Para Kelly Slater, Medina tem 95% de chances de ser campeão mundial

Principal rival de Medina na briga pelo título mundial, americano relembra rivalidade com Irons, decepção nas últimas etapas em Portugal e fala da paixão pela música

Fonte: Globoesporte.comAtualizado: segunda-feira, 13 de outubro de 2014 14:38
Kelly Slater tira foto de Gabriel Medina na coletiva de imprensa em Peniche, Portugal
Kelly Slater tira foto de Gabriel Medina na coletiva de imprensa em Peniche, Portugal

Em 1992, um prodígio americano de Cocoa Beach, na Flórida, entrou para a história ao se tornar o mais jovem campeão mundial de surfe, aos 20 anos. Com o tempo, Kelly Slater desenvolveu cada vez mais as suas habilidades, colecionou vitórias e mais recordes, acompanhou a evolução do esporte por décadas e inspirou gerações de surfistas pelo mundo. Considerado o melhor de todos os tempos, faturou onze títulos mundiais, com uma incrível sequência de cinco seguidos (de 1994 a 1998), e transformou-se em uma verdadeira lenda viva. 

Vinte e dois anos depois da primeira glória, o galã de 42 anos, que ainda tem em sua lista de conquistas celebridades como Gisele Bündchen, Cameron Diaz e Pamela Anderson, continua no topo. Na briga para levar mais um caneco para sua extensa coleção, o quarentão tem como principal rival um jovem badalado, a quem rasgou elogios. Fenômeno da nova geração, Gabriel Medina, de 20, está perto de igualar o seu recorde e se eternizar como o primeiro brasileiro campeão do mundo no surfe em Peniche, Portugal. Basta vencer a disputa ou até mesmo terminar em nono lugar, em uma combinação de resultados entre Slater, Mick Fanning, Joel Parkinson e John John Florence.

Para a lenda, o paulista de Maresias tem 95% de chances de cumprir a sua missão na penúltima das 11 etapas do Circuito Mundial de Surfe (WCT), mas não aliviou na hora de jogar a pressão em cima do "The Freak" ("A Aberração") ao afirmar que a etapa seria "desafiadora", com mar gigante e muitas pranchas quebradas. Embora não consiga apontar grandes semelhanças com o brasileiro, ele vê em comum com Medina a gana por vitórias. Por conta de uma tormenta com ventos de até 100km/h, que deixou um rastro de destruição na praia de Supertubos, o campeonato foi adiado. A janela estará aberta até o dia 23, e os organizadores da prova ainda têm tempo para escolher o melhor momento para começar o espetáculo. 

- O Gabriel é um menino muito talentoso, jovem e especial. Ele sabe lidar bem com as adversidades e surfa qualquer tipo de onda. Este ano, ele está com grandes chances de título, todos esperam muito dele... Eu não sei quais tipos de influência eu tenho sobre ele, portanto, não consigo ver muito de mim nele. O que eu percebo que temos em comum é essa competitividade, esse desejo de vencer sempre a qualquer custo. Gabriel tem de 3% e a 5% de chances de não conquistar o título mundial nesta temporada, mas 95%de ganhar. Mas existem muitos talentos. No meu top 2 da nova geração, estão o Medina e o John John Florence - disse Slater.

Eliminado na terceira fase em Peniche nos dois últimos anos - perdeu para Raoni Monteiro, em 2012, e Frederico Morais, no ano passado -, Kelly espera ondas grandes no pico português. De acordo com as previsões, os ventos devem melhorar ao longo da semana. No entanto, existe uma remota possibilidade de mudança do local da prova, de Supertubos para o pico da Mota, em Belgas, também em Peniche. 

- Eu gostaria de esquecer os últimos anos... As duas etapas em Portugal me custaram o título mundial. Surfei baterias em condições terríveis, as ondas estavam pequenas, e eu me arrependo de não ter ido melhor. Sei que este ano será difícil, mas não temo ninguém em especial. Acho bom que o Gabriel e outros surfistas queiram me superar, isso não me incomoda, é melhor do que se ninguém se importasse comigo. Estou tranquilo. A pressão está em cima dos garotos novos, que mandam aéreos e são bons apenas em um tipo de onda. Eles precisam melhorar as suas habilidades em condições adversas, seja em ondas maiores ou mais tubulares. Não é o caso de Medina e John John, que são completos. As condições meteorológicas este ano estão caóticas, mas é isso que eu quero. Quero mar grande, não tenho medo de tempestade. Se as ondas estivessem pequenas, eu ficaria menos feliz. Será uma etapa desafiadora - revelou o mito.

RIVALIDADE COM ANDY IRONS

Slater é movido por desafios. Depois de ensaiar uma aposentadoria, de 1999 e 2001, e se dedicar a outros projetos, como a música, realizando até algumas turnês com a banda "The Surfers", voltou ao seu habitat natural em 2002. E encontrou um rival à altura, o havaiano Andy Irons, com quem iria formar uma das maiores rivalidades da história, que chegou ao ápice em 2003. 

