Alckmin diz que 'não está tendo greve' de professores em SP

Em Campinas, governador disse que piso estadual é superior ao nacional. Apeoesp diz que 59% da categoria aderiu a movimento; estado fala em 2%.

Fonte: globo.comAtualizado: quarta-feira, 25 de março de 2015 19:19
Geraldo Alckmin em Campinas
Geraldo Alckmin em Campinas

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que a paralisação de professores estaduais foi "decidida dentro de um movimento político", em visita a Campinas (SP) nesta quarta-feira (25). "Não está tendo greve, a verdade é essa. Você tem 2,6% [adesão], é falta normal. Você só faz greve no último estágio e nem começou a negociação", defendeu.

Durante a entrega de um helicóptero que será usado para atendimentos de urgência pela Polícia Militar, ele defendeu que o piso salarial pago aos docentes no estado é 26% superior ao índice nacional, e alegou que um reajuste foi concedido em agosto de 2014.

"Não tem sentido quando você tem uma secretaria que é aberta ao diálogo, que conversa com todos, fazer uma greve oito meses depois do último reajuste e ainda de maneira intempestiva, decidida dentro de um movimento político em 13 de março, embaixo do vão do Masp, para fazer contraponto com a manifestação do dia 15", alegou o governador de São Paulo.

Divergências
A entidade que representa os professores (Apeoesp) afirmou, nesta quarta-feira (25), que 139 mil aderiram à greve, número quecorresponde a 59% da categoria. Já a Secretaria Estadual de Educação defendeu que o total de docentes que integram o movimento corresponde a 2,6%.

Alvo de críticas feitas por um grupo que levou cartazes para reivindicar aumento salarial na área externa da PM, Alckmin alegou que o estado concedeu reajuste maior do que o índice de inflação. "Nos últimos quatro anos do nosso mandato, o reajuste dos professores foi de 45%, contra uma inflação de 25%. Tivemos um ganho real aí de quase 20%", lembrou o governador. Ele não comentou se há previsão de abertura de negociações para encerrar o impasse.

Reivindicações
Os professores querem um aumento de 75,33% para equiparação salarial com as demais categorias com formação de nível superior, rumo ao piso do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística para Estudos Socioeconômicos), com jornada de 20 horas semanais de trabalho. Os professores protestam ainda contra fechamento de classes e contra salas superlotadas.

A categoria afirma que o governo ainda não abriu negociações salariais, apesar de quatro pedidos de audiência. Além disso, o sindicato alega que o estado acenou com 10,5% de aumento para 10 mil professores que se saíram bem em uma prova, ignorando outros 220 mil profissionais.

A Secretaria Estadual de Educação, contudo, defende que houve valorização da categoria.
"Nos últimos quatro anos houve um aumento acumulativo de 45% o que elevou o piso salarial paulista ao patamar 26% maior do que o nacional. Os professores ainda podem conquistar o reajuste salarial de 10,5% por meio da valorização pelo mérito ou por prática pedagógica e de 5% por meio de qualificações adquiridas durante a carreira", informa o texto. Ainda segundo a pasta, "mensalmente são R$ 700 milhões empenhados nos salários dos professores".

 

 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame