'Direito ao aborto' até o último mês de gravidez é defendido por democratas

Questionados sobre as leis que possivelmente limitariam as circunstâncias para a realização de abortos, os candidatos democratas Bernie Sanders e Hillary Clinton afirmaram que "as mulheres não devem ser limitadas pelo governo em suas decisões sobre este assunto".

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: quarta-feira, 9 de março de 2016 12:28
Hillary Clinton é candidata democrata à presidência dos Estados Unidos. (Foto:  Rebecca Cook / Reuters)
Hillary Clinton é candidata democrata à presidência dos Estados Unidos. (Foto: Rebecca Cook / Reuters)

Ambos os candidatos presidenciais democratas Hillary Clinton e Bernie Sanders declararam seu apoio para manter o 'direito ao aborto', até o momento do nascimento do bebê, embora seus posicionamentos tenham sido expressos de diferentes maneiras.

Em aparições separadas no mesmo palco, na noite da última segunda-feira, em Detroit, Michigan, Clinton e Sanders foram questionados sobre o aborto na câmara municipal, televisionada pela Fox News.

"Você pode citar uma única circunstância em qualquer ponto de uma gravidez em que você concorda que o aborto seja ilegal?", perguntou o moderador Brett Baier.

Sanders não revelou o nome de uma única circunstância, dizendo: "É errado que o governo diga a uma mulher o que fazer com seu próprio corpo".

"Eu sei que nem todo mundo aqui vai concordar comigo. Eu acredito que é errado que o governo diga a uma mulher o que fazer com seu próprio corpo. Eu entendo que há pessoas honestas. Quero dizer, eu tenho um monte de amigos, alguns apoiantes, alguns discordam. Eles sustentam um ponto de vista diferente, e eu respeito isso. Mas esse é meu ponto de vista", disse Sanders, um senador norte-americano de Vermont.

Ele acusou os republicanos pró-vida de serem hipócritas, dizendo que falar contra a intervenção governamental na vida pessoal dos cidadãos, "mas de alguma forma sobre esta questão, eles querem dizer a todas as mulheres da América, o que elas devem fazer com seu corpo".

Quando questionado, mais especificamente, se deve haver restrições ao aborto tardio, ele disse: "Eu sou pró-escolha e acredito que seja uma escolha a ser feita entre uma mulher, seu médico e sua família".

Em outra parte do debate, no entanto, Sanders "apoiou direitos humanos". Quando questionado sobre o motivo pelo qual acredita que "saúde é um direito de todas as pessoas", ele respondeu, "um ser humano é um ser humano", acrescentando que o direito é para todos, independentemente das suas circunstâncias na vida.

A resposta de Clinton para a questão do aborto foi mais sutil, mas na prática, soou como a mesma posição de Sanders.

"Você acha que uma criança deve ter quaisquer direitos ou proteções antes de seu nascimento? Ou você acha que não deve haver quaisquer restrições sobre quaisquer abortos em qualquer fase da gravidez?", Baier perguntou.

"Conforme o caso 'Sob Roe v. Wade', que está enraizado na Constituição, as mulheres têm esse direito de tomar essa decisão muito pessoal com sua família, de acordo com a sua fé, com o seu médico", ela respondeu. "Não é muito de um certo se ela for totalmente limitada e restrita".

Depois Baier pressionou novamente: "sem quaisquer excepções?". Clinton disse que iria apoiar restrições ao mandato de abortos tardios, desde que eles tenham "exceções para a vida e a saúde da mãe".

No caso do Supremo Tribunal de 'Doe v. Bolton', a exceção de saúde foi definida tão liberalmente que efetivamente fez com que o aborto fosse legalizado durante todo o prazo de uma gravidez. A saúde da mãe pode ser "exercida à luz de todos os fatores - físico, emocional, psicológico, familiar e idade da mulher - relevante para o bem-estar da paciente", disse o tribunal.

Ao que tudo indica, Clinton e Sanders estão fora de sintonia com a grande maioria dos norte-americanos sobre esta questão.

De acordo com uma pesquisa feita pelo instituto 'Gallup', 80% dos norte-americanos em 2012, acreditavam que o aborto deveria ser ilegal nos últimos três meses de gravidez. Já uma pesquisa semelhante de janeiro 2015 mostrou que 84% dos norte-americanos acreditam que o aborto deve ser restringido, quer ao primeiro trimestre ou apenas a casos de estupro, incesto e / ou para salvar a vida da mãe.

As posturas dos candidatos democratas sobre o aborto diferem significativamente dos seus rivais republicanos, que têm todos expressado pontos de vista pró-vida. O senador Marco Rubio (Flórida) apoia uma proibição total do aborto, exceto em casos em que a vida da mãe esteja em perigo.

"Eu faço apoiar a proteção pela vida da mãe, porque eu sou pró-vida", disse Rubio em fevereiro.

"Eu só acredito profundamente que toda a vida humana é digna de protecção das nossas leis. Se eu sou presidente e há um projeto de lei que é passado e salva vidas, mas tem exceções, vou assiná-lo. Mas eu acredito profundamente que todos os humanos são dignos da proteção das leis. Eu já disse, para mim, a questão da vida não é uma questão política e eu quero ser franco. Eu preferiria perder uma eleição do que estar errado sobre a questão da vida".

Gianna Jessen
O aborto é uma questão que vem levantando polêmica nos Estados Unidos e em outros países. Recentemente, a militante pró-vida Gianna Jessen - que inspirou o filme "Bebê de Outubro" - voltou a emocionar com seu testemunho de superação.

Após uma tentativa frustrada de sua mãe, que tentou abortá-la, Gianna nasceu com paralisia cerebral e afirmou que sua vida é repleta de superações e se alegra por isso.

"Eu sou uma vencedora em Cristo", afirmou ela.

Siga-nos

Mais do Guiame