Naquele ano, a briga pelo título foi para a última etapa do Tour, o Pipe Masters, no Havaí. Aparentemente, Andy teria gritado alguns insultos a Kelly na água, que pediu calma ao adversário. Antes da final, Slater se aproximou e disse que o adorava, uma estratégia para desestabilizar emocionalmente o havaiano. Não funcionou e Irons sagrou-se campeão. O acontecimento foi ainda mais letal para o americano, que vivia um momento frágil devido à morte do pai. 

Enquanto Andy festejava, Kelly ficou na água por mais meia hora. Depois, saiu do mar e correu para a casa do amigo e cantor Jack Johnson, para chorar tudo o que tinha para chorar. A partir daí, os dois protagonizaram uma série de duelos épicos.

O americano, no entanto, perdeu o seu maior rival em 2010. Tricampeão mundial, Irons morreu de overdose, aos 32 anos, em Dallas, nos Estados Unidos, mas deixou um legado intacto. A relação com Kelly, que começou com brigas, terminou com uma forte amizade e respeito.

- Eu nunca terei um rival como Andy Irons. O Andy e eu tivemos uma única e maravilhosa relação - disse Slater, que tem a música como seu passatempo favorito quando não está no mar.

VIDA DE CANTOR

O atleta, que gosta de praticar jiu-jítsu e golfe nas horas vagas, já tocou com amigos famosos, como Ben Harper, Jack Johnson, Eddie Vedder e Donavon Frankenreiter. Este ano, chamou a atenção ao lançar a música "Feelin the Feelings" (na tradução, "sentindo as emoções"), ao lado da cantora paulista Karina Zeviani, ex-vocalista do Thievery Corporation, e do músico carioca Pretinho da Serrinha. A parceria surgiu por acaso, em uma "pizzada" na casa do apresentador Luciano Huck. No meio de muita música e cantoria, Slater entrou na roda, sacou um ukulele e começou a tocar. Tirou da cartola a canção de sua autoria, uma homenagem à sua namorada, Kalani Miller, e todos adoraram. Dois dias depois, foram para o estúdio e gravaram a música.

O mito do surfe contou que gosta de tocar todos os dias, e lamentou não ter trazido o seu ukulele a Portugal. 

- Eu costumo tocar sempre. Não trouxe nenhum instrumento comigo para a Europa, infelizmente, deveria ter trazido pelo menos o meu ukulele... Quando não estou tocando, fico escutando música ou cantando. Eu amo música, já toquei com muita gente, inclusive com o Jack Johnson há algumas semanas. É divertido para mim. A música tem uma grande importância na minha vida, mas não é porque sou amigos de cantores que eu serei o melhor músico do mundo (risos) - contou Slater, que é fã dos Raimundos e já trabalhou como ator no seriado "Baywatch", interpretando o personagem do surfista Jimmy Slade.

Vice-líder do ranking mundial, com 50.050 pontos, o americano estreia contra Matt Wilkinson e Nico Von Rupp. Número um do mundo, com 56.660, Medina terá pela frente Kai Otton, atual campeão da etapa, e Jacob Willcox. 

O QUE MEDINA PRECISA FAZER PARA SER CAMPEÃO MUNDIAL

- Vencer a etapa independentemente de outros resultados; 
- Ser finalista, desde que Kelly Slater não seja campeão; 
- Perder na semifinal, e Kelly Slater ou Mick Fanning não vencerem a etapa; 
- Cair nas quartas de final, Kelly Slater não chegar à final, e Mick Fanning não vencer a etapa; 
- Se for eliminado na quinta rodada, Kelly Slater não passar das quartas de final, Mick Fanning não ser finalista, e Joel Parkinson ou John John Florence não vencer a etapa.

CONFIRA AS BATERIAS DA 1ª FASE EM PORTUGAL

1. Taj Burrow (AUS) x Freddy Pattachia Jr. (HAV) x Travis Logie (AFS) 
2. John John Florence (HAV) x Jadson André (BRA) x Brett Simpson (EUA) 
3. Joel Parkinson (AUS) x C. J. Hobgood (EUA) x Jeremy Flores (FRA) 
4. Mick Fanning (AUS) x Sebastian Zietz (HAV) x Raoni Monteiro (BRA) 
5. Kelly Slater (EUA) x Matt Wilkinson (AUS) x Nicolau Von Rupp (POR) 
6. Gabriel Medina (BRA) x Kai Otton (AUS) x Jacob Wilcox (AUS) 
7. Michel Bourez (TAH) x Filipe Toledo (BRA) x Aritz Aranburu (ESP) 
8.Adriano de Souza (BRA) x Julian Wilson (AUS) x Alejo Muniz (BRA) 
9. Jordy Smith (AFS) x Adrian Buchan (AUS) x Mitch Crews (AUS) 
10. Kolohe Andino (EUA) x Miguel Pupo (BRA) x Adam Melling (AUS) 
11. Josh Kerr (AUS) x Bede Durbidge (AUS) x Dion Atkinson (AUS) 
12. Owen Wright (AUS) x Nat Young (EUA) x Tiago Pires (POR)

 



Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame