Corte no orçamento não sai antes da reunião do Copom, diz Mantega

Corte no orçamento não sai antes da reunião do Copom, diz Mantega

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 10:01

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira (11) que o valor do bloqueio do orçamento de 2011 ainda não está definido e negou as especulações de que o governo anunciaria o corte de gastos antes da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, marcada para a quarta-feira da próxima semana (19).

"Não tem numero definido ainda. Não sai [antes do Copom] porque o orçamento está entrando no sistema. A definição da redução de gastos no orçamento vai entrar em uma, duas semanas, ou mais, porque o orçamento está vindo para o sistema. Não é uma coisa rápida e fácil. A gente vai analisar todos os números de todos os Ministérios", declarou ele.

O governo já anunciou a intenção de fazer bloqueios no orçamento de 2011, assim como acontece em todos anos, mas ainda não confirmou o valor do contingenciamento.

As especulações davam conta de que o governo anunciaria o valor do bloqueio de gastos, estimado entre R$ 35 bilhões e R$ 40 bilhões, antes da reunião do Copom para impedir um aumento maior da taxa básica de juros. A expectativa do mercado financeiro é de que os juros subam dos atuais 10,75% ao ano para 11,25% ao ano na semana que vem.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) defendeu nesta segunda-feira (10) um bloqueio de gastos da ordem de R$ 40 bilhões. Na última semana, Mantega avaliou que o bloqueio de gastos será importante para permitir uma redução da taxa de juros no futuro, de modo que possa haver uma menor pressão para baixo na cotação do dólar. O dólar baixo vem sendo combatido pelo governo, pois gera perda de competitividade para as empresas brasileiras.

O ministro da Fazenda disse ainda nesta terça-feira que o corte de gastos no orçamento de 2011, ao contrário de anos anteriores, não será revertido ao longo do exercício. Geralmente, o governo anuncia um bloqueio de gastos em fevereiro de cada ano e, posteriormente, libera recursos no decorrer do ano. "Não é para ser revertido [ao longo do ano]. Vai ser uma redução definitiva de gastos até o fim do ano", disse Mantega.

Por: Alexandro Martello

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame