Dólar retoma trajetória de alta nesta quinta-feira e chega a R$ 3,15

Moeda passou a manhã operando em baixa em relação ao real. No ano, o dólar acumula alta de 17,64% e no mês, de 9,52%.

Fonte: globo.comAtualizado: quinta-feira, 12 de março de 2015 20:07
cotação alta do dólar
cotação alta do dólar

Depois de passar a manhã em baixa, o dólar mudou de direção e retomou a trajetória de valorização no início da tarde desta quinta-feira (12).

Por volta das 16h12, a moeda norte-americana operava em alta de 1,02%, cotada a R$ 3,1597.Veja cotação.

O mercado continua pressionado pelo quadro de apreensão com a situação política e econômica do Brasil. Também pesam as incertezas sobre a continuidade do programa de interferência no Banco Central no câmbio.

"De maneira geral, o dólar está no meio de um processo de mudança de patamar, em uma trajetória de alta firme. Dá para imaginar um alívio pontual, não uma recuperação consistente", explicou à Reuters o economista-chefe da INVX Global Asset Management, Eduardo Velho.

A alta do dólar diante do real contrasta com os mercados externos, em que a moeda norte-americana perde força em meio a expectativas menores de que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, comece a elevar os juros do país já em junho.

Há expectativa de que a manutenção de juros mais baixos nos EUA sustente a atratividade de papéis de outros países. Essa perspectiva ganhou mais força nesta manhã após dados fracos sobre as vendas no varejo norte-americano.

Mas investidores continuavam apreensivos no mercado brasileiro, em meio a temores de que a resistência política à presidente Dilma Rousseff dificulte ainda mais o ajuste fiscal.

Dúvidas sobre o futuro do programa de intervenções diárias do Banco Central no câmbio, marcado para durar até pelo menos o fim deste mês, também sustentavam as preocupações. "A 'rainha volatilidade' continua reinando", afirmou o operador da corretora Correparti Jefferson Luiz Rugik.

Interferência do Banco Central
Na véspera, a incerteza sobre a atuação do BC ganhou mais corpo após o Tesouro aceitar, em leilão de troca de Notas do Tesouro Nacional - Série B (NTN-Bs, títulos corrigidos pela inflação oficial), ofertas de Notas do Tesouro Nacional - Série A3 (papéis indexados à variação cambial), segundo a Reuters.

A operação ajudou a elevar o dólar na sessão passada, uma vez que os investidores que detinham esses papéis foram ao mercado para cobrir sua exposição. Além disso, o leilão deu força à percepção de que o governo entende que o dólar ainda deve subir mais.

"Se o governo achar que o dólar pode subir mais, é melhor pagar a variação cambial de agora do que a que pode vir", explicou à Reuters o operador de papéis de uma corretora nacional. Essa percepção, por sua vez, reforçou as expectativas de que o BC pode não estender seu programa de intervenções diárias.

"Antes, você tinha o BC segurando o câmbio aos trancos e barrancos. Agora, indicou que vai deixar o dólar ir aonde for necessário pra equilibrar a economia", acrescentou.

O BC vendeu a oferta total de swaps cambiais pelo leilão diário desta manhã, colocando o equivalente a US$ 98 milhões no mercado. Foram vendidos 1.400 contratos para 1º de dezembro de 2015 e 600 para 1º de março de 2016.

O BC também vendeu a oferta integral no leilão de rolagem dos swaps que vencem em 1º de abril. Até agora, foram rolados cerca de 32% do lote total, que corresponde a US$ 9,964 bilhões.

No ano, a moeda acumula alta de 17,64% e no mês, de 9,52%.

 

 

 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame