Cientistas descobrem evidências da explosão de meteoros que destruiu Sodoma

Os cientistas descobriram a datação por radiocarbono e minerais descobertos, que instantaneamente se cristalizaram em altas temperaturas.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: segunda-feira, 26 de novembro de 2018 13:04
Evidências preliminares indicam que uma explosão de meteoros de baixa altitude há cerca de 3.700 anos destruiu cidades, aldeias e fazendas ao norte do Mar Morto. (Foto: FIGHTBEGIN/ISTOCK.COM)
Evidências preliminares indicam que uma explosão de meteoros de baixa altitude há cerca de 3.700 anos destruiu cidades, aldeias e fazendas ao norte do Mar Morto. (Foto: FIGHTBEGIN/ISTOCK.COM)

Cientistas descobriram que uma "explosão superaquecida vinda dos céus" destruiu cidades perto do Mar Morto 3.700 anos atrás, o que os analistas bíblicos dizem ecoar a destruição de Sodoma.

A revista Science News informou que as novas descobertas foram reveladas na reunião anual das Escolas Americanas de Pesquisa Oriental na semana passada pelo arqueólogo Phillip Silva da Trinity Southwest University, em Albuquerque, Novo México (EUA).

Os cientistas descobriram a datação por radiocarbono e minerais descobertos, que instantaneamente se cristalizaram em altas temperaturas no que costumavam ser cidades e assentamentos agrícolas ao norte do Mar Morto, sugerindo que um enorme estouro de ar, possivelmente por um meteoro, destruiu comunidades em um raio de pouco mais de 24 Km, na ampla planície circular.

Silva disse que após o evento cataclísmico, as pessoas não retornaram à região por 600 a 700 anos.

Pesquisadores têm estudado cinco grandes sítios em Middle Ghor, na atual Jordânia, que se acredita terem estado continuamente ocupados por pelo menos 2.500 anos, até que de repente "desmoronaram" no final da Idade do Bronze.

Algumas das evidências mais fortes de uma explosão de meteoros de baixa altitude foram encontradas nos restos da cidade de Tall el-Hammam, onde a datação por radiocarbono mostra que as paredes de tijolos de quase todas as estruturas foram repentinamente apagadas 3.700 anos atrás.

Montando o quebra-cabeça

Outros achados notáveis ​​mostram que as camadas externas de cerâmica pareciam ter-se derretido em vidro, como resultado de temperaturas extremamente altas.

Já o site 'Times of Israel' apontou para outras pesquisas arqueológicas, como um artigo de 2013 da Biblical Archaeology Review do co-diretor do TeHEP, Dr. Steven Collins, revelando que a área de Tall el-Hammam oferece evidências de que poderia ter sido a cidade bíblica de Sodoma.

A ardente destruição de Sodoma e Gomorra é notoriamente retratada na passagem bíblica de Gênesis 19, que diz que "Deus destruiu as cidades da planície", com "fumaça densa subindo da terra, como fumaça de uma fornalha".

O relato bíblico também mencionou que Deus derrubou "todos os que vivem nas cidades" junto com "a vegetação da terra".

Collins disse em seu artigo naquela época que ele testemunhou destruição similar em primeira mão.

"A conflagração violenta que terminou a ocupação em Tall el-Hammam produziu cerâmica derretida, pedras de fundação queimadas e vários metros de cinzas e detritos de destruição transformados em uma matriz cinza escuro como se estivesse em um Cuisinart", afirmou na época.

Além disso, Silva e Collins escreveram o artigo “O evento de civilização - terminando com o evento 3.7KYrBP: dados arqueológicos, análises de amostras e implicações bíblicas” em 2015, que argumenta que "as evidências físicas de Tall el-Hammam e locais vizinhos exibem sinais de um evento térmico e concussivo altamente destrutivo que se poderia esperar do que está descrito em Gênesis 19".

"A destruição não apenas do Alto el-Hammam (Sodoma), mas também de seus vizinhos (Gomorra e outras cidades da planície) foi provavelmente causada por um evento de explosão de ar meteorítico", acrescentaram os autores.

Siga-nos

Mais do Guiame