Ministro britânico alerta que aeroporto de Cabul pode ser atacado “em poucas horas”

Segundo um jornalista, com o desespero das pessoas tentando fugir do Afeganistão, a situação no aeroporto é caótica.

Fonte: Guiame, com informações de BBC NewsAtualizado: quinta-feira, 26 de agosto de 2021 13:51
Forças americanas estão priorizando evacuação de afegãos que colaboraram com tropas dos EUA. (Foto: Reuters)
Forças americanas estão priorizando evacuação de afegãos que colaboraram com tropas dos EUA. (Foto: Reuters)

De acordo com o ministro das Forças Armadas britânicas, James Heappey, na manhã desta quinta-feira (26), há relatos “muito confiáveis” de uma ameaça severa em Cabul, capital do Afeganistão. “Pode haver um ataque terrorista altamente letal, em poucas horas”, ele alertou.

O Ministério das Relações Exteriores divulgou, ontem à noite, uma nova orientação dizendo a qualquer pessoa perto do aeroporto para “mudar para um local seguro e aguardar as coordenadas”.

Da noite para o dia, novos alertas também surgiram de capitais ocidentais sobre uma possível ameaça da afiliada do Estado Islâmico do Afeganistão, que provavelmente viu suas fileiras aumentadas pelo Talibã, libertando prisioneiros em todo o país. 

Enquanto o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, diz que cumprirá o prazo de 31 de agosto para retirar totalmente as tropas da guerra mais longa dos Estados Unidos, outras nações estão realizando vários voos na pista única do aeroporto internacional de Cabul para ajudar os que estão fugindo.

O primeiro-ministro Boris Johnson disse que a “esmagadora maioria” das pessoas elegíveis foi evacuada do país. Ele acrescentou que cerca de 15 mil foram transportados pelo Reino Unido até agora.

Situação no aeroporto de Cabul

O aeroporto de Cabul está sendo defendido e administrado pelos EUA  que tem 5.800 soldados no solo e a ajuda de mais de 1.000 soldados do Reino Unido. Na atualização divulgada na noite de quarta-feira (25), foi feito um alerta de que viajar por estrada era “extremamente perigoso” e que pessoas teriam sido “maltratadas” no caminho para o aeroporto.

Os EUA aconselharam os americanos no Afeganistão a não viajar ou se reunir no aeroporto por causa de ameaças à segurança fora dos portões. A Austrália também emitiu um alerta, dizendo aos que estão fora do aeroporto para irem embora imediatamente.

Questionado pela Sky News se um ataque poderia ocorrer nas próximas horas, Heappey respondeu: “Sim”, enfatizando a natureza severa da ameaça, ele disse à BBC que agora existe uma “situação extraordinariamente desafiadora”. 

“As pessoas estão desesperadas, temem por suas vidas de qualquer maneira, então acho que há um apetite entre muitos na fila para se arriscar [sair do país]”, disse ele.

Ele disse que as tropas do Reino Unido estavam fazendo o possível para fornecer segurança para aqueles que estavam na fila, mas a realidade era que eles estavam apenas controlando o caos no local.

O coronel Richard Kemp, ex-chefe das forças britânicas no Afeganistão, disse que o risco de um ataque terrorista existia desde o início dos esforços de evacuação.

Ele disse à BBC Breakfast: “Não tenho dúvidas de que nossas forças estão totalmente cientes da ameaça e já, há dias, vêm tomando medidas para tentar mitigá-la, para evitar que algo assim aconteça”, revelou.


Multidões de pessoas esperando do lado de fora do aeroporto de Cabul. (Foto: Reuters)

Desespero para fugir do Afeganistão

O secretário de Defesa, Ben Wallace, disse aos parlamentares que alguns afegãos que desejam fugir para a Grã-Bretanha podem se sair melhor tentando alcançar uma das fronteiras do país e seguir para um terceiro país.

Falando em uma reunião online, o Wallace teria sinalizado que havia poucos lugares restantes nos voos de evacuação e disse “nem todo mundo vai sair”. 

“É incrível e muito angustiante ver um grande número de pessoas ainda comparecendo ao aeroporto. Famílias inteiras, mulheres idosas sentadas em carrinhos de mão porque não conseguem andar, crianças pequenas sendo carregadas pelos pais”, disse Secunder Kermani, correspondente da BBC do Paquistão e do Afeganistão.

Segundo ele, um grande número deles não tem nenhuma chance realista de embarcar nos voos de evacuação porque simplesmente não têm a papelada certa. 

“Eu estava falando com uma senhora ontem, seu filho era um ex-intérprete do Exército dos EUA. Todos foram avisados ​​para irem ao aeroporto, mas passaram seis dias e seis noites vivendo em péssimas condições em uma espécie de acampamento provisório”, contou o correspondente.

“Eu perguntei a ela: Considerando tudo isso, não vale a pena apenas ficar no Afeganistão e ver como as coisas vão acontecer? Ela disse: Simplesmente não temos essa opção. Os americanos deveriam atirar em nós ou deveriam nos deixar passar, mas não vamos ficar aqui”, compartilhou.

Qualquer informação sobre a ameaça do Isis-K (uma ramificação do grupo do Estado Islâmico) ou avisos sobre possíveis ataques de homens-bomba leva muito tempo para filtrar até as pessoas que estão indo para o aeroporto. “E eles estão tão desesperados que sua prioridade é apenas encontrar uma saída”, lamentou.

Desde a tomada do governo afegão pelo Talibã, mais de 82 mil pessoas foram transportadas de avião para fora do aeroporto de Cabul, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

Blinken disse que o Talibã prometeu permitir que estrangeiros e afegãos partissem depois do final de agosto. Ele aguarda que a promessa seja cumprida. 

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame