"Ainda estou aprendendo sendo um estudante da música", diz Steven Curtis Chapman sobre novo disco

A música cristã mudou drasticamente desde que Chapman surgiu pela primeira vez em cena em 1987. Ele brincou dizendo que não vai colocar em um par de jeans skinny e se tornar um "moderninho".

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: terça-feira, 8 de março de 2016 17:14
"Quando eu comecei, a música cristã era muito estreitamente definida", disse Chapman. (Foto: Divulgação).
"Quando eu comecei, a música cristã era muito estreitamente definida", disse Chapman. (Foto: Divulgação).

O cantor Steven Curtis Chapman disse ao site americano The Christian Post que mesmo com tantos anos de ministéril, ainda é um estudante da música. “Eu amo música, eu amo ser um estudante de música. Agora, neste ponto da minha vida, de forma criativa e minha jornada musical, eu ainda estou aprendendo e crescendo sendo ainda um estudante", disse.

O artista muito respeitado pela mídia, recebeu 58 prêmios Dove Awards, cinco Grammys, 48 singles em primeiro lugar e já vendeu cerca de 11 milhões de álbuns. Com uma carreira que se estende por quase 30 anos na música cristã, “Worship and Believe”, lançado no dia 4 de março, é o primeiro disco de adoração de Chapman. Recentemtne, seu amigo Michael W. Smith também lançou um novo disco.

"Eu ainda estou ouvindo música e quando a música me move ou me inspira, eu tento descobrir o que está sobre isso que me comoveu e eu tento aprender com isso e incorporar no que estou fazendo de forma criativa", disse Chapman.

A música cristã mudou drasticamente desde que Chapman surgiu pela primeira vez em cena em 1987. Ele brincou dizendo que, enquanto ainda tenta se manter com os tempos, ele não vai colocar em um par de jeans skinny e se tornar um "moderninho".

"Neste ponto da minha vida eu ainda acho que existem coisas que eu preciso dizer que pode ser muito relevante para a geração do milênio e para todos nós. Porque há pontos de conexão reais", explica Chapman. "Sim, há algumas coisas que são únicas para as diferentes faixas etárias, mas há muito mais que é um terreno comum real. Eu estou tentando permanecer verdadeiramente ligado a isso”, relatou.

O talentoso músico e ativista aspira a fazer músicas neste novo álbum que pode ser cantada por outros individualmente e coletivamente, com músicas de adoração em conjunto, sendo um conceito que era impensável quando Chapman começou a fazer música cristã. Ele explicou que a diversidade e estilos de música, desde então, expandiu enormemente.

"Quando eu comecei, a música cristã era muito estreitamente definida. Você tinha os loucos lá fora, como Steve Taylor, que fazia música punk rock. Mas na maioria das vezes, se você realmente olhasse para a música cristã, veria que ela foi considerada no momento em que foi muito inspiradora", disse Chapman. "Mesmo que cantores e compositores cristãos não fossem ainda tão prevalentes, houveram canções que foram tipo de hinos, grandes produções, belas grandes canções, mas foi mais estreitamente definida, tanto quanto o que a música cristã era".

Artistas começaram a esticar os limites e Chapman apontou para grupos como Stryper, uma banda de heavy metal cristã que veio junto com spandex e cabelos longos, como exemplos. Ele afirma que no momento, eram vistos como os "radicais e rebeldes".

"À medida que o tempo passou, você tinha DC Talk que disse 'vamos levar a música rap, é uma forma de arte e é um estilo que muitas pessoas realmente se conectam, vamos pegar isso e usar para proclamar a verdade e usá-la para falar mensagens que são redentoras e mensagens de fé para incentivar as pessoas ", explicou Chapman.

O compositor de sucesso também elogiou Kirk Franklin como alguém que empurrou os limites ainda mais e mais para fora para o gênero, mas ainda assim no coração e na alma de tudo mantendo o objetivo e propósito de glorificar a Deus e apontando as pessoas para Ele.

 

 

 

 

 

 

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame