Enquanto a Rússia invade a Ucrânia, pastores decidem ficar: “Deus está conosco”

Pastores e líderes evangélicos atualizam situação na Ucrânia envolvendo os cristãos e trazem mensagens de ânimo e fé.

Fonte: Guiame, com informações do Christianity TodayAtualizado: sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022 12:31
Ucranianos orando na praça central de Kharkiv, Ucrânia. (Foto: Cortesia da Sociedade Bíblica Ucraniana)
Ucranianos orando na praça central de Kharkiv, Ucrânia. (Foto: Cortesia da Sociedade Bíblica Ucraniana)

A Rússia invadiu a Ucrânia nesta quarta-feira (24), pressionando até perto da capital Kiev. Uma casa batista foi destruída e um seminário abalado por explosões próximas. Fontes locais disseram ao Christianity Today, que nenhuma igreja ou prédio cristão havia sido atacado até aquele momento.

O presidente Vladimir Putin anunciou que suas forças tinham como alvo apenas instalações militares. Ele também afirmou que a Ucrânia não existe verdadeiramente como nação.

Igor Bandura, vice-presidente da União Batista, o maior órgão protestante da Ucrânia, ouviu falar de danos colaterais na casa de um batista em Donetsk durante uma chamada pelo Zoom com seus 25 superintendentes regionais.

Nas linhas de frente da região leste de Donbass, o líder batista do território ocupado de Luhansk não pôde participar.

Mas da cidade de Chasov Yor, na linha de frente da vizinha Donetsk – em uma área ainda sob controle do governo ucraniano – Bandura trouxe a avaliação local.

“As pessoas não querem estar sob controle russo”, disseram a ele. “Mas eles se sentem impotentes. O que as pessoas comuns podem fazer?”

Orações

Rezar. E mantenha a calma. Esta foi a mensagem divulgada pelo Conselho Ucraniano de Igrejas e Organizações Religiosas (UCCRO), um dia depois de seu apelo a Putin ficar sem resposta.

O rabino-chefe da Ucrânia convidou os líderes cristãos a recitar juntos o Salmo 31.

“Pedimos que você permaneça calmo, não ceda ao pânico e cumpra as ordens do estado ucraniano e das autoridades militares”, afirmou a UCCRO. “A verdade e a comunidade internacional estão do lado ucraniano. Acreditamos que o bem prevalecerá, com a ajuda de Deus.”

Evacuações e abrigos

Milhares de ucranianos fugiram para o oeste quando mísseis russos atingiram alvos em todo o país. O Ministério de Assuntos Internos da Ucrânia relatou centenas de casos de bombardeios.

O presidente Volodymyr Zelensky anunciou por vídeo pouco depois da meia-noite que 137 ucranianos morreram durante o primeiro dia da invasão. “Eles estão matando pessoas e transformando cidades pacíficas em alvos militares”, disse ele, segundo o The New York Times. “Isso é vilão e nunca será perdoado.”

Valentin Siniy, presidente do Traviski Christian Institute (TCI) em Kherson, a cerca de 80 quilômetros da Crimeia, teve que evacuar seu seminário junto com uma equipe de tradutores da Bíblia enquanto helicópteros russos atacavam alvos locais.

“A maioria dos antigos pastores das igrejas ficou nas cidades. Os líderes da juventude começaram a evacuar os jovens”, disse ele ao CT. “Conseguimos comprar uma van com 20 lugares para evacuar as pessoas. Cerca de 30 pessoas estão em um lugar seguro agora, no oeste da Ucrânia. Há cerca de mais 40 pessoas dirigindo para o oeste [em] veículos que estão em más condições”.

Enquanto isso, sua igreja abriu seu porão para abrigar os vizinhos que moram em prédios de vários andares dos bombardeios.

“Eu e todos os ministros ficamos em Kiev”, disse Yuriy Kulakevych, diretor de relações exteriores da Igreja Pentecostal Ucraniana. “Continuamos nossas orações de intercessão, conversamos com as pessoas para reduzir o pânico e ajudamos os necessitados.”

Em Kamyanka, 220 quilômetros ao sul, Vadym Kulynchenko, do Our Legacy Ukraine, relatou que sua igreja já havia começado a receber refugiados do leste. Será fornecido abrigo temporário e as principais necessidades são alimentos, remédios, combustível, produtos de higiene e colchões de ar.

Notícias falsas

Bombas atingiram três centros de infraestrutura em Kamyanka.

“Por favor, ore por fazer discípulos no país, segurança para nosso povo e generosidade em meio à guerra”, pediu Kulynchenko. “E também por discernimento, pois há muitas notícias falsas.”

O Seminário Teológico de Kiev (KTS) havia emitido anteriormente um aviso geral.

“Gerar pânico por meio da disseminação de informações falsas manipuladoras é exatamente o que o inimigo procura”, escreveu um professor de comunicação na terça-feira. “Esta guerra não é tanto para nossos territórios, mas para nossa alma e nossa mente.”

Na quinta-feira, o KTS citou Isaías 41:10, pois instou seu público no Facebook a “não entrar em pânico, mas lembrar quantas vezes Deus em Sua Palavra diz 'não tenha medo'”, a confiança em Deus e o amor ao próximo dão força.

Com um “coração de chumbo”, Taras Dyatlik escreveu para os defensores da educação teológica sobre as muitas necessidades de oração que atualmente enfrentam seus companheiros de igreja e líderes de seminário na Ucrânia – incluindo receber refugiados em seus dormitórios.

“Muitos deles estão pensando na evacuação de seus funcionários, professores e alunos dentro da Ucrânia, e alguns não têm nenhuma possibilidade de evacuar”, escreveu o diretor regional do Conselho Ultramarino para a Europa Oriental e Ásia Central.

Ele pediu oração pelas famílias, incluindo a sua, já que o anúncio da mobilização total da Ucrânia “significa que muitos estudantes, graduados, professores serão convocados para o serviço militar para servir no exército e participar dos combates”. E pediu oração pelas esposas dos líderes masculinos. Como todos os homens de 18 a 60 anos não podem mais deixar o país, ele disse que muitas esposas também ficam.

“Hoje conversei com [minha esposa] sobre a evacuação da Ucrânia”, escreveu Dyatlik. “Ela imediatamente recusou e disse: 'Estarei com você até o fim'”.

‘Deus está conosco’

Estudantes do Seminário Teológico Evangélico da Ucrânia (UETS) fora de Kiev foram instruídos a se abrigar no local enquanto os militares lutavam em um aeroporto próximo, de acordo com o diretor de serviços de língua inglesa da escola, Josh Tokar. Aqueles no campus estão com medo, mas não em pânico, disse ele. O presidente do seminário enviou uma mensagem do Salmo 27: “O Senhor é minha luz e minha salvação — a quem temerei?”

Bandura não ressoou com o pedido de calma.

“Quem é você para dizer que nossa nação não existe?”, ele disse sobre a retórica de Putin. “A verdade está conosco, e Deus está conosco. Queremos viver em paz, mas se a Rússia quiser tirar isso de nós, vamos lutar”.

Enquanto alguns ucranianos favorecem a Rússia, disse ele, metade da população está pronta para defender pessoalmente sua nação.

Circularam imagens de avós com armas. Enquanto isso, uma pesquisa recente da CNN revelou que 13% dos ucranianos são a favor do uso da força pela Rússia para reunir as duas nações. Apenas 36% dos russos eram a favor (73% e 43% discordaram, respectivamente.)

A Aliança Evangélica Russa (REA) expressou seu apoio ao apelo da UCCRO para iniciativas de pacificação.

“Todos os cristãos evangélicos oram todos os dias e pedem ao Todo-Poderoso que dê sabedoria a todos”, afirmou Vladimir Vlasenko, secretário-geral da REA, “para preservar a frágil paz e não mergulhar nossos países em conflitos fratricidas”.

Caos, morte e miséria

“Não vemos justificativa para essas ações e estamos profundamente angustiados com a morte, destruição, caos e miséria que resultarão”, afirmou Thomas Bucher, secretário-geral da Aliança Evangélica Europeia, segundo o Evangelical Focus.

“A invasão da Ucrânia é injustificada e não provocada”, afirmou. “Foi alegado que o ataque é necessário para proteger os russos étnicos na Ucrânia e impedir a Ucrânia de ameaçar a Rússia. Essas alegações são falsas. Este desastre foi provocado pelo presidente Putin para fins geopolíticos mais amplos”.

Em Rivne, no oeste da Ucrânia, as autoridades locais orientaram todas as igrejas a permanecerem abertas, com os líderes da igreja mantendo contato com os moradores para ajudar a coordenar a ajuda e o equipamento militar, conforme necessário.

Muitos na Ucrânia estão mostrando resiliência.

“Nossa oração hoje é que a vontade de Deus se espalhe na Terra como no céu”, disse Siniy. “Eu encorajo minha equipe e outros líderes cristãos que a missão permaneça a mesma, mesmo que tenhamos que mudar a geografia”.

Funcionários da New Life Radio em Odessa, na costa do Mar Negro, observaram mísseis passando por suas casas. Eles disseram ao Evangelical Focus que estão tomando medidas para esconder equipamentos e preservar a transmissão, caso a estação seja invadida em um futuro próximo.

Vasyl Ostryi, pastor da Igreja Bíblica Irpin, 29 quilômetros a noroeste de Kiev e professor de ministério de jovens da KTS, também decidiu ficar.

“Quando isso acabar, os cidadãos de Kiev se lembrarão de como os cristãos responderam em seu momento de necessidade”, escreveu ele para a The Gospel Coalition. “Vamos abrigar os fracos, servir os sofredores e consertar os quebrados. E ao fazê-lo, oferecemos a esperança inabalável de Cristo e seu Evangelho”.

Bíblia online

A YouVersion notou um aumento entre os usuários ucranianos e russos de seu popular App da Bíblia nas últimas três semanas: as buscas por medo aumentaram 11%; as buscas pela paz aumentaram 44%.

“Imprimimos Bíblias para 2022 e agora estamos no segundo mês do ano e o estoque em nosso armazém está quase no fim”, disse Anatoliy Raychynets, vice-secretário geral da Sociedade Bíblica Ucraniana, ao Eternity News pouco antes da invasão.

“Em nossas igrejas – sejam ortodoxas, católicas, protestantes ou evangélicas – há mais pessoas novas. Não apenas aos domingos ou sábados, mas também durante a semana”, disse ele ao serviço de notícias da Sociedade Bíblica Australiana. “Nas noites em que temos um estudo bíblico, novas pessoas estão chegando. Eles querem orar, ouvir algo que traga esperança ou conforto.”

Rick Perhai, diretor de graus avançados da KTS, disse que a igreja internacional que ele pastoreia em Kiev tem vários líderes recomendando que a congregação continue sua adoração no próximo domingo. Alguns de seus membros expatriados fugiram; outros querem ficar e se juntar à luta.

Ele lamenta que o inimigo esteja tentando destruir a Ucrânia à medida que seus cristãos crescem cada vez mais preparados para levar o Evangelho às nações vizinhas. No entanto, ele está orando pelos russos, pedindo a Deus que lhes conceda arrependimento.

‘Orem’

Mas sua petição também é imprecatória. “Ore para que a nação da Rússia se canse dos discursos de seu tirano em casa e no exterior”, disse Perhai, “e que eles o removam”.

Dyatlik também pediu oração pela “verdade”, citando todas as “perspectivas” da mídia.

“Nós não convidamos a guerra. O Kremlin e Vladimir Putin trouxeram para a Ucrânia. ... Há uma avaliação moral dos atos de agressão como este”, escreveu o educador teológico. “Esses atos têm definição bíblica e avaliação bíblica. Por favor, ore pelo discernimento espiritual sobre essas coisas.”

Dyatlik encerrou sua carta de oração com pedidos para os crentes de ambos os lados do conflito:

Por favor, ore pelos cristãos russos para que eles levantem suas orações e voz ao governo russo para parar a agressão; [que eles] não ficariam calados; por favor, ore pelos governos ocidentais, dos EUA e da União Europeia.

Finalmente, por favor, ore pelos cristãos ucranianos, para que sirvamos e vivamos como comunidade de esperança no sentido pleno deste termo; que durante esses tempos terríveis convidássemos cada vez mais pessoas para os relacionamentos com Deus e Seus filhos, para os relacionamentos de amor, esperança, encorajamento, apoio; que nossas mentes e nosso caráter continuem a se transformar no caráter de Jesus Cristo.

As nações ocidentais condenaram Putin redondamente e prepararam sanções. Circularam relatos de russos fazendo fila em caixas eletrônicos para sacar seu dinheiro, temendo que a nação fosse cortada do sistema bancário internacional.

Enquanto isso, em Donetsk, onde 25 equipes missionárias estão trabalhando para estabelecer igrejas, as linhas de gás exigem uma espera de horas para um suprimento racionado de cinco galões. Histórias de que supermercado sofrem com prateleiras vazias, enquanto os ucranianos estocam alimentos e água de emergência.

Bandura transmite os dois principais pedidos de oração de seu supervisor.

“Primeiro, para parar o agressor”, disse ele. “Mas então para paz de espírito, para responder com caráter cristão e não com ódio humano.”

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições