Pastor lamenta o massacre em igreja dos EUA e convoca: "Sejamos a luz pela qual estão desesperados"

O legista do condado de Charleston, Rae Wooten identificou as seis mulheres e três homens assassinados por Roof. O autor dos disparos assumiu na última quinta-feira (18) - ao ser preso pela polícia local - que 'queria começar uma guerra racial'.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: sexta-feira, 19 de junho de 2015 20:31
Pastor Stevn Furtick durante pregação na igreja 'Elevation', no estado da Carolina do Norte (EUA)
Pastor Stevn Furtick durante pregação na igreja 'Elevation', no estado da Carolina do Norte (EUA)

Líder da Igreja 'Elevation', no estado da Carolina do Norte (EUA), o pastor Steven Furtick exortou as igrejas de todo o país a "serem a luz que todos estão tão desesperados para ver", depois que o atirador Dylann Roof, de 21 anos de idade, executou nove pessoas durante um estudo bíblico dentro da Igreja Metodista Episcopal Africana Emanuel, em Charleston, Carolina do Sul, na última quarta-feira (17).

O legista do condado de Charleston, Rae Wooten identificou as seis mulheres e três homens assassinados por Roof. O autor dos disparos assumiu na última quinta-feira (18) - ao ser preso pela polícia local - que 'queria começar uma guerra racial'.

As vítimas de Roof foram identificadas como: Clementa Pinckney, 41 anos, pastor sênior da igreja; Sharonda Coleman-Singleton, 45 anos, pastora auxiliar; Tywanza Sanders, 26 anos; Ethel Lance, 70 anos; Susie Jackson, 87 anos; Cynthia Hurd, 54 anos; Myra Thompson, 59 anos; Daniel Simmons, 74 anos; e DePayne Middleton, 49 anos.

No texto intitulado "Olhando para a Luz" e postado no Facebook, nesta quinta-feira, o pastor Furtick citou a passagem do evangelho segundo S. João capítulo 1, versículo 5: "A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreendem", e encorajou a igreja a manter a esperança, apesar de sua própria dificuldade em chegar a um consenso sobre os assassinatos no interior daquele templo.

"Eu estou tendo dificuldades para conciliar esse versículo da Bíblia com a realidade de hoje", assumiu Furtick.

"Como é que nós agora, oramos com fé pelas as famílias daqueles que pareciam não ter recebido nenhuma proteção divina enquanto oravam?", ele questionou.

Recordando palavras de conforto para o coração partido, Furtick também notou a "magnitude da escuridão".

"Não deveríamos reconhecer os horrores do ódio e da injustiça?" perguntou o pastor. "Como posso, como um homem branco, começar a avaliar e interiorizar a dor e indignação que meus irmãos e irmãs afro-americanos estão experimentando? Qualquer platitude que eu possa oferecer parece certamente lamentável agora".

Ele, então, fez um paralelo entre a escuridão ea luz, uma vez que é encontrada na Bíblia antes de expressar otimismo no poder da fé.

"Eu sei que nós vamos ver a luz brilhando nos dias que estão por vir", escreveu ele. "Nós vamos vê-la na unidade da comunidade de Charleston e através da capacidade de resistência da família da fé. Esperamos que vamos vê-la através da energia renovada para mais diálogo e mudanças em nossa nação, que estão acontecendo há muito tempo".

Furtick, cuja igreja observou em um post no Facebook que sua equipe começou o dia orando pela comunidade em luto, disse: "neste momento, nossas igrejas poderiam ser a luz que todos estão desesperados para ver".

Fontes dizem que Roof teria participado do estudo bíblico por uma hora antes de abrir fogo no porão da igreja. O templo tem sido uma parte da comunidade Charleston desde 1816, quando foi fundada por um ex-escravo.

O presidente Obama referiu-se ao tiroteio na igreja como 'particularmente devastador' e o rapper cristão Lecrae postou no Instagram, que estava em oração pela igreja de Charleston.

"Na verdade, está chegando o tempo em que quem vos mata acha que o faz em nome de Deus", escreveu o rapper, citando a Bíblia. "Eles vão coloca-lo para fora das sinagogas. E eles vão fazer essas coisas porque não conheceram ao Pai nem a mim'. (João 16:2-3) #OremosPorCharleston".

Siga-nos

Comentários

Mais do Guiame