Chinesa corta rosto da companheira de equipe na comemoração do ouro olímpico

Chinesa corta rosto da companheira de equipe na comemoração do ouro olímpico

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:27

As bandeiras da Coreia do Sul já estavam nas mãos de sua equipe de patinação de velocidade ao fim da prova dos 3.000m quando os juízes desclassificaram a seleção por uma irregularidade durante a disputa. Com a mudança no ranking, o ouro ficou com a China. Emocionadas com a mudança de cor de sua medalha, as atletas asiáticas não se contiveram e correram para comemorar com a comissão técnica. Mais empolgada de todas, Wang Meng pulou o alambrado, mas, antes de chegar aos braços do treinador, seus pés alcançaram a companheira Zhang Hui e as giletes dos seus patins lhe cortaram o rosto. A cena bizarra assustou a torcida em Vancouver, mas nada que estragasse a festa em vermelho no Ginásio Pacific Coliseum.

O extravaso de emoção de Meng se justifica pelo espanto da conquista olímpica. A decisão dos juízes de desclassificar a Coreia do Sul aconteceu depois de quase cinco minutos do fim da prova. A demora ocorreu pois a comissão disciplinar teve de rever as imagens da disputa e ali confirmaram que a sul-coreana Seung-Hi Park encostou na chinesa Yang Zhou, que estava à sua frente. Com isso, as então donas do ouro deixaram o alto do pódio para a China (4m06s610, recorde mundial), que foi seguida pelo Canadá (4m09s137)e Estados Unidos (4m14s081), prata e bronze, respectivamente. 

Já na prova individual dos 5.000m, a recordista mundial Martina Sablikova não decepcionou e conquistou o ouro pela segunda vez em Vancouver. Vencedora dos 3.000m, a tcheca terminou o percurso em 6m50s92, contra 6m51s39 da alemã Stephanie Beckert e 6m55s73 da canadense Clara Hughes.

Brasileira é desclassificada

Caçula da delegação brasileira, Maya Harrisson não fez uma boa estreia nos Jogos Olímpicos. Em sua primeira descida em Whistler, a atleta de apenas 17 anos perdeu uma das portas e foi desclassificada da prova de slalom gigante. Mas a carioca não foi a única a ter problemas com a montanha. Musa americana, Lindsey Vonn sofreu uma queda e ficou fora da disputa. Sua companheira de equipe, a atual campeã, Julia Mancuso, alegou que foi atrapalhada pela compatriota e conseguiu mais uma oportunidade para mostrar sua atuação. No fim, terminou em 18º.

A final do slalom gigante será nesta quinta-feira, já que a organização decidiu adiar a segunda rodada devido à névoa que prejudicou a visibilidade da pista. 

Austrália atinge melhor resultado da sua história

Lydia Lassila guardou seu nome na história do esportes de neve da Austrália. A atleta conquistou a terceira medalha de ouro de sua delegação em Vancouver ao ser a melhor no esqui estilo livre aéreo e confirmou o melhor desempenho do país nos Jogos de Inverno. Lassila somou 214.74 pontos e bateu as chinesas Nina Li (207.23) e Xinxin Guo (205.22).

No bobsled feminino, a festa foi canadense. As duas equipes do país subiram ao pódio em Vancouver para a alegria dos fãs que agitavam bandeiras e mostravam cartazes para as atletas na torcida. Kaillie Humphries e Heather Moyse ficaram com o ouro (3m32s28), seguidas por Helen Upperton e Shelley-Ann Brown (3m33s13). O bronze foi dos Estados Unidos, com Erin Pac e Elana Meyers (3m33s40).

E no cross country por equipes, a protagonista foi a nevasca que caiu sobre a montanha de Whistler. Apesar das más condições da pista, a Suécia sagrou-se campeã olímpica, com o tempo de 1h45m05s, chegando à frente da Noruega (1h45m20s) e da República Tcheca (1h45m21s).

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame