ato de violência desmedido" o ataque no shopping center em Nairóbi e confirmou que há cidadãos norte-americanos entre os feridos.

"Temos notícias de cidadãos norte-americanos feridos no ataque, e a embaixada dos Estados Unidos está agindo para fornecer assistência", disse, em comunicado, a porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf.

"Condenamos este atentado desmedido no qual homens, mulheres e crianças inocentes foram mortos ou feridos", diz a nota do governo dos EUA, que não deu detalhes sobre os norte-americanos feridos por questões de privacidade.

Grupo somali Al- Shabaab assume ataque

Por volta de meio-dia (6h, no horário de Brasília), um grupo armado invadiu o Westgate Mall, que fica em uma área nobre de Nairóbi e é frequentado por estrangeiros e quenianos de alto poder aquisitivo. Segundo testemunhas, vários homens usando turbantes pretos atiraram granadas e dispararam contra as pessoas.

De acordo com agências de notícias e as emissoras de TV CNN e Al Jazeera, o grupo islâmico Al- Shabaab, que teria ligações com a Al Qaeda, assumiu em nota a autoria do crime.

Em 2011 os militantes já haviam ameaçado atacar a capital como forma de protesto pelo envio de tropas quenianas a seu país.

"Os mujahedines entraram ao meio-dia de hoje no Westgate", diz uma mensagem postada no Twitter. "Eles mataram mais de cem infiéis quenianos e a batalha prossegue", afirma a mensagem. "Por muito tempo nós travamos uma guerra contra os quenianos em nossa terra, agora é hora de mudar o campo de batalha e levar a guerra para a sua terra", afirmou o Al-Shabaab na rede social.

Na sexta-feira (20), o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, teve um encontro com o presidente da Somália, Hassan Sheikh Mohamud, em Washington.

Antes da reunião, Kerry disse: "Os EUA, obviamente, têm se empenhado em ajudar a Somália a lutar contra o terror tribal... e o presidente [do Quênia] e seus aliados têm realmente feito um trabalho incrível em revidar".

O principal secretário do Interior do Quênia, Mutea Iringo, afirmou no Twitter que "forças especiais estão dentro do prédio evacuando civis" e que "a segurança foi reforçada em outros shoppings da cidade".

Também pela rede social, o chefe da Polícia Nacional, David Kimaiyo, divulgou que um atirador foi ferido na ação e que outros haviam sido presos. 

Testemunhas disseram a uma TV local que alguns suspeitos trocaram de roupa e deixaram o local com os civis, mas a polícia negou que isso seja verdade.

De acordo com a rede BBC, a polícia pediu para que a imprensa interrompa as transmissões ao vivo no local, e os moradores foram orientados a não se aproximar da área.

Muçulmanos seriam poupados

Elijah Kamau, que estava no local, afirmou que os atiradores disseram que "os não muçulmanos seriam os alvos e que os islâmicos estavam a salvo".

Segundo relatos, algumas pessoas chegaram a ficar 40 minutos escondidas em lojas e nos banheiros até conseguirem escapar por uma saída nos fundos do shopping.

Manish Turohit, 18, ficou no estacionamento do prédio por duas horas e disse a jornais locais que os atiradores carregavam rifles de assalto AK-47, coletes à prova de bala e granadas.

"Eles entraram e jogaram uma granada. Todos começaram a correr, e eles dispararam enquanto gritavam". (Com agências internacionais)

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame