Obama decreta 3 dias de oração pelas vítimas do 11 de setembro; entenda relação com Shemitah

As orações começam hoje e vão até domingo, 13 de setembro, que é também o último dia do ano Shemitah. Entenda a relação do ataque às Torres Gêmeas com os juízos de Deus contra os EUA nesse período.

Fonte: Guiame, com informações de ExameAtualizado: sexta-feira, 11 de setembro de 2015 14:48

 


Família Obama participando de culto, junto aos outros fiéis, em uma igreja dos EUA. (Foto: Reprodução/ Facebook)

 

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama decretou três dias de oração nesta quinta-feira (10), em memória das vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington. As orações começam hoje e vão até domingo (13).
 
"Eu, Barack Obama, presidente dos EUA, em virtude da autoridade que me conferem a Constituição e as leis dos EUA, proclamo que de sexta-feira, dia 11, até domingo, 13 de setembro, será um período de oração e comemoração nacional", disse o governante em comunicado.
 
"Peço aos americanos que honrem e lembrem as vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001 e seus entes queridos", disse Obama, estendendo o convite às pessoas de todo o mundo.
 
"Há 14 anos, a paz de uma bonita manhã se rompeu. Os eventos do dia 11 de setembro de 2001 deixaram uma marca permanente no espírito de todos os americanos, e nossa nação mudou para sempre. Perdemos quase 3 mil vidas valiosas, e seus entes queridos tiveram que enfrentar uma aflição inimaginável", acrescentou Obama.
 
No dia 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos sofreram o pior ataque terrorista de sua história, quando dois aviões sequestrados por integrantes da Al Qaeda atingiram as Torres Gêmeas, em Nova York, enquanto outro se chocou contra o Pentágono, em Washington, e uma quarta aeronave explodiu ao cair em terreno aberto na Pensilvânia.
 
As Torres Gêmeas e o Shemitah
 
O dia 13 de setembro de 2015, último dia de oração marcado por Obama, é também o último dia do Shemitah, conhecido como ano sabático, de acordo com o calendário judaico.
 
Nesse ano, os judeus obedecem a um mandamento divino: após um período de seis anos de trabalho, o sétimo deverá ser de descanso, confiança e dependência total da provisão de Deus. Assim, os judeus não colhem, nem plantam e procuram ajudar os pobres e os estrangeiros, segundo aponta Levítico 25:1-38.
 
Existe algo misterioso nesse ano relacionado ao juízo de Deus, constantemente aplicado contra os EUA. Por isso, as atenções dos estudiosos e sábios judeus estão voltadas para setembro e outubro de 2015. Eles provaram, em seus estudos, que em todos os finais de anos de Shemitah sempre ocorre um juízo. 

A construção do World Trade Center, um dos edifícios mais altos do mundo, se iniciou em 5 de agosto de 1966, um ano Shemitah. Quando as Torres Gêmeas do World Trade Center foram concluídas, o custo total para a Autoridade Portuária chegou a 900 milhões de dólares. A cerimônia de inauguração foi em 4 de abril de 1973, outro ano Shemitah.

A imponente construção das Torres Gêmeas foi destruída durante os ataques de 11 de setembro de 2001, juntamente com o World Trade Center 7, em um ano Shemitah. Junto a tragédia, aconteceu um grande colapso na economia mundial.
 
Em 17 de setembro de 2001, marcado no calendário judaico como o dia 29 do mês de Elul, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York fechou em queda de 7%, ou 684 pontos - a maior perda em pontos da história de Wall Street em um só dia.
 
Sete anos depois, no final do próximo Shemitah, o índice Dow Jones registrou um colapso ainda maior:  777,68 pontos negativos marcaram a maior queda em pontos em um único dia, o que representando o índice de 6,98%, no dia 29 de setembro de 2008, correspondente a 29 de Elul no calendário judaico.

"Tudo o que está acontecendo e sendo noticiado pelos jornais em todo o mundo já estava sendo anunciado através de artigos e pelas palavras dos profetas e sábios. Muitas coisas ainda estão por vir, inclusive o julgamento de nações que atacarem Israel. Os que são espirituais estão entendendo o que está acontecendo", alerta o apóstolo Joel Engel.
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame