A Conmebol não descarta punições severas ao clube paulista

A Conmebol não descarta punições severas ao clube paulista

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:09

 

sao paulo campeao
Apesar de declarar o São Paulo campeão da Copa Sul-Americana em seu site oficial, a Conmebol não descarta punições severas ao clube paulista por causa da confusão ocorrida nos vestiários do Morumbi no intervalo da partida desta quarta-feira - a pena pode ser perda de pontos e, consequentemente, do título. Alegando que a última palavra fica com a direção da Confederação, o vice-presidente Eugenio Figueredo sequer referendou a decisão do árbitro chileno Enrique Osses de encerrar a partida - ele explica que o jogo foi apenas "suspenso".
 
– O juiz não pode finalizar nenhuma partida, apenas suspender. É a Confederação que decide. Esperamos os informes da polícia para estudar as possíveis punições. A última palavra não está dita – disse Figueredo, em entrevista à rádio uruguaia 1010 AM. Curiosamente, foi o próprio Figueredo quem disse à TV Globo, no gramado do Morumbi, que, com a desistência do Tigre, o Tricolor era o campeão.
O regulamento da Copa Sul-Americana tem uma brecha que pode tirar a taça do São Paulo, mas isso só ocorreria se fosse comprovado que os tricolores iniciaram a confusão generalizada nos vestiários. Sem imagens, e apenas com testemunhos, a entidade não tem provas suficientes para anular a partida.
 
Para esses casos, a Conmebol usa o regulamento da Taça Libertadores como base para as outras competições continentais. O artigo 15.1 diz que se a partida for suspensa por causa da intervenção de espectadores ou por agressões cometidas contra o árbitro, assistentes ou equipe visitante, o clube local será castigado com a perda da partida em caso de culpa comprovada.
Por outro lado, o artigo 15.4 pode prejudicar o Tigre. Como a Conmebol diz ter garantido a segurança para os jogadores voltarem do intervalo, o clube argentino pode ser acusado de abandono de jogo. Se isso for comprovado, o Tigre perde os pontos da partida, pode levar uma multa pesada e ainda fica eliminado das próximas três competições continentais para as quais se classificar.
 
No entanto, a Copa Sul-Americana não deve sair das mãos do São Paulo. O presidente da Conmebol, Nicolas Leoz, esteve no Morumbi e até entregou a taça para os tricolores.
 
Todas essas decisões ficam a cargo do Comitê Executivo da Conmebol, formado por presidente, vice, e um diretor de cada país. O representante do Brasil é Marco Polo Del Nero, vice-presidente da CBF.
O São Paulo não teme qualquer sanção em relação à briga entre os seguranças tricolores e os jogadores do Tigre. Com total convicção de que foram os argentinos que iniciaram a confusão, o clube paulista apenas se preocupa com uma possível punição pela invasão de torcedores no gramado do Morumbi.
 
– Acredito que a preocupação seja com a invasão de campo. A confusão não vai trazer qualquer problema a nós, já que não fomos nós que iniciamos a briga – afirmou José Francisco Manssur, assessor da presidência do São Paulo.
Como o jogo acabou antes do previsto, o Tricolor não conseguiu organizar um cordão de seguranças que iria formar 15 minutos antes do término do duelo. Sem esse isolamento, ficou fácil para os torcedores pularem pelo fosso e invadirem o gramado. Os dois clubes têm três dias para relatarem suas versões dos fatos à Conmebol.
Nesta quinta-feira à noite, o site oficial da Confederação Sul-Americana emitiu uma nota oficial lamentando o ocorrido. O texto faz um resumo dos acontecimentos, mas é dúbio: explica que o São Paulo foi declarado campeão depois que o Tigre se recusou a retornar ao gramado. Em seguida, diz que aguarda a investigação dos incidentes e que vai punir "exemplarmente" os responsáveis.
 
Confira a nota oficial:
 
Investigar para esclarecer os acontecimentos e aplicar sanções
 
A Confederação Sul-Americana de Futebol lamenta profundamente o fato acontecido no dia 12 de dezembro, no estádio do Morumbi, na final da Copa Sul-Americana, um feito que castiga com extrema dureza o prestígio do futebol continental.
No aspecto esportivo, São Paulo FC e Tigre jogaram uma partida normal, com desdobramentos próprios de uma grande final.
 
O árbitro da partida, Sr. Enrique Osses, relatou em sua súmula que, após os 15 minutos de descanso, tentou persuadir por várias oportunidades a equipe do Tigre a voltar para continuar a partida. Além do tempo estipulado por regulamento, ele aguardou durante 35 minutos (na soma, 50 minutos) o retorno ao campo de jogo.
 
Diante da negativa dos jogadores do Tigre, que alegaram falta de garantias e agressões, o árbitro decidiu pôr fim à sua espera e aplicou o regulamento, determinando a conclusão do jogo com o resultado de 2 a 0, vigente até esse momento, e que significou a consagração do São Paulo FC como campeão do torneio.
 
Diante dos fatos, a Conmebol resolveu abrir um sumário informativo e está empenhada em reunir todos os informes das autoridades da partida e dos clubes envolvidos, assim como todos os elementos dos fatos ocorridos, com o propósito de construir com clareza a realidade dos acontecimentos, a fim de aplicar as sanções que correspondam a cada um.
 
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame