Igreja tem reunião de líderes interrompida em Roraima e alega “perseguição”

Estavam presentes cerca de 100 líderes que estavam sendo orientados sobre o novo decreto, no templo que tem capacidade para 3 mil pessoas.

Fonte: Guiame, com informações do G1Atualizado: segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021 14:45
Líderes estavam reunidos na Assembleia de Deus para serem orientados sobre o novo decreto. (Foto: Arquivo pessoal)
Líderes estavam reunidos na Assembleia de Deus para serem orientados sobre o novo decreto. (Foto: Arquivo pessoal)

A sede da Igreja Assembleia de Deus, no centro de Boa Vista, em Roraima, foi alvo de uma fiscalização da prefeitura após denúncias de aglomeração na noite desta sexta-feira (29). 

A Polícia Militar foi acionada e chegou a dar voz de prisão ao pastor Isac Ramalho pelo descumprimento do decreto municipal que suspendeu a realização de missas, rituais e cultos por 15 dias na capital de Roraima.

Porém, o pastor assinou um termo de comparecimento para prestar esclarecimentos na delegacia e foi liberado no local.

Em nota, a Assembleia de Deus em Roraima informou que não estava sendo realizado um culto no momento da fiscalização, mas uma reunião para orientar os líderes sobre novas medidas com base no decreto.

A igreja informou ainda que estavam presentes 112 pessoas, o que representa menos de 5% da capacidade do templo, que é para cerca de 3 mil pessoas.

“Repudiamos a ação quando shoppings, cursinhos, bares e lanchonetes e outros estabelecimentos estão em pleno funcionamento, mesmo que com 30%, enquanto as igrejas da Assembleia de Deus são perseguidas, mesmo estando dentro de todas as normas de segurança, para uma reunião e não para um culto”, disse a nota.

“O pastor Isac Ramalho prestou todos os esclarecimentos e foi liberado, no entanto, não aceitamos e repudiamos a atitude de perseguição à Igreja de Cristo”, finalizou a denominação.

A prefeitura foi procurada pela reportagem do G1, mas não se manifestou sobre o caso até a publicação desta matéria. 

Siga-nos

Mais do Guiame