Redes sociais, evangelho e baladas gospel

Redes sociais, evangelho e baladas gospel

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:39

Aos homens a pressão por um comportamento virtuoso também parece ser uma constante. “É difícil dizer não ao assédio, mas eu prefiro ficar aguardando”, diz Pedro Paulo Freire, 18 anos, estudante universitário. Pedro Paulo quer ser empreendedor. Estuda Administração. Por enquanto, vive o que a idade lhe oferece. Joga futebol, frequenta academia. “É preciso gastar energia”, diz. Vez em quando frequenta uma balada gospel, com direito a funks, forrós, pagodes e outros ritmos, todos louvando a Deus. “O problema não são as baladas e sim o que a pessoa faz. Eu me valorizo e me sinto preenchido”, diz ele.

Como outros da idade dele, Pedro Paulo utiliza todas as redes sociais possíveis. Mas critica a exposição de vulgaridades que assola a internet. Compartilha, com isso, o mesmo pensamento de Andreza Burção, que também gasta de uma a duas horas por dia nas redes sociais.

Na igreja que frequenta, no bairro do Marco, Marcelo Sousa, 25 anos, é chamado, na brincadeira, de ‘modelo’. Isso por conta da vaidade adotada por ele no modo de vestir. Ex-integrante de um grupo de pagode, ainda carrega um pouco do antigo modo de vida no estilo de roupa. Estão ali os cordões, as pulseiras, os anéis, vez em quando um chapéu e um gel no cabelo. Mas tudo isso, para Marcelo, tem um sinônimo que lhe foi proporcionado pela igreja: liberdade. “O evangelho é liberdade. E liberdade não prende as pessoas naquilo que elas não querem ser”, diz ele.

Comportamentos como os desses jovens integrantes da Assembleia de Deus acabam por ser criticados por parcelas das igrejas evangélicas. Mas foram jovens como eles que renovaram a forma de evangelizar, segundo admite o próprio presidente da Assembleia de Deus, o pastor Samuel Câmara. “O limite de tudo é a decência”, resume. Marcelo Sousa complementa. “Têm pessoas que vivem sob o jugo do pecado, mas viver sob o jugo da religião, quando se julga a tudo e a todos, acaba sendo uma forma de prisão também. Eu prego o Evangelho da maneira como Jesus me mandou pregar, com a minha linguagem e o meu tempo”.

Conferência Voz dos Apóstolos - Inscreva-se!
Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame