Pelo menos 26 cristãos são mortos em dois dias de ataques, na Nigéria

O ataque foi realizado por islâmicos da etnia fulani, que são o segundo maior grupo perseguidor de cristãos na Nigéria.

Fonte: Guiame, com informações do World Watch MonitorAtualizado: quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017 19:39
Os radicais islâmicos mataram pessoas durante ataques simultâneos nas aldeias. (Foto: AFP).
Os radicais islâmicos mataram pessoas durante ataques simultâneos nas aldeias. (Foto: AFP).

Extremistas islâmicos de etnia Fulani, armados, realizaram ataques em comunidades no estado de Kaduna, no centro da Nigéria, nos dias 19 e 20 de fevereiro, destruindo casas e matando pelo menos 26 pessoas, incluindo dois policiais.

De acordo com a CSW, centenas de extremistas apareceram em Bakin Kogi na área do Governo Local da Jemaa, no sul de Kaduna durante a noite de 19 de fevereiro, incendiando casas, matando pelo menos sete pessoas e deixando mais feridos.

Na madrugada do dia 20 de fevereiro, pistoleiros Fulani mataram 14 pessoas durante ataques simultâneos nas aldeias de Mifi e Ashim, em Kaura. As vítimas incluíam mulheres e crianças, e tinham entre oito e 73 anos. Os Fulani também teriam se envolvido em batalhas armadas contra soldados e policiais que se moveram para reprimir os ataques.

O governo do Estado respondeu aos últimos assassinatos ao deslocar o Comandante do Exército e o Comandante da Polícia ao sul de Kaduna, aparentemente para coordenar a resposta aos "bandidos".

No entanto, também acusou líderes de igrejas, ativistas, jornalistas e até governantes tradicionais que procuram aumentar a conscientização sobre a violência, de fazer discursos de ódio, e de tentar obter financiamento estrangeiro. Vários deles foram levados para interrogatório ou foram brevemente detidos.

No dia 17 de fevereiro, a ativista e advogada Audu Maikori, que erroneamente publicou em seu Twitter um relatório falso foi presa antes de poder retirá-lo e pedir desculpas, em Lagos e foi levada para Abuja, onde ficou detida durante a noite em um mandado emitido em Kaduna.

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame