Reino Unido fará referendo para aprovar realização de abortos em casa

A ministra da Mulher, Victoria Atkins, disse à Câmara dos Comuns que uma consulta pública seria o melhor caminho para tomar a decisão.

fonte: Guiame, com informações do Life Site News

Atualizado: Terça-feira, 7 Julho de 2020 as 11:10

Reino Unido aprovou provisoriamente o uso de pílulas abortivas em casa para que mulheres não precisem ir a clínicas para realizar o procedimento. (Foto: Getty Images)
Reino Unido aprovou provisoriamente o uso de pílulas abortivas em casa para que mulheres não precisem ir a clínicas para realizar o procedimento. (Foto: Getty Images)

A decisão de permitir permanentemente que as mulheres cometam abortos em casa por meio de pílulas no Reino Unido foi adiada depois que o governo prometeu realizar uma consulta pública (referendo) sobre a questão.

A ministra da Mulher, Victoria Atkins, MP disse à Câmara dos Comuns que “o governo considera o caminho certo a seguir para realizar uma consulta pública sobre a possibilidade de tornar permanente a atual medida devido à pandemia do coronavírus, que permite o uso doméstico de pílulas para aborto médico precoce para para todas as mulheres elegíveis com até dez semanas de gestação".

Atkins disse que as medidas atuais serão mantidas em vigor até que a consulta pública seja concluída e que uma decisão seja tomada.

Dame Diana Johnson, deputada trabalhista de Kingston, que apresentou a emenda, retirou a proposta posteriormente e não houve votação sobre o assunto.

Uma emenda proposta separada para descriminalizar o aborto, revogando as seções 58 e 59 da Lei de Ofensas contra a Pessoa e, assim, removendo o aborto da lei criminal, não foi selecionada pelo Presidente da Câmara dos Comuns para debate e, portanto, também não foi incluída no projeto de lei.

Caso o bebê sobreviva aos efeitos do uso desse tipo de pílula, pode sofrer pelo resto da vida com sequelas desse aborto mal sucedido, como é o caso da ativista pró-vida Gianna Jensen.

Contexto

Em 30 de março, o governo de Westminster autorizou as mulheres na Inglaterra a matar seus filhos pré-nascidos em casa usando pílulas para um aborto químico precoce. Um porta-voz do governo do Departamento de Saúde e Assistência Social disse que a mudança estava sendo feita apenas temporariamente e tem tempo limitado por dois anos, ou até que a crise do coronavírus termine. Foi a terceira vez que a lei do aborto mudou no espaço de uma semana; o governo anunciou primeiro a mudança e depois reverteu a decisão em 24 horas.

Em maio, a polícia do Reino Unido iniciou as investigações após a morte de um bebê ainda não nascido de 28 semanas, depois que uma mãe tomou pílulas de aborto enviadas pelo correio pelo principal grupo de aborto do Reino Unido, o ‘British Pregnancy Advisory Service’ (BPAS).

Neste fim de semana, uma investigação secreta da organização ‘Christian Concern’ expôs que os provedores de aborto do Reino Unido enviavam pílulas a todos os membros de um grupo voluntário de 'clientes misteriosos', que fornecia detalhes falsos ao pedir as pílulas abortivas por telefone. Uma das voluntárias disfarçadas informou uma data de gestação para a equipe de provedores de aborto, o que significava que ela só poderia ter iniciado o processo de aborto químico após o limite legal de dez semanas. Depois, a voluntária mudou sua história e reduziu o estágio gestacional sem ser questionada pela equipe fornecedora das pílulas.

Na semana passada, o tribunal britânico permitiu uma revisão judicial da decisão de permitir abortos em casa durante a crise do coronavírus, depois que Christian Concern lançou um desafio legal à medida.

Porém, na mesma semana, o lobby do aborto no Reino Unido apresentou uma emenda a uma lei de abuso doméstico atualmente em tramitação no Parlamento que legalizaria permanentemente os abortos caseiros do tipo "faça você mesmo".

"Se essa emenda tivesse passado, as mulheres vulneráveis ​​estariam expostas a um risco maior de aborto forçado", disse Alithea Williams, assistente política da organização pró-vida Sociedade para a Proteção de Bebês (SPUC).

“No entanto, o anúncio de uma consulta sobre como tornar permanente o regime de abortos temporários em casa é muito preocupante. Já vimos amplas evidências de que essa prática é impossível de ser regulada e não é segura para as mulheres, especialmente as mais vulneráveis. A consulta não diminuirá os perigos desse tipo de aborto”, continuou ela.

“Temos muita experiência em consultas do governo sobre questões pró-vida que resultam em poucas evidências de que as preocupações pró-vida foram ouvidas. Mas continuaremos fazendo nossas vozes serem ouvidas, porque vidas estão em risco”, concluiu Williams.

veja